2 eventos ao vivo

Aposte na dieta detox sem prejudicar o rendimento na corrida

23 ago 2012
09h20

O objetivo da alimentação detox é desintoxicar o organismo e colaborar para o seu equilíbrio. "A proposta é 'limpar' o fígado e deixar o sangue com características mais próximas ao pH ideal - levemente alcalino. Assim, diminui-se o potencial inflamatório, causado por alterações do pH, favorecendo a vitalidade das células", explica Mariana Klopfer, nutricionista e sócia proprietária da Nutricius, de São Paulo (SP).

A proposta da alimentação detox é "limpar" o fígado e diminuir o potencial inflamatório, contribuindo para a saúde das células
A proposta da alimentação detox é "limpar" o fígado e diminuir o potencial inflamatório, contribuindo para a saúde das células
Foto: Shutterstock



Esse tipo de dieta reduz ao máximo a ingestão de substâncias que não são consideradas nutrientes, como corantes, conservantes, adoçantes, estabilizantes e gordura trans. "Esses componentes sobrecarregam o fígado, que participa de forma muito ativa de várias atividades metabólicas. E quando o fígado está menos eficiente, compromete o funcionamento geral do organismo", diz Mariana.



O que fazer

Evite alimentos industrializados ou industrialmente modificados e inclua no cardápio frutas e verduras de preferência orgânicas, cereais integrais, leguminosas, oleoginosas (castanhas e sementes) e fontes proteicas em quantidades moderadas e com baixíssimo teor de gordura. Não fique mais de três horas sem comer e beba muita água.



"O ideal é incorporar alimentos ricos em nutrientes e criar hábitos menos tóxicos. Para isso, são retirados momentaneamente das refeições diárias os principais ingredientes que podem ser prejudiciais, assim como são excluídos temporariamente outros alimentos que são consumidos pela pessoa com muita frequência", indica Andrea Alterio, nutricionista e engenheira de alimentos da Nutrein, de São Paulo (SP).



"Substitua os carboidratos refinados por suas versões integrais, diminua o consumo de açúcares simples e sal e ingira boas fontes de vitaminas A, C e E (acerola, laranja, limão, manga, abacate, cenoura, beterraba etc.), fundamentais no controle de radicais livres", lista Andrea. "Muitos defendem a retirada de leite e derivados de vaca e também de alimentos que contêm glúten. Mas acho complicado estimular uma mudança tão radical na vida de uma pessoa sem uma análise mais profunda", acrescenta Mariana.



Os benefícios da dieta detox

Manter esse tipo de alimentação por um período melhora o sistema imunológico, o processo digestivo, a qualidade do sono, a disposição, o rendimento nos treinos e a recuperação pós-exercício, reduzindo o aparecimento de lesões e inflamações.



"Os benefícios já poderão ser sentidos a partir do segundo dia e, como essa é uma dieta restritiva e bastante individualizada, o indicado é não mantê-la por mais de três semanas nem compartilhá-la com outras pessoas", recomenda Mariana. Ela lembra ainda que, nos primeiros três dias, a pessoa pode sentir dores de cabeça por conta das mudanças na alimentação e da desintoxicação do organismo, mas não deve desistir nem ficar desestimulada, pois logo perceberá um profundo bem-estar.



Atenção aos corredores

É preciso tomar cuidado para que as refeições antes, durante e depois dos treinos sejam adequadas para fornecer o aporte correto de energia para os exercícios. "Além disso, a dieta detox deve ser aplicada em um momento em que o corredor está longe do período de competição e precisa ter seu tempo rigidamente controlado", alerta Andrea.



Roda Livre
Especial para o Terra
Fonte: Terra
publicidade