PUBLICIDADE

Qual o efeito econômico da 'guerra' de Bukele contra as gangues em El Salvador

A política de segurança do presidente recentemente reeleito levou o país a registar a menor taxa de homicídios em três décadas. Mas será que isso causou uma melhoria da economia? O tão alardeado investimento estrangeiro está chegando?

1 mar 2024 - 20h29
Compartilhar
Exibir comentários
Moisés Bazán e sua esposa quando desembarcaram no aeroporto de El Salvador, em 1º de fevereiro de 2024
Moisés Bazán e sua esposa quando desembarcaram no aeroporto de El Salvador, em 1º de fevereiro de 2024
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

"Sou um salvadorenho que está em Los Angeles há 45 anos e posso finalmente voltar ao meu país para investir."

Moisés Bazán havia acabado de desembarcar no aeroporto de San Salvador, vindo da cidade californiana, e estava radiante.

Faltavam três dias para as eleições em que Nayib Bukele seria reeleito. E esse homem de boné e barba que teve que deixar sua terra natal, Quezaltepeque, e fugir sozinho aos 10 anos para o norte do país, por causa da guerra de gangues, não hesitou em deixar claro quem veio apoiar e o porquê.

"Antes diziam que a votação era secreta, mas tenho o meu presidente", diz, apontando para a camiseta preta com a foto de seu candidato e a bandeira ciano do partido governista Novas Ideias, atrás da qual posa para a foto.

"Faço isso porque há seis anos este era literalmente o país mais perigoso, para o qual só se podia regressar por pura necessidade ou s fosse deportado, e agora é possível vir sem medo e também fazer negócios", explica, elogiando a "guerra contra gangues", que fez com que El Salvador registrasse hoje a menor taxa de homicídios das últimas três décadas e que impulsionou Bukele a um segundo mandato.

Panfleto com o qual Moisés Bazán anuncia as propriedades que comprou e colocou para alugar na costa salvadorenha
Panfleto com o qual Moisés Bazán anuncia as propriedades que comprou e colocou para alugar na costa salvadorenha
Foto: BBC News Brasil

Quando percebeu que sua família o esperava, ele rapidamente me entregou um folheto onde anuncia três propriedades de praia que decidiu chamar de Brisas del Mar, Dulce Vita e Coconut Breeze. "Comprei, reformei e agora as alugo através do AirBnB", explica Bazán, que dirige uma empresa de automóveis usados em Los Angeles há 27 anos.

Não é o único. Ele diz conhecer pelo menos 20 "irmãos distantes" - como são chamados em El Salvador os compatriotas que vivem nos Estados Unidos - que, como ele, se envolveram no negócio de aluguel de imóveis, "agora que, embora os preços estejam subindo, você ainda pode comprá-los para investir."

Na ausência de grandes grupos empresariais e cadeias hoteleiras que coloquem os olhos e o dinheiro no país centro-americano, esse é o investimento turístico que neste momento responde à tão divulgada melhoria na segurança.

Esse não é o único efeito econômico das políticas anti-gangues de Bukel. Ao mesmo tempo em que essas ações lhe trouxeram uma popularidade sem precedentes a um líder latino-americano, também lhe renderam duras acusações de violações dos direitos humanos por parte de organizações locais e internacionais.

A melhoria da segurança em El Salvador beneficiou alguns setores em termos de emprego, embora a economia permaneça pouco dinâmica
A melhoria da segurança em El Salvador beneficiou alguns setores em termos de emprego, embora a economia permaneça pouco dinâmica
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A consequência mais clara do seu Plano de Controle Territorial - nome oficial do programa anti-gangues - é um boom turístico que por sua vez está causando um processo de gentrificação, enquanto a economia geral permanece estagnada, sem reformas estruturais, altamente endividada e com grande dependência sobre remessas vindas do exterior.

A isso devemos acrescentar uma desigualdade social cada vez maior. Para a maioria dos salvadorenhos, a principal alternativa tem sido o trabalho independente informal.

O boom do turismo

Para falar sobre o boom da chegada de visitantes estrangeiros devido à redução da criminalidade e ao tipo de investimento que isso atrai, a ministra do Turismo salvadorenha, Morena Valdez, nos encontra no bar de um hotel em frente ao mar, a 40 quilômetros a sudoeste da capital.

"A diáspora é a primeira a chegar, mas estamos à procura de investimento direto que venha de locais onde desenvolvam o setor do turismo, tentando trazer o que há de melhor, e estamos tendo muito interesse da Colômbia, Espanha, República Dominicana ", explica ela em um canto da praia de El Tunco.

Esta praia, que deve o seu nome a uma imensa rocha semi-submersa que em alguma época remota sugeria a forma de um "tunco", como são conhecidos os porcos em El Salvador, sempre foi a meca do surf no país.

E hoje faz parte daquilo que o governo Bukele rebatizou de Surf City, um corredor costeiro de 21 quilómetros que constitui a sua principal estratégia para impulsionar a economia e que já está dando os primeiros frutos.

O desafio agora é que o crescimento do turismo seja sustentável, disse a ministra do Turismo de El Salvador, Morena Valdez, à BBC Mundo
O desafio agora é que o crescimento do turismo seja sustentável, disse a ministra do Turismo de El Salvador, Morena Valdez, à BBC Mundo
Foto: Isaac Quintanilla / BBC News Brasil

"Sempre tivemos ondas, esquerda e direita, beach breaks e point breaks, com fundo de areia ou pedra, mas os surfistas não vinham por insegurança", diz o ministro, que se orgulha de praticar o esporte e destaca a versatilidade do praias salvadorenhas para isso.

Nos últimos anos atraíram campeonatos internacionais de alto nível, mas não só isso.

"Em 2023 conseguimos atrair 3,4 milhões de visitantes, um número recorde", diz Valdez, apontando para um casal de estrangeiros caminhando pelo novo calçadão de madeira com pranchas de surf debaixo do braço.

"É o equivalente a mais de US$3,7 bilhões (cerca de R$ 18,4 bilhões) em receitas em divisas, o que fez com que o setor do turismo, que em 2019 representava 5% do PIB, representasse hoje 11%", explica, ao mesmo tempo que garante que geraram com isso, 300 mil empregos, diretos e indiretos.

Este aumento de visitantes também é apoiado pelos números da Organização Mundial do Turismo, segundo os quais El Salvador é o quinto destino no mundo cujo turismo mais cresceu desde 2019 (40%).

A brasileira Chloé Calmon após participar de campeonato de surf em El Salvador. No ano passado, 3,4 milhões de visitantes foram ao país, muitos atraídos pelas ondas
A brasileira Chloé Calmon após participar de campeonato de surf em El Salvador. No ano passado, 3,4 milhões de visitantes foram ao país, muitos atraídos pelas ondas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Os empresários hoteleiros e proprietários de restaurantes da região estão percebendo esse aumento.

Embora também critiquem o fato de se ter investido mais em publicidade do que no desenvolvimento de infraestruturas básicas para responder ao fluxo de visitantes, como o abastecimento constante de água potável.

Asseguram também que o custo e a organização de muitos dos serviços, desde a segurança à limpeza, são assumidos pela própria comunidade com o 1 dólar que é cobrado dos os carros para entrar na zona - durante a semana cerca de 400, aos sábados entre 800 e 1.000— , ou que infraestruturas como estações de tratamento de águas residuais foram construídas com empréstimos aprovados em governos anteriores.

Nesse sentido, chamam Surf City de um mero slogan, "uma cascata".

"Se você me perguntasse há cinco anos, qual era o problema dos (empresários) privados? Os visitantes não vêm", responde às críticas Valdez, que antes de se tornar ministra trabalhou na Agência de Promoção de Exportações e Investimentos de El Salvador (Proesa) e atuou como diretor nacional de Marca País.

Carlos Enrique Novoa abriu seu negócio em El Zonte em 2007 e está satisfeito com a forma como melhorou a segurança e aumentou o número de visitantes
Carlos Enrique Novoa abriu seu negócio em El Zonte em 2007 e está satisfeito com a forma como melhorou a segurança e aumentou o número de visitantes
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

"Agora que chegaram, e o fizeram superando as expectativas dos empresários e as nossas, o desafio é consolidar o crescimento e torná-lo sustentável", diz.

E afirma que está trabalhando de mãos dadas com outras entidades e também com os governos municipais na melhoria da distribuição de água, no fornecimento de energia eléctrica e na gestão de resíduos, e também na formação de profissionais para o setor, iniciativas para as quais não define uma data para que sejam colocadas em prática. Mas esclarece que isso não vai acontecer "da noite para o dia".

Gentrificação e ameaça de despejos

Para quem não visita El Tunco há anos, as mudanças são evidentes.

Uma nova rodovia que começou a ser construída na gestão anterior - liderada pelo FMLN, histórico partido de esquerda - agiliza a ligação do litoral com San Salvador, o acesso às praias foi melhorado, as ruas foram pavimentadas e foram construídas paradas de s ônibus e um calçadão de madeira de cinco metros de largura doado pelo governo marroquino.

Num canto deste passadiço Vanessa e Óscar oferecem aos visitantes artesanato, bijuterias, brinquedos de praia e decorações diversas.

"Os turistas não deixam dinheiro aqui. Eles vêm para comer, beber e surfar", lamenta ela, enquanto cuida da barraca e amamenta o filho de 2 anos.

Ele acena com a cabeça e, ao desenhar uma pulseira com linha, diz que a maior parte dos vendedores ambulantes em breve terá que deixar o local, devido à "reorganização" que vai ocorrer.

Vanessa e Óscar vendem artesanato, joias, objetos de decoração e brinquedos de praia no calçadão de Surf City, em El Tunco
Vanessa e Óscar vendem artesanato, joias, objetos de decoração e brinquedos de praia no calçadão de Surf City, em El Tunco
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Eles não são os únicos que temem ser despejados.

É o que também acreditam alguns moradores de El Zonte, outra das praias que compõem Surf City e que também é conhecida como Bitcoin Beach, já que a criptomoeda começou a circular por ali antes de ter curso legal em setembro de 2021.

São 25 famílias que vivem em terrenos pertencentes ao município de Chiltiupán, outrora devolutos, que ocuparam, condicionaram e nos quais durante décadas construíram as suas casas e pequenos negócios.

Os terrenos fazem parte do projeto Bitcoin Beach Club de Playa, um exemplo da infraestrutura turística pública que o governo também quer promover na região, nos moldes do Sunset Park, um parque de diversões para um turismo mais local e popular desenvolvido com doações .do governo chinês no porto próximo de La Libertad.

E embora a princípio os assentados tenham sido informados sobre a possibilidade de permanecerem no local, em prédios que combinassem moradia e comércio, a opção que agora lhes é oferecida é uma casa em um bairro que está sendo construído a 3 quilômetros próximo a uma estação de tratamento de água.

A família de Paula del Carmen Álvarez está entre as 25 que temem ser despejadas das terras onde vivem há décadas
A família de Paula del Carmen Álvarez está entre as 25 que temem ser despejadas das terras onde vivem há décadas
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

"Meus seis filhos nasceram e moram aqui e agora querem tirar todos nós daqui", diz Paula del Carmen Álvarez à BBC News Mundo, ao mostrar as três casas onde mora toda a família e o comércio que estavam construindo em um bairro residencial em um terreno estreito entre a estrada e o rio desde que chegou ao local há 40 anos.

"Querem colocar todos nós numa casinha e também tirar o nosso sustento, porque aqui, mesmo que sejam só algumas pupusas (tradicional prato salvadorenho), a gente vende. Mas quem vai subir lá para comprar alguma coisa?", lamenta.

São vítimas da gentrificação, fenômeno que também gritam os cartazes que anunciam as novas construções no litoral: torres de apartamentos e complexos residenciais de luxo.

Apartamentos de luxo como investimento

"Você está mais perto do seu melhor investimento no coração de Mizata", diz o outdoor do Ocean Breeze, um projeto de quatro torres com 64 apartamentos em outra praia de Surf City.

Os apartamentos com vista para o mar, um projeto de seis blocos ainda em construção, são comercializados entre US$ 250 mil e US$ 350 mil (entre R$ 1,2 milhão e R$ 1,7 milhão).

Com a melhoria da segurança, "há um boom neste tipo de habitação de luxo. É isso que está sendo construído no país neste momento", disse Alejandro José Martínez, da Agência Imobiliária de El Salvador, à BBC News Mundo.

Os dados vão ao encontro da realidade demonstrada num relatório publicado no ano passado pela Superintendência da Concorrência sobre outra das áreas mais cobiçadas pelas construtoras: que 88% da oferta de novas habitações na região metropolitana de Sam Salvador é voltada para clientes com renda mensal superior a US$ 1.500 (R$ 7,5 mil).

São salários muito distantes da média do país. De acordo com a Pesquisa Domiciliar de Propósitos Múltiplos, realizada pelo Banco Central de Reserva, a renda média de 90% das famílias salvadorenhas é de US$ 453 por mês (cerca de R$ 2,2 mil).

"E muitos dos apartamentos estão sendo comprados fora do plano e como investimentos, muitas vezes por pessoas do exterior", diz Martínez, corretor imobiliário.

Torres de apartamentos estão sendo vendidas como investimentos
Torres de apartamentos estão sendo vendidas como investimentos
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

"A habitação é um problema estrutural em El Salvador, o do déficit, da precariedade e da superlotação", afirma a economista Julia Evelin Martínez, que de 1998 até ao ano passado foi professora e pesquisadora no departamento de economia da Universidade José Simeón Cañas (UCA).

"Então não nasceu com esse governo, mas vem se intensificando com essa política de deixar as coisas acontecerem, deixar o mercado cuidar disso", completa.

Já em janeiro, durante palestra na rede social X (antigo Twitter) em que respondeu perguntas do público, Bukele deixou claro que seu governo não tem intenção de promover medidas de regulação do mercado imobiliário.

Como "El Salvador é cem por cento seguro em qualquer lugar", o preço das casas que "anteriormente estavam em áreas de risco" começou a aumentar, o que causou uma "bolha imobiliária", explicou o agora reeleito presidente a um compatriota que vive nos EUA, que lhe disse que as famílias em El Salvador não podem pagar esses preços.

A procura se multiplicou devido ao aumento do turismo e à migração reversa, continuou, acrescentando que "a solução é gerar mais oferta habitacional para que a pressão não seja do lado da procura".

"O que estamos promovendo neste momento é a construção de novas moradias", afirmou.

Economia pouco dinâmica e altamente endividada

Para a economista Martínez, o que ocorre com o setor imobiliário nada mais é do que mais um sinal do agravamento do fosso social e econômico no país.

E afirma que, para que as melhorias na segurança se traduzam em avanços na esfera econômica, são necessárias reformas estruturais, o restabelecimento da segurança jurídica, maior transparência nas despesas e contratações de ministérios e outras entidades públicas - grande parte da informação foi declarada confidencial —, e um plano "claro e coerente" que vai além da adoção do bitcoin.

E, dois anos depois de ter curso legal, o uso da criptomoeda é anedótico, apesar de analistas e autoridades concordarem que ela tem servido principalmente como atração turística.

"A questão é que continuamos sendo a mesma economia dos últimos 20 anos, cujo dinamismo ou estabilidade macroeconômica depende das remessas, porque são elas que permitem que a economia salvadorenha continue funcionando", explica.

A economia salvadorenha continua dependendo em grande parte das remessas que os cidadãos recebem dos seus familiares que estão no exterior
A economia salvadorenha continua dependendo em grande parte das remessas que os cidadãos recebem dos seus familiares que estão no exterior
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Por um lado, El Salvador foi a economia que menos cresceu na região pelo quinto ano consecutivo. Enquanto a da Costa Rica cresce entre 4,5 e 5%, segundo dados do Banco Central de Reserva, a de El Salvador cresceu 2,2% em 2023.

Da mesma forma, se importa mais do que se exporta - o que se vende para o exterior, especialmente para os Estados Unidos, são artigos têxteis produzidos em empresas maquiladoras - o que levou o país a ter um déficit na balança comercial no ano passado de mais de US$8 bilhões.

E isso, como indica Martínez, é compensado pelas transferências que os salvadorenhos recebem dos seus familiares no estrangeiro. Em 2023, as remessas atingiram o montante de US$ 1,1 bilhão.

"É um dinheiro que, ao entrar no circuito da economia salvadorenha através de quem o recebe, começa a impulsionar o consumo, o que posteriormente gera procura por parte das empresas", explica a especialista.

A economia salvadorenha também é uma economia altamente endividada, apesar de em janeiro de 2023 Bukele ter comemorado ter liquidado um vencimento de dívida de US$ 800 milhões e ter atacado os analistas que alertaram para um potencial cenário de descumprimento na rede social X.

Ele conseguiu isso, segundo especialistas, com uma reforma previdenciária e uma renegociação da dívida, o que por sua vez levou a um maior endividamento.

Com isso, El Salvador não pagará juros nem capital da dívida previdenciária até 2027, mas nesse ano terá que pagar outro vencimento da dívida total do país, desta vez por cerca de US$2 bilhões (cerca de R$ 9,9 bilhões).

El Salvador tem uma taxa de desemprego de apenas 7%, mas 65% da força de trabalho está no setor informal
El Salvador tem uma taxa de desemprego de apenas 7%, mas 65% da força de trabalho está no setor informal
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Segundo dados até setembro de 2023 do Banco Central de Reserva e do Ministério das Finanças, a dívida pública correponde a US$19,6 bilhões (quase R$ 97,5 bilhões), a que se soma um saldo de dívida de pensões de US$9 bilhões (cerca de R$ 44,7 bilhões).

Assim, as dúvidas sobre a estabilidade financeira são outro motivo pelo qual, segundo Martínez, o investimento estrangeiro direto acaba não chegando ao país.

É também o que se reflete o mais recente relatório sobre o clima de negócios no país elaborado pelo Departamento de Estado dos EUA, publicado em janeiro, no qual afirma que "a dívida pública está num caminho insustentável e cria incerteza sobre a capacidade de El Salvador de cumprir seus compromissos futuros."

El Salvador iniciou negociações com o Fundo Monetário Internacional (FMI) sobre um novo acordo de empréstimo, mas até agora a situação segue estagnada.

E há também a questão de como o governo conseguirá continuar mantendo os gastos com segurança, cujo valor é desconhecido porque as informações relacionadas à construção do Centro de Confinamento do Terrorismo (Cecot) - a megaprisão para membros de gangues - foram declaradas confidenciais, assim como valores referentes às as compras de armas e outros materiais, e a contratação de mais pessoal.

O florescimento da "microeconomia" informal

Martínez e outros analistas reconhecem que os resultados do Plano de Controle Territorial de Bukele tiveram um efeito sobre algo que não se reflete necessariamente nos índices macroeconômicos.

"Empresas de diferentes portes viram a situação melhorar porque não precisam mais pagar extorsão a membros de gangues, algo que antes mesmo tinham que incorporar em seus custos operacionais", admite a economista.

Mas o que salienta acima de tudo é o florescimento da "microeconomia informal".

"O que se chama microempresa mas na verdade são trabalhadores autônomos, pequenos comerciantes autônomos, que foram quem mais pagavam o 'aluguel' dessas organizações criminosas", esclarece.

Salvador Lima é um "bultero" no mercado Colón, em Santa Ana
Salvador Lima é um "bultero" no mercado Colón, em Santa Ana
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Não é um grupo pequeno, considerando que mais de 65% da força de trabalho está no setor informal.

E isso fica evidente ao caminhar pelas ruas do país, passear pelos bairros ou visitar os mercados e restaurantes locais.

"Antes do regime de emergência, todo mês um menino vinha nos cobrar e eu combinei com ele que não lhe daria mais de US$ 15 (cerca de R$ 75)", conta María de la Luz Paniagua, que administra uma mercearia ao lado do mercado Colón, em Santa Ana, segunda maior cidade do país, localizada a 64 quilômetros a noroeste da capital.

E se eu não pagasse a ele?

"Eles te ameaçavam, mas não apenas isso, eles tinham uma faca. Uma vez o derrubaram aqui e a colocaram no pescoço dele", diz, apontando para o homem que pesa os vegetais que vende a granel.

Agora, aquela despesa é reinvestida no negócio.

Proprietários de pequenas empresas pararam de pagar extorsões a membros de gangues
Proprietários de pequenas empresas pararam de pagar extorsões a membros de gangues
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

No terminal rodoviário da cidade, uma mulher que prefere manter o anonimato e vende passagens de uma linha que leva a Ahuachapán, município do departamento homônimo a 44 quilômetros a oeste, também garante que o desaparecimento de integrantes de gangues das ruas trouxe vantagens trabalhistas para o seu setor.

"Antes você ficava com muito medo nesse quiosque e tinha motoristas que não conseguiam fazer todos os trajetos", explica, por morar em uma cidade ou bairro controlado por uma das gangues e durante o trajeto pracisavam que atravessar território dominado por outra.

"Um colega que foi levado (detido) injustamente há alguns dias, mas diz que vai votar no Bukele porque agora ele pode entrar aqui, não tem restrições. Antes, alguns precisavam ter um roteiro quase adaptado às suas necessidades", ressalta, em entrevista feita antes da eleição.

O setor dos transportes é um dos que mais tem se beneficiado com a melhoria da segurança
O setor dos transportes é um dos que mais tem se beneficiado com a melhoria da segurança
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Outra das profissões que mais se beneficiam com a eliminação daquelas linhas imaginárias que durante anos dividiram praticamente todo o território nacional é a dos entregadores.

Durante a pandemia, começaram a surgir com força empresas que baseiam seu modelo em aplicativos de entrega de alimentos e, desde então, expandiram exponencialmente sua atuação no país.

Várias motos pertencentes a trabalhadores independentes de uma das maiores, a multinacional Pedidos Ya - que chegou ao país em 2021 e, segundo disse ao El Diario de Hoy, já opera em 12 dos 14 departamentos e tem 3.000 negócios anexado a ela - ficam estacionados na fila do shopping Metrocentro, em Santa Ana.

Seus entregadores esperam nas sombras que um pedido seja encaminhado a eles.

Orlando Galicia, o mais jovem de todos, se dedica a isso há um mês e quando questionado se teria pensado em fazer esse trabalho antes da "guerra contra as gangues", responde com um sonoro "não sou louco".

Para Matías Ruiz é o quarto ano nesse trabalho e diz que nessa mesma semana conseguiu entrar pela primeira vez no mercado de Colón. "Antes, na entrada perguntavam de onde você veio e, se não conseguisse entrar, levavam seu relógio e carteira."

"Em outros bairros, se você entrava, saía escorraçado, diz Ezequiel Flores.

Entregadores como Matías Ruiz e Ezequiel Flores agora podem levar encomendas em todos os bairros
Entregadores como Matías Ruiz e Ezequiel Flores agora podem levar encomendas em todos os bairros
Foto: Leire Ventas / BBC News Brasil

Mesmo assim, todos reclamam da precariedade.

— Além da situação de segurança, a economia melhorou?

— Não, isso vai ser pedir muito. Felizmente não tenho mulher nem filhos para sustentar, porque o salário mínimo não é suficiente — responde Ruiz rapidamente.

— E quanto é o salário mínimo?

— Retirando tudo, você fica com US$ 170 (cerca de R$ 846) por quinzena.

Os deixamos conversand sobre o tema, discutindo até que ponto é um problema local ou global — "em todos os países há inflação", "é por causa da guerra na Ucrânia"... — e quanto isso tem a ver com as decisões tomadas no país.

"É claro que existe uma ligação entre segurança e melhor desempenho econômico", conclui a economista Martínez.

"Mas não é uma condição suficiente; É uma condição necessária, mas não suficiente. Isso precisa ser acompanhado de outras medidas, de uma forma de gestão econômica coerente e fiável e, sobretudo, que gere confiança em vez de preocupação nas empresas nacionais e estrangeiras. Esse é o panorama de El Salvador."

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade