PUBLICIDADE

Quem era Kelvin Kiptum, recordista mundial da maratona morto em acidente

Queniano de 24 anos foi nomeado Atleta do Ano de 2023 pela World Athletics e era aguardado como um dos astros dos Jogos Olímpicos de Paris

12 fev 2024 - 01h25
(atualizado às 01h47)
Compartilhar
Exibir comentários

O queniano Kelvin Kiptum, recordista mundial da maratona que morreu neste domingo (11), em Kaptagat, era sensação do atletismo mundial e vinha sendo apontado pela crítica especializada como uma das grandes atrações dos Jogos Olímpicos de Paris 2024, favorito à medalha de ouro. O jovem de 24 anos teria perdido o controle de seu veículo quando dirigia ao lado do técnico ruandês Gervais Hakizimana, que também não resistiu.

Queniano Kelvin Kiptum, recordista mundial de maratona
Queniano Kelvin Kiptum, recordista mundial de maratona
Foto: Michael Reaves/Getty Images

O atleta fez uma temporada espetacular em 2023, o que lhe rendeu o título de Atleta do Ano pela World Athletics, a federação internacional de atletismo. A melhor marca da história da prova, de 2h00min35, foi alcançada pelo fenômeno em outubro, na Maratona de Chicago, nos Estados Unidos. Ele havia superado o feito do compatriota Eliud Kipchoge, em 34s.

E o mais incrível é que esta foi apenas a terceira vez que Kiptum correu os 42km. Meses antes, em abril, o queniano já havia impressionado os rivais ao vencer a Maratona de Londres. Na ocasião, registrou 2h01min25s.

Kiptum surgiu com força no atletismo em dezembro de 2022, quando estreou na Maratona de Valencia, na Espanha, com o tempo de 2h01min53s, logo na primeira vez que percorreu a distância profissionalmente. 

Trajetória teve par de tênis emprestado para correr

O atleta relatou diversas vezes as dificuldades financeiras que enfrentou antes de alcançar a fama. Ele chegou a declarar que precisou pedir um par de tênis emprestado para correr sua primeira grande competição, quatro anos antes de correr a Maratona de Valencia, por falta de recursos.

O queniano fazia parte de uma nova safra de atletas do país que começaram a correr na estrada, rompendo com a tradição anterior de jovens que iniciavam nas pistas antes de passarem para distâncias mais longas.

Ele era apontado como forte candidato a se tornar o primeiro maratonista da história a correr abaixo de 2h e havia declarado há piucas semanas que lutaria pelo feito. O jovem participaria da Maratona de Roterdã, na Holanda, em abril, e estava na equipe olímpica que disputará os Jogos Paris 2024.

A morte do queniano gerou enorme comoção no mundo dos esportes. O presidente da World Athletics , Sebastian Coe, declarou ter ficado “chocado e profundamente triste ao saber da perda devastadora de Kiptum e Hakizimana. “Um atleta incrível que deixou um legado incrível, sentiremos muita falta dele”.

On Board Sports
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade