PUBLICIDADE

Red Bull absolve Christian Horner em investigação interna e mantém chefe de equipe no cargo

Segundo a imprensa holandesa, chefão da equipe vinha sendo investigado internamente porque teria enviado diversas mensagens de cunho sexual a uma de suas funcionárias

29 fev 2024 - 11h38
Compartilhar
Exibir comentários

A Red Bull finalizou a investigação interna que apurava denúncia de comportamento inadequado do chefe do time, Christian Horner. De acordo com a equipe da Fórmula 1, a "queixa" foi rejeitada. Desta forma, Horner continua no comando do time às vésperas da abertura da temporada 2024 do campeonato.

"A investigação independente sobre as alegações feitas contra o Sr. Horner está completa e a Red Bull pode confirmar que a queixa foi rejeitada. O reclamante tem o direito de recorrer", anunciou a Red Bull, sem se prolongar sobre o caso, nem dar detalhes do motivo da denúncia.

De acordo com a imprensa europeia, Horner vinha sendo investigado internamente porque teria enviado diversas mensagens de cunho sexual a uma de suas funcionárias. A equipe não confirmou se este teria sido o motivo da investigação. No início do mês, a Red Bull anunciou a investigação citando apenas a denúncia por "comportamento inadequado".

"A Red Bull está confiante de que a investigação foi justa, rigorosa e imparcial. O relatório da investigação é confidencial e contém informações privadas das partes envolvidas e de terceiros que ajudaram na investigação e, portanto, não faremos mais comentários por respeito a todos os envolvidos", informou a equipe.

Christian Horner, chefe da Red Bull, foi absolvido em investigação sobre comportamento impróprio
Christian Horner, chefe da Red Bull, foi absolvido em investigação sobre comportamento impróprio
Foto: Felipe Rau/Estadão / Estadão

Há cerca de 10 dias, o jornal holandês De Telegraaf alegou ter tido acesso a mensagens de texto, de celular, que Horner teria enviado para uma funcionária da Red Bull, não identificada. Segundo o periódico, o conteúdo das mensagens tem teor sexual. E o envio teria acontecido ao longo de meses.

Até que, no fim do ano passado, a funcionária apresentou as mensagens à cúpula da Red Bull, pedindo uma investigação, no que foi atendida. O assunto ofuscou as notícias sobre a equipe da F-1 nas últimas semanas.

O jornal holandês também afirmou que o chefe da Red Bull teria feito grande esforço para encobrir a denúncia. Segundo o <i>De Telegraaf</i>, os advogados do dirigente teriam oferecido acordo no valor de 650 mil libras, equivalente a R$ 4 milhões.

Horner vem economizando nas palavras ao ser questionado sobre o assunto. Mas negou qualquer postura inapropriada de sua parte em relação às pessoas com quem trabalha no dia a dia. "Rejeito completamente essas alegações", disse o chefe do piloto Max Verstappen.

Horner é casado com Geri Halliwell, ex-integrante da banda Spice Girls. O executivo trabalha na função de chefe de equipe na Red Bull desde 2005.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade