PUBLICIDADE

Para Paes, crise política brasileira dificultou organização da Rio 2016

28 nov 2016 12h41
ver comentários
Publicidade

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro acabaram ocorrendo com sucesso em 2016, apesar dos desafios que a cidade carioca encontrou durante toda a organização do evento. E o prefeito da cidade, Eduardo Paes, lembra que os obstáculos encontrados para a realização das Olimpíadas acabaram ocorrendo devido ao delicado momento que o Brasil viveu politica e economicamente nos últimos anos.

Presente em um congresso realizado em Tóquio nesta segunda-feira, que marca passagem das experiências dos envolvidos na Olimpíadas no Rio para a cidade japonesa, sede da próxima edição, em 2020, o prefeito reiterou como os preparativos para os Jogos ocorreram em um período tumultuado de recessão econômica e escândalos de corrupção política, que culminaram com o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

"A crise política e econômica foi o pior momento para mim. Tivemos três presidentes (durante a fase preparatória) e três governadores. O governo federal era uma confusão completa e o governo do estado estava falido após o fim de 2015. Eu estava lá o tempo todo e eu dizia constantemente às pessoas, 'não se preocupe, tudo ficará bem', mas foi difícil", comentou Paes.

Quando perguntado na sequência quantas noites sem dormir passou devido a responsabilidade de organizar os Jogos do Rio 2016, Paes foi enfático: "todos os dias", comentou. O evento ainda contou com a presença de Carlos Arthur Nuzman, presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, e que citou a Cerimônia de Abertura como grande momento das Olimpíadas.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade