PUBLICIDADE

Leilão online de bens de Maradona fracassa na Argentina

Ao todo, US$1,4 milhões de ativos não foram vendidos

20 dez 2021 16h21
| atualizado às 16h42
ver comentários
Publicidade

O leilão online de cerca de 90 bens do ex-jogador de futebol argentino Diego Maradona, morto em novembro de 2020, realizado em Buenos Aires, no último domingo (19), foi considerado um fracasso.

Um mural dedicado ao ex-craque Maradona
Um mural dedicado ao ex-craque Maradona
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

De acordo com cálculos da agência de notícias AFP, as vendas feitas a pedido da juíza Luciana Tedesco para quitar dívidas e despesas deixadas pelo ex-craque rendeu apenas US$26 mil. No total, o patrimônio não vendido é superior a US$1,4 milhões.

Ao todo, 87 lotes, incluindo dois automóveis BMW e uma caixa de charutos cubanos, foram oferecidos por valores iniciais entre US$ 50 a 900 mil.

Os principais itens, como uma villa em Buenos Aires que Maradona comprara para os pais, nem mesmo receberam oferta. O leilão foi considerado uma decepção, apesar de mais de 1,5 mil compradores potenciais - baseados na Itália, América do Sul, França, Reino Unido, Rússia e Emirados - terem se registrado para participar da compra online que durou apenas três horas e meia, segundo os organizadores.

O lance mais alto foi dado para uma pintura de Maradona intitulada 'Entre Fiorito y el cielo', da artista Lu Sedova, que foi vendida por US$ 2.150. Já a fotografia do ex-jogador com o ex-líder cubano Fidel Castro foi vendida a um comprador de Dubai por US$ 1,6 mil.

"Os leilões são assim: não dá para saber o resultado antes que acabem", comentou o organizador, Adrian Mercado. "Esperávamos muito, mas a realidade é que [o resultado final] é sempre uma incógnita", acrescentou.

Entre os lotes não vendidos mais valiosos, além da casa em Buenos Aires - avaliada em US$ 900 mil - há um apartamento localizado no resort Mar del Plata, avaliado em US$ 65 mil, dois BMWs, por US$ 390 mil, e uma van Hyundai, por US$ 38 mil.

Dos outros lotes menores, há um quadro de Marilyn Monroe comprado por um argentino por US$1,5 mil, uma camisa do Napoli com o número 10 nas costas também por US$1,5 mil e uma caixa de charutos cubanos por US$550.

O dinheiro arrecadado será destinado ao pagamento de dívidas e despesas, e não será distribuído entre os herdeiros, inclusive suas filhas e filhos. Agora, o tribunal terá que decidir o que fazer com os bens não vendidos.

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade