2 eventos ao vivo

Organização mongol pede retratação a Verstappen por uso pejorativo de termo

Organização reclamou das declarações de Max Verstappen após acidente com Lance Stroll em treino livre do GP de Portugal. Piloto holandês utilizou o termo "mongol" como xingamento ao canadense

26 out 2020
18h00
atualizado às 23h20
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Guia da Cozinha - Receitas com chuchu cheias de sabor que vão te surpreender
Guia da Cozinha - Receitas com chuchu cheias de sabor que vão te surpreender
Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

As declarações de Max Verstappen durante o segundo treino livre para o GP de Portugal, realizado na última sexta-feira (23), ainda rendem irritações. Agora, veio por parte da organização Mongol Identity.

Após um acidente com Lance Stroll, Verstappen se irritou e buscou ofender o adversário no rádio da equipe, o chamando de "retardado" e "mongol". Em entrevista, o piloto não mostrou arrependimento pelo uso dos termos.

Em carta divulgada nesta segunda-feira, a organização não governamental exigiu um pedido de desculpas por parte do piloto, e condenou a Fórmula 1 por não ter se posicionado e repreendido a declaração do holandês da Red Bull.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:

Confira a carta a seguir:

Guia da Cozinha - Receitas com chuchu cheias de sabor que vão te surpreender
Guia da Cozinha - Receitas com chuchu cheias de sabor que vão te surpreender
Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool / Grande Prêmio

"Caro Max Verstappen,

Eu escrevo para você representando a Mongol Identity uma organização com o objetivo de avançar na educação levando a uma maior compreensão da palavra mongol referindo-se a pessoas de etnia mongol e acabando com o mau uso histórico do termo.

No dia 24 de outubro, durante o segundo treino livre no autódromo do Algarve, você declarou: 'Que retardado, que mongol'.

Queremos expressar o nosso desgosto e preocupação com o uso do termo 'Mongol' em discurso de ódio.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:

Estamos chocados e decepcionados por descobrir que a Fórmula 1 não tomou um posicionamento forte contra esta rotulação apesar do valor histórico, e vamos endereçar isso diretamente ao órgão governante.

O termo 'mongolóide', se referindo a pessoas com síndrome de Down, foi abandonado pela Organização Mundial de Saúde em 1965 porque era e ainda é considerado ofensivo aos de etnia mongol.

O Dr. John Langdon Down, que descobriu a síndrome de Down nos anos 1860, usou o termo "mongolismo" e 'mongoloide' para descrever a síndrome, já que citou que existia semelhança física com as características das pessoas da Mongólia e da raça mongoloide (os de etnia asiática). Esta frase foi utilizada até os anos 1960, quando cientistas fizeram uma petição para utilizar o termo 'síndrome de Down' em vez de 'Mongolismo' ou 'Mongoloide'

Em diversos países, a palavra é utilizada como ofensa. Existem muitas campanhas ao redor do mundo tentando parar o uso do termo 'mongolóide' e promover o significado original da palavra, relacionado à cultura, língua e povo de etnia Mongol.

Portanto, solicitamos que você emita um pedido público de desculpas por respeito, gentileza humana e compaixão para com membros vulneráveis da sociedade, bem como para a comunidade mongol internacional, por sua falta de consideração pelas complexidades e sensibilidades que envolvem o uso de palavras baseadas no termo mongol. Use o termo mongol novamente e em voz alta em seu significado original e autêntico."

Verstappen, que foi o terceiro colocado no GP de Portugal, ainda não respondeu a carta.

Grande Prêmio
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade