PUBLICIDADE

Greve na Renault do Paraná chega ao 15º dia e paralisa produção de 7,2 mil carros

21 mai 2024 - 19h39
Compartilhar
Exibir comentários

A greve de funcionários nas fábricas da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná, completou nesta terça-feira 15 dias corridos sem avanço nas negociações, com um saldo de mais de 7 mil carros que deixaram de ser produzidos na unidade.

Entre as pautas levantadas pelo Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba está uma Participação nos Lucros e Resultados (PLR) de no mínimo 30 mil reais, para um volume de produção de 201 mil veículos. A proposta mais recente da Renault é de um PLR de 25 mil reais, valor que a montadora diz ser o maior do país entre fabricantes de veículos de passeio e comerciais leves.

O movimento no Complexo Ayrton Senna -- como é chamada a unidade --, em vigor desde 7 de maio, paralisou a produção de 7.200 carros até a segunda-feira, entre comerciais leves e automóveis, de acordo com a Renault.

Na sexta-feira, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT-PR) determinou multa de 100 mil reais por dia de greve ao sindicato.

Os metalúrgicos cobram ainda a contratação de mais trabalhadores para melhorar as condições de trabalho na linha de produção, que eles dizem ser marcada por ritmo intenso e falta de empregados.

A fábrica da Renault no Paraná possui aproximadamente 5 mil trabalhadores em dois turnos. Sua produção diária é de cerca de 800 veículos, sendo que a capacidade máxima é para produzir cerca de 1.380 veículos/dia, segundo o sindicato.

Os cerca de 600 trabalhadores da Horse, que produz os motores da Renault, também estão em greve. A unidade fabrica aproximadamente 900 motores por dia, afirmou a entidade.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade