PUBLICIDADE

Roblox: como é viver da criação de conteúdo no game?

Caio Cabral conta como é viver da criação de conteúdo em um dos jogos mais populares da atualidade

17 dez 2021 08h10
ver comentários
Publicidade
Foto: Roblox/Divulgação

Se você acompanha o mundo dos games, sabe que o Roblox se tornou uma das grandes potências do mercado. Caso não esteja familiarizado, é uma plataforma para usuários criarem experiências e jogos que serão disponibilizados para toda a comunidade. O interessante é que a moeda digital Robux, necessária para comprar novas skins e itens, mudou a vida de alguns desenvolvedores. Esse é o caso de Caio Cabral, que conta para o GameOn como é viver da criação de conteúdo no Roblox. 

Primeiramente, para entender como Caio e outros desenvolvedores estão lucrando com a plataforma, vale observar o cenário atual. Em março, a empresa divulgou ter valor de mercado maior que a EA e a Take-Two, duas gigantes dos games. A partir desta afirmação, já dá para ter um vislumbre da dimensão que o negócio atingiu. Quanto aos curiosos e modders que passaram a criar conteúdo no Roblox, no total, existem cerca de 2 milhões de desenvolvedores de jogos ativos no Roblox. 

A receita é gerada quando esses jogos ganham destaque e lançam sua luz sobre os acessórios e itens virtuais utilizados, sem contar o espaço para publicidade no app. Com mais de 18 milhões de “experiências” criadas junto a todos esses fatores, não é surpresa que desenvolvedores passaram a viver da criação de conteúdo. 

Vivendo de Roblox

Perfil do Caio no Twitter, rede em que o criador está mais ativo, além do Roblox.
Perfil do Caio no Twitter, rede em que o criador está mais ativo, além do Roblox.
Foto: Twitter

A primeira camada da criação de conteúdo dos jogos é onde os usuários criam as experiências, aplicando o conceito e dinâmica de acordo com sua ideia. Ou seja, construção do jogo em si, para outras pessoas se divertirem nos mais diversos gêneros, passando por luta, tiro e outros.

Existem também pessoas que criam conteúdo no nível acessório, como itens para customização dos bonecos e o ambiente. É nessa área que o artista 3D e desenvolvedor, Caio Cabral, atua com destaque na comunidade gamer. O carioca de 26 anos é o maior nome da categoria no Brasil, carregando o maior número de vendas entre os brasileiros e posicionado no Top 20 global entre os criadores UGC (User-Generated Content).

Primeiro contato com a plataforma 

O Roblox levou 15 anos para crescer até seu ponto atual. E a maior parte desse crescimento é recente, pulando de 9 milhões de usuários em fevereiro de 2016 para 90 milhões em abril de 2019.

A história do Caio em meio a essa crescente começa em 2011. Um garoto perto dos 16 anos na época, Caio foi convidado pelo primo americano a conhecer Roblox. De início, o desenvolvedor conta que até questionou se o jogo não pesaria no computador, pois estava com uma máquina desatualizada. “Fiquei impressionado com a facilidade. É só clicar no jogo que você quer, sem baixar ou instalar nada, direto na plataforma. Sem contar que também não exige muito recurso em relação à tecnologia do computador. A partir daí, comecei a jogar sempre”. 

Porém, antes de se tornar o maior nome nacional do Roblox, Caio se afastou da plataforma, para apenas em 2019 voltar a jogar e, consequentemente, criar conteúdo. 

Interesse por 3D vira profissão

Foi com uma recomendação de vídeo no YouTube sobre “o segredo do fotorrealismo” que, o que logo viraria uma paixão, foi despertado como um interesse por 3D, graças a um canal que mostrava um quarto replicado digitalmente a partir da computação gráfica. “Nunca tinha pensado nisso, que pessoas faziam os jogos que eu jogava com o uso de 3D. Eu precisava fazer aquilo!”, conta o desenvolvedor com empolgação sobre o início.

Para quem já mexia com animação, foi preciso tempos de estudo misturados à vontade de se encontrar profissionalmente. “Depois que eu aprendi, vi que eu queria trabalhar com isso, mas não sabia como”. O próximo passo seria um curso de design – não da melhor qualidade, brinca o desenvolvedor – em que ele conheceu um amigo que o levaria de volta para o Roblox.

Como dupla, Caio e Guilherme - o amigo que o convenceu não apenas a jogar Roblox, como também a participar de uma competição da plataforma – entraram numa competição brasileira de criadores UGC. O prêmio seria fazer parte do time de desenvolvedores da plataforma. 

O desafio envolveu a criação de um catálogo com 20 itens que, para surpresa dos amigos, conquistou o primeiro lugar. “Foi um dia absurdo, eu fiquei muito feliz!”, relembra.

Viver da criação de conteúdo para Roblox

Catálogo de itens da loja virtual do Caio
Catálogo de itens da loja virtual do Caio
Foto: Roblox

A plataforma Roblox oferece ferramentas e tutoriais para jovens desenvolvedores personalizarem e criarem seus próprios jogos. Para monetizar, eles podem vender itens do jogo como roupas virtuais ou animais de estimação por dinheiro real. Vale frisar que os avatares possuem designs que misturam Lego com Playmobil. Logo, o que atrai é a personalização.

A empresa anunciou recentemente que seus desenvolvedores estavam a caminho de ganhar mais de 250 milhões de dólares este ano. “Em dois anos como criador da plataforma, hoje eu vivo só disso. Meus investimentos em outras áreas vêm da minha renda no Roblox", afirma Cabral. 

Com as vendas, Caio brinca que a primeira coisa que fez foi substituir seu computador de 12 anos. “Peguei um top de linha que eu nunca imaginaria ter, uma cadeira gamer boa, foi tudo muito surreal. Depois do anúncio da vitória no concurso, a ficha ainda não tinha caído. Só depois que disponibilizei o primeiro item na plataforma e que o pessoal começou a comprar que eu realmente tive noção do que estava acontecendo”.

Foi por meio do Roblox, inclusive, que Caio conseguiu tranquilizar a família diante das consequências da Covid-19. “Consegui um plano de saúde para minha mãe e irmã, falei que poderiam ficar tranquilas sem trabalhar. Comprei nossa casa também, então sim, o Roblox mudou a minha vida!”.  

Futuro da criação de conteúdo

Foto: Roblox/Divulgação

Durante a pandemia, a frequência de crianças e adultos no Roblox gerou o “boom” da plataforma após 15 anos de existência. Claro, a procura por alternativas de entretenimento dentro de casa teve grande papel impulsionador para o Roblox, mas Caio acrescenta que a acessibilidade da plataforma foi um atrativo determinante para o crescimento.

Outro motivo que vale destaque é o buzz ao redor do metaverso, mundos conectados que estão chamando a atenção de empresas de diversos segmentos. Roblox pretende cada vez mais se tornar um espaço social onde os jogadores podem ter uma variedade de experiências diferentes. Assim, ele é parte essencial do Meta, realidades alternativas que estão atraindo cada vez mais jogadores e curiosos. 

E o interessante é que agora, com a flexibilização e pessoas fora de suas casas, as vendas não diminuíram. Então sim, acho que Roblox está aí pra ficar e se fortalecer como referência na criação de universos e experiências”, conclui Caio.  

Um dos maiores momentos que demonstram o investimento da plataforma no metaverso é a apresentação do rapper Lil Nas X, que atraiu 35 milhões de visitas. 

A tendência é de que muitas dessas empresas continuem focando na estratégia de microtransações, onde os jogadores gastam em menores quantidades, mas de forma consistente adquirindo itens estéticos.

Gratuito para jogar, Roblox está disponível para Android, iOS, PC, Mac e Xbox One.

Fonte: Game On
Publicidade
Publicidade