PUBLICIDADE

O maior país muçulmano do mundo que busca se tornar uma das 5 maiores economias

As ambiciosas metas econômicas do atual governo indonésio levantam questões sobre sua viabilidade e seus impactos sociais e ambientais

3 mar 2024 - 06h43
(atualizado às 07h30)
Compartilhar
Exibir comentários
A vida de um trabalhador na Indonésia é difícil, mas Musmulyadi e sua esposa Nurmis esperam que valha a pena
A vida de um trabalhador na Indonésia é difícil, mas Musmulyadi e sua esposa Nurmis esperam que valha a pena
Foto: Oki Budhi / BBC News Brasil

A maioria dos casais de meia-idade estão se preparando para se aposentar caso possam arcar com isso, mas Musmulyadi, 55 anos, e sua esposa Nurmis, 50, estão indo no caminho contrário à tendência.

Eles acabaram de migrar milhares de quilômetros para Nusantara, a futura capital da Indonésia que está emergindo da floresta tropical em meio aos orangotangos.

"Deve ser mais fácil encontrar emprego aqui enquanto eles ainda estão construindo a infraestrutura", disse Musmulyadi à BBC Indonésia.

A futura casa deles hoje é um canteiro de obras em Nusantara, palavra javanesa para "arquipélago", na ilha de Bornéu.

Nurmis mistura o cimento enquanto Musmulyadi coloca os ladrilhos.

O sonho deles é comum entre os indonésios: Musmulyadi espera conseguir um emprego estável e tornar-se subcontratado no megaprojeto.

Uma nova capital para a Indonésia está sendo construída no meio da floresta tropical
Uma nova capital para a Indonésia está sendo construída no meio da floresta tropical
Foto: Oki Budhi / BBC News Brasil

Desde que o presidente Joko Widodo, popularmente conhecido como Jokowi, anunciou a construção de Nusantara há dois anos, os negócios floresceram.

O governo prevê que 2 milhões de pessoas viverão aqui até 2029.

Mas a dezenas de quilômetros de distância, Syamsiah e seu marido Pandi estão preocupados com a possibilidade de serem despejados.

Eles pertencem a uma comunidade indígena de 20 mil pessoas e não têm propriedade legal de suas terras, onde sua família vive há gerações.

Pandi acordou uma manhã e viu o seu terreno demarcado, sem qualquer aviso prévio.

É a terra dos seus antepassados, mas Pandi terá que continuar lutando para mantê-la
É a terra dos seus antepassados, mas Pandi terá que continuar lutando para mantê-la
Foto: Oki Budhi / BBC News Brasil

O governo quer tirar moradores dali com o argumento da proteção contra inundações. Entretanto, em fevereiro, Pandi conseguiu impedir a sua remoção na Justiça.

"Faço isso pelo futuro dos meus filhos e netos", disse ele à BBC.

"Se eu não fizesse nada, os meus filhos e netos seriam apenas um lixo para o governo. É assim que lutamos contra a injustiça".

Mas ele pode ter sido beneficiado apenas por um adiamento temporário, uma vez que outras comunidades indígenas já foram deslocadas após o governo pagar indenizações, embora a preços considerados muito baixos pelas famílias afetadas.

As histórias de Mulyadi e Pandi mostram como os projetos do presidente Widodo são muitas vezes uma faca de dois gumes: contestados, mas também uma potencial fonte de oportunidades.

Ambientalistas têm alertado para o desmatamento e a perda de habitat que a instalação da nova capital deve trazer
Ambientalistas têm alertado para o desmatamento e a perda de habitat que a instalação da nova capital deve trazer
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Top 5 economias?

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), quando Widodo assumiu a presidência pela primeira vez em 2014, a Indonésia era a décima maior economia do mundo, com base na paridade do poder de compra (PPC).

Uma década depois, a Indonésia subiu para o sétimo lugar — atrás da China, dos Estados Unidos, da Índia, do Japão, da Alemanha e da Rússia.

Até 2027, prevê-se que o país com a maior população muçulmana do mundo ultrapasse economicamente a Rússia.

A nação do Sudeste Asiático realizou eleições presidenciais em 14 de fevereiro, onde números não oficiais mostram que o ministro da Defesa, Prabowo Subianto, está no caminho para vencer num único turno.

Ele prometeu continuar as políticas econômicas de Widodo. O filho do atual presidente, Gibran Rakabuming Raka, é o companheiro de chapa de Prabowo Subianto.

"Os programas de Jokowi são bons no papel e poderão aproximar a Indonésia das previsões do FMI", afirma Josua Pardede, economista-chefe de um dos dez maiores bancos da Indonésia, o Permata Bank.

Mas o país tem uma ambição maior — ser um dos cinco países com mais alta renda até 2045, ano do centenário da sua independência.

Para conseguir isto, a economia indonésia deve crescer 6 a 7% ao ano, afirmou o ministro das Finanças do país, Sri Mulyani.

O crescimento atualmente está em 5%.

A economia da Indonésia precisa de crescer 7% ao ano para cumprir ambiciosas metas econômicas
A economia da Indonésia precisa de crescer 7% ao ano para cumprir ambiciosas metas econômicas
Foto: Oki Budhi / BBC News Brasil

'Febre do níquel'

A Indonésia é famosa pela ilha turística de Bali, mas também abriga as maiores reservas de níquel do mundo — um componente essencial para a fabricação de baterias para veículos elétricos.

Quando o presidente Widodo anunciou pela primeira vez a proibição da exportação de níquel bruto em 2019, a União Europeia processou a Indonésia na Organização Mundial do Comércio (OMC).

O presidente disse que queria desenvolver o processamento na Indonésia.

Um artigo de um centro de pesquisas independente, o Institute for Development of Economic Finance, afirma que a política nacional relativa ao níquel criou empregos e fez crescer a economia.

Mas a Indonésia ainda depende fortemente do investimento chinês para construir as fundições de níquel, levantando dúvidas sobre o futuro — especialmente porque o crescimento econômico da China deverá cair de 5,2% para 4,6% este ano.

O presidente Widodo também foi criticado por estender o "tapete vermelho" ao investimento chinês e colocar em segundo plano o impacto de sua política de infraestrutura nas disputas de terras e en questões de saúde e ambientais.

"A febre do níquel faz o governo perder a cabeça", diz Melky Nahar, coordenador da Mining Advocacy Network (Jatam), uma organização não governamental.

Passeio pelas ilhas?

A conectividade é fundamental para o desenvolvimento da Indonésia, uma vez que o país consiste em 1.700 ilhas espalhadas por três fusos horários e sua atual capital, Jacarta, está afundando no mar.

Mas as sobrancelhas levantaram-se quando o presidente Widodo assinou em 2022 uma lei determinando a mudança da capital, enquanto o mundo ainda lutava para se recuperar da pandemia de coronavírus.

Alguns países, incluindo a China, demonstraram interesse em investir na nova cidade, mas não houve nada "concreto" até o momento.

"Até agora, tem sido difícil atrair grandes investidores globais para investirem em Nusantara", afirma Nailul Huda, do centro de pesquisas Center of Economic and Law Studies.

O presidente tentou vários métodos, incluindo a aprovação de uma lei laboral pró-investidores que grupos da sociedade civil afirmam violar os direitos dos trabalhadores.

Widodo deixará o poder em outubro e, segundo relatos, vê a construção de Nusantara como seu legado.

Widodo vê Nusantara como o seu 'presente' para a Indonésia, mas grupos da sociedade civil levantam preocupações sobre o impacto ambiental e sanitário
Widodo vê Nusantara como o seu 'presente' para a Indonésia, mas grupos da sociedade civil levantam preocupações sobre o impacto ambiental e sanitário
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Mas Firman Noor, pesquisador da Agência Nacional de Investigação em Inovação (BRIN), acredita que esta já é uma história manchada.

"Em muitos aspectos, Nusantara é um reflexo de como os valores democráticos desapareceram no desenvolvimento e nas práticas políticas ao longo dos últimos 10 anos", afirma Noor.

Entretanto, o possível novo presidente Prabowo Subianto está tentando conquistar corações e mentes prometendo políticas populistas, como leite e almoço gratuitos para mães e crianças.

Especialistas alertam que estes projetos podem onerar o orçamento, que já está sobrecarregado pelos megaprojetos do atual presidente.

"Os almoços grátis e várias outras políticas irão esgotar o orçamento do Estado, provocando a dívida nacional", diz Huda.

"Se as políticas do próximo governo continuarem a ser tão imprudentes como esta, penso que a dívida poderá duplicar até 2029, apesar do sonho de se tornar a maior economia do mundo."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade