PUBLICIDADE

Motociclismo

Yamaha crê que Morbidelli precisa "se redescobrir" e incentiva: "Ele tem capacidade"

Lin Jarvis, diretor da Yamaha, falou sobre as dificuldades de Franco Morbidelli nas últimas temporadas, mas crê na recuperação do piloto ítalo-brasileiro

11 jan 2023 - 12h19
Compartilhar
Exibir comentários
Franco Morbidelli reconheceu que a M1 atual precisa de um DNA diferente do dele
Franco Morbidelli reconheceu que a M1 atual precisa de um DNA diferente do dele
Foto: Yamaha / Grande Prêmio

Franco Morbidelli não teve uma temporada de brilho em 2022. O piloto ítalo-brasileiro passou longe de ter o mesmo desempenho de Fabio Quartararo com a M1 — que foi muito problemática também, importante ressaltar — e recebeu críticas de sua própria equipe pelo baixo rendimento.

Ainda assim, o #21 é a escolha da Yamaha para 2023. E para Lin Jarvis, diretor da casa de Iwata, Franco precisa se redescobrir. "Frankie simplesmente não conseguiu ter a mesma velocidade, agressividade na frenagem e velocidade rápida nas curvas, que você precisa para a Yamaha", disse Jarvis, em entrevista ao site Crash.net.

"Para que a Yamaha tenha um bom desempenho, você precisa ser agressivo nos freios e entrar rápido na curva. Mas é preciso muita confiança para fazer isso, e isso eu diria que é o forte do Fabio. Ele tem muita confiança com a frente da moto e Frankie tem lutado para encontrar isso", seguiu.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Franco Morbidelli não teve um bom 2022
Franco Morbidelli não teve um bom 2022
Foto: Yamaha / Grande Prêmio

Morbidelli foi vice-campeão na temporada encurtada de 2020. Na MotoGP, são três vitórias e seis pódios. Só que, tanto em 2021 como em 2022, ele se viu longe de seu companheiro de equipe: terminou na 17ª e 19ª posições do campeonato, respectivamente.

"Sabemos que Frankie pode ser rápido. Ele é um vencedor na MotoGP e é vice-campeão na MotoGP, então a capacidade está lá. Mas ele tem de se redescobrir e temos de dar a ele melhores ferramentas para ajudá-lo nesse processo. Temos de tornar a moto mais fácil de usar. Mas parte disso criará um pouco mais de margem no desempenho, eu acho. Porque agora, para manter a velocidade máxima, você também precisa ser capaz de sair das curvas super rápido, porque não temos a potência pura, o que significa que você precisa carregar mais velocidade nas curvas", acrescentou.

Jarvis também lembrou a lesão que Franco sofreu em 2021, quando rompeu os ligamentos do joelho esquerdo durante um treino no GP da Holanda. Para o diretor, isso também foi um empecilho em 2021, mas crê que ele estava em plena forma no ano passado.

"A lesão no joelho foi o ponto de virada apenas no sentido de que Frankie ficou fora por cinco corridas, então o trouxemos para a equipe de fábrica após o 'caso Vinãles'. Ele assumiu o papel, juntou-se à nossa equipe [de fábrica], mas sem dúvida era muito cedo. Na realidade, ele não estava em forma para a corrida naquele estágio. Então esse foi o motivo da [performance] em 2021″, analisou.

"Mas, para 2022, isso não foi um problema. Ele treinou bem durante todo o inverno e acho que ele seria o primeiro a dizer 'não, este ano estou fisicamente apto'. Mas algo está faltando e ele não foi capaz de encontrar confiança com a moto", encerrou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade