PUBLICIDADE

Pai de Valdivia chega ao Brasil para negociar com Palmeiras

7 abr 2015 21h20
| atualizado às 21h59
ver comentários
Publicidade

No sábado, Valdivia jogou menos de meia hora contra o Mogi Mirim após quase quatro meses tratando lesão na coxa esquerda e não poupou ameaças à diretoria, lembrando que Alan Kardec e Wesley trocaram o Palmeiras pelo São Paulo. Nesta terça-feira, porém, chegou ao Brasil seu pai, representante na negociação pela renovação do contrato em agosto, e o tom no discurso deve mudar.

Depois da repercussão negativa de suas palavras no fim de semana, o meia foi instruído a se conter. A ideia é que nem se pronuncie mais sobre as tratativas para sua permanência no Palmeiras, limitando-se apenas a comentar sobre as partidas em que participar - nesta quarta-feira, será titular pela primeira vez no ano, diante do Ituano. O seu pai, Luis Valdivia, também precisará se conter.

<p>Valdivia participa de treino com a equipe do Palmeiras</p>
Valdivia participa de treino com a equipe do Palmeiras
Foto: Marcello Zambrana / Gazeta Press

Luis Valdivia já recebeu uma proposta do Palmeiras por e-mail há duas semanas e, de acordo com pessoas próximas ao jogador, ainda nem a apresentou para o filho. Mesmo assim, tinha reunião marcada com o diretor de futebol Alexandre Mattos para esta terça-feira - o encontro só foi adiado porque o voo que trouxe o pai do camisa 10 para São Paulo atrasou.

Diferentemente do que ocorreu nos últimos encontros com os dirigentes, Luis Valdivia ficará mais tempo no Brasil para, ao menos, avançar as negociações. Ainda nesta semana, as conversas devem deixar alguma definição mais próxima, mas poucos no clube acreditam em qualquer acerto neste mês.

A possibilidade de manter Valdivia gera controvérsia mesmo na diretoria. Mattos já relatou a amigos que não se anima em renovar com o jogador mais caro do elenco, mas o presidente Paulo Nobre é fã do chileno e não quer desistir. O consenso, entretanto, está no fato de que o meia só fica se aceitar drástica redução salarial e um contrato de produtividade, no qual recebe mais de acordo com sua frequência em campo.

Valdivia não está muito disposto a aceitar o modelo que Nobre impõe, pois teme ser "punido" e receber menos em caso de lesões por pancadas ou convocações para a seleção chilena. A chegada de reforços com altos salários, como o atacante Dudu, também não ajuda para que ele concorde em reduzir demais seus vencimentos, já que, mesmo com 20 contratações para a temporada, o camisa 10 ainda é o mais exaltado pela torcida nas raras vezes em que está à disposição.

Nessas condições, Luis Valdivia e Alexandre Mattos tentarão se aproximar de um acordo nas próximas semanas, mesmo que seja para concluir que o jogador não renovará. O meia já pode assinar pré-contrato com outros clubes para sair de graça em agosto e garante ter propostas tentadoras, inclusive de times brasileiros. Mas agora terá que moderar suas palavras, caso, como diz, realmente deseje renovar.

Gazeta Esportiva Gazeta Esportiva
Publicidade
Publicidade