PUBLICIDADE

Mimimi de Neymar e Thiago Silva expõe vazio da Seleção

Jogadores calam diante de circunstâncias graves e se regozijam em suas bolhas

13 jul 2021 10h57
ver comentários
Publicidade

Neymar e Thiago Silva silenciaram quando a CBF ofereceu o País para sediar a Copa América em meio ao recrudescimento da pandemia da covid-19. Deixaram a missão nas mãos de Casemiro e foram apenas signatários de uma carta infantil e de conteúdo discutível. Em nenhum momento, nos últimos meses, deram alguma declaração pública de apoio às campanhas para combate à doença. Solidariedade ostensiva aos milhões de brasileiros enlutados, nem pensar.

Neymar chorou após a derrota na decisão
Neymar chorou após a derrota na decisão
Foto: Ricardo Moraes / Reuters

Acovardaram-se sobre denúncias de assédio moral e sexual na cúpula da CBF, enquanto a Seleção feminina expunha sua indignação com coragem sem temer represálias. Calaram-se também quando se decidiu que ninguém usaria a camisa 24 na Copa América, numa clara manifestação de homofobia. Em campo, fracassaram do mesmo modo e a Seleção tombou diante da Argentina na final da competição.

Dias atrás, Neymar subiu o tom para declarar seu repúdio aos brasileiros que torceriam contra a Seleção na partida com os argentinos. Ironizou-os numa rede social e mandou-os lá para a ... (uma expressão chula completa a frase). Nessa segunda (12), foi a vez de Thiago Silva fazer o mesmo. O zagueiro fez até uma birra ao dizer que não daria mais entrevistas ou “ingressos para levar filhos e amigos nos jogos, camisas ou fotos” para os que se fazem de amigos e estiveram do lado da Argentina na decisão.

Os dois confundem a Seleção, um time de futebol que, sim, muitas vezes ajudou a projetar a imagem do país no exterior, com uma noção pueril de pátria. Ignoram que pesquisas recentes apontam que mais de 40% dos brasileiros não ligam a mínima para o futebol. Vivem enclausurados em suas bolhas e não se dão conta disso.

O caso de Neymar é mais simbólico. Usou as redes sociais com frequência neste ano para comentar episódios do Big Brother Brasil, para contestar críticas à ação policial que vitimou 29 pessoas no Jacarezinho, favela do Rio, em 6 de maio, e para desafiar a CBF e a Nike, quando concentrado no centro de treinamento da confederação, no mesmo mês, e postou foto com o uniforme de treino da seleção, sobrepondo um emoji no logotipo da empresa, num capítulo à parte de sua rusga com a Nike.

Bravatas de quem vive num mundo paralelo. Neymar e Thiago Silva tentam se legitimar impondo preferências e opiniões. Como se o futebol não fosse livre o suficiente para deixar quem quer que seja torcer para quem bem entender ou mesmo não torcer para ninguém.
 

Papo de Arena Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. 
Publicidade
Publicidade