PUBLICIDADE

Julgamento de Daniel Alves acontecerá em fevereiro, diz jornal espanhol

O julgamento por suspeita de estupro acontecerá entre os dias 5 e 7 de fevereiro de 2024

20 dez 2023 - 15h20
(atualizado às 16h00)
Compartilhar
Exibir comentários
Daniel Alves está preso desde 20 de janeiro deste ano
Daniel Alves está preso desde 20 de janeiro deste ano
Foto: Getty Images / Perfil Brasil

A Justiça da cidade de Barcelona, na Espanha, anunciou nesta quarta-feira (20) as datas do julgamento do ex-jogador da Seleção Brasileira Daniel Alves. A informação é do jornal espanhol "El País". O julgamento acontecerá entre os dias 5 e 7 de fevereiro de 2024.

Caso Daniel Alves: investigação termina e atleta será julgado por agressão sexual Caso Daniel Alves: investigação termina e atleta será julgado por agressão sexual

Daniel Alves está preso desde 20 de janeiro deste ano, acusado de violência sexual contra uma garota de 23 anos dentro de uma boate em Barcelona. O caso teria acontecido no dia 30 de dezembro de 2022. O ex-jogador nega todas as acusações.

Na Espanha, denúncias de estupro são investigadas sob a acusação geral de agressão sexual, e as condenações podem levar a penas de prisão de 4 a 15 anos, segundo matéria do G1.

Desde janeiro, quando foi ouvido pela polícia pela segunda vez e se contradisse, Daniel Alves está em prisão preventiva, sob a alegação de risco de fuga. Ele não tem direito a fiança e seguirá no mesmo presídio, nos arredores de Barcelona, enquanto aguarda o julgamento.

Daniel Alves mudou sua versão pelo menos três vezes desde então. Na primeira vez em que falou sobre o caso, em um programa de TV da Espanha, ele afirmou que não conhecida a denunciante.

Em abril, já preso, ele declarou à juíza responsável pelo caso que manteve relações sexuais consensuais com a jovem sem penetração. Ele argumentou ter mentido para ocultar a relação extraconjugal da esposa, a modelo espanhola Joanna Sanz, que posteriormente pediu a separação.

Em uma última versão, Daniel Alves reconheceu que houve penetração, mas repetiu que a relação foi consensual, o que a suposta vítima nega. A juíza do caso também determinou que ele precisará pagar 150 mil euros (cerca de R$ 798 mil) à suposta vítima para cobrir eventuais danos e prejuízos.

Perfil Brasil
Compartilhar
Publicidade
Publicidade