PUBLICIDADE

Motociclismo

Mir tenta "ser realista" com metas e foca em chegar perto do pódio na 2ª metade de 2023

Ciente de que chega à Honda em um "momento difícil", Mir traçou metas realistas para 2023: usar a primeira metade do ano para se adaptar a RC213V e o restante do ano para se aproximar do pódio e dos bons resultados

6 jan 2023 - 05h46
Compartilhar
Exibir comentários
Joan Mir mantém os pés no chão, pois sabe do momento difícil da Honda
Joan Mir mantém os pés no chão, pois sabe do momento difícil da Honda
Foto: Repsol / Grande Prêmio

Joan Mir traçou metas realistas para a temporada de estreia com a Honda na MotoGP em 2023. Ciente do momento difícil da montadora japonesa, o espanhol buscou objetivos mais simples: quer primeiro se entender com a RC213V e, na segunda metade do ano, se aproximar do pódio da classe rainha do Mundial de Motovelocidade.

Campeão da MotoGP 2020, Mir soma uma única vitória na categoria na categoria, mas fez toda a carreira na divisão principal do Mundial com a Suzuki. Agora, porém, o espanhol tem de se adaptar a uma moto com perfil diferente, já que a GSX-RR contava com motor de quatro cilindros em linha e a RC213V tem um motor V4, conhecido pela entrega de potência mais agressiva.

Joan Mir destacou que ele e Marc Márquez seguem a mesma direção com a moto
Joan Mir destacou que ele e Marc Márquez seguem a mesma direção com a moto
Foto: Repsol / Grande Prêmio

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Às vésperas da estreia do campeonato, Joan admite que precisa ser realista e mantém os pés no chão na hora de traçar metas.

"Antes de mais nada, temos de ser realistas. Chegamos em um momento difícil", assumiu. "A chave será adaptar rapidamente a esta moto e aí tentar construir alguma confiança e velocidade durante as primeiras corridas. E aí, a partir de meados da temporada, a meta será tentar estar mais próximo do pódio e dos bons resultados", apontou.

No teste coletivo de Valência, quando testou a Honda pela primeira vez, Mir conversou com Marc Márquez sobre o protótipo japonês e, de acordo com ele, os dois estão na mesma página.

"Conversar depois do teste é algo normal. Quando um novo piloto chega na garagem e testa a moto, você quer ouvir quais são as sensações dele. Neste caso, compartilhamos a direção que queremos seguir", relatou. "Pressionarmos juntos na mesma direção é realmente importante, ao invés de cada um seguir um caminho próprio. Queremos seguir o caminho certo juntos e, neste caso, estávamos falando disso", concluiu.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.
Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade