PUBLICIDADE

Diretor da Audi descreve "preparação frenética" para entrada na Fórmula 1: "Emocionante"

A montadora alemã vai entrar na F1 em 2026, e Allan McNish contou que a expectativa para adentrar na principal categoria do automobilismo mundial está alta

27 jan 2023 - 05h01
Compartilhar
Exibir comentários
Audi confirmou em outubro que entra na F1 em 2026.
Audi confirmou em outubro que entra na F1 em 2026.
Foto: FIA / Grande Prêmio

A Audi fez uma parceria com a Sauber para estar na F1 a partir de 2026. Apesar de ainda faltarem três anos, a preparação está a todo vapor — como deixou claro Allan McNish, ex-piloto e atual diretor de coordenação do Audi Group Motorsport, e que está envolvido com a montadora há mais de duas décadas. 

"Digo a vocês, os últimos 18 meses foram muito ocupados, certamente… 2022 foi bastante frenético, como nunca vi antes. E pensar que 2026 ainda está muito longe… mas está chegando", disse, ao Motor Sport Magazine Podcast. "Estou envolvido há mais de 20 anos com a Audi e isso faz parte dessa progressão. É um momento emocionante. Acho que não há ninguém na Audi que não esteja ansioso para a primeira corrida em 2026", avaliou.

Relacionadas

Audi busca piloto de desenvolvimento e mira contratação ainda em 2023
Ferrari perde prazo de registro e é barrada de reunião de motores da F1 2026
Ferrari assina pré-acordo com F1 por motores de 2026 e evita chance de vetar Red Bull

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Allan McNish está envolvido com a Audi há mais de duas décadas, incluindo o comando da equipe na Fórmula E até 2020
Allan McNish está envolvido com a Audi há mais de duas décadas, incluindo o comando da equipe na Fórmula E até 2020
Foto: FIA Fórmula E / Grande Prêmio

McNish tem uma larga experiência como piloto, passando por categorias como a própria Fórmula 1 e a disputa das 24h de Le Mans. O escocês usou a própria carreira como exemplo para ilustrar o desafio que vem pela frente.

"Obviamente, eu estava com a Toyota em Le Mans e depois entrar na F1 foi um jogo completamente diferente. Em termos de pessoas trabalhando, isso teve que ser multiplicado por três, para poder produzir um programa de F1", afirmou.

"Reconhecidamente, isso foi há 20 anos, quando os orçamentos eram ilimitados, os motores eram ilimitados… você podia usar três motores ao longo de um fim de semana de F1. Agora, você está olhando basicamente para esse número ao longo da temporada - então há muitas mudanças", analisou.

A Audi vai estar na Fórmula 1 a partir de 2026, ano que a categoria vai introduzir motores com tecnologia sustentável, assim como a troca de combustíveis fósseis para sintéticos, na busca por diminuir as emissões de carbono, buscando zerar essas emissões até 2030. Inclusive, esse foi um fator decisivo para a montadora buscar a entrada na categoria.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

Grande Prêmio
Compartilhar
Publicidade
Publicidade