0

Economistas reduzem projeção para inflação em 2013 e 2014, diz BC

IPCA, que mede a inflação oficial, encerrará este ano a 5,84%, ante 5,85% anteriormente

18 nov 2013
10h03
atualizado às 10h04
  • separator
  • 0
  • comentários

Economistas de instituições financeiras ajustaram para baixo suas projeções para a inflação e a balança comercial neste ano e no próximo, ao mesmo tempo em que elevaram a perspectiva para o dólar em 2013.

Pesquisa Focus do Banco Central (BC) divulgada nesta segunda-feira mostrou que os economistas agora preveem que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, encerrará este ano a 5,84%, ante 5,85% anteriormente. Para 2014, a projeção passou a 5,91%, ante 5,93%.

Em meio à pressão dos preços dos alimentos sobre a inflação recentemente, o mercado aguarda a divulgação dos dados de novembro do IPCA-15, na terça-feira. Já a perspectiva para a balança comercial em 2013 foi reduzida pela quarta vez seguida, a um superávit de US$ 1,20 bilhão, ante US$ 1,55 bilhão anteriormente. Para 2014 a projeção caiu a US$ 8 bilhões, ante US$ 10 bilhões.

No acumulado do ano até 10 de novembro, a balança comercial brasileira registra um déficit de US$ 913 milhões, ante superávit de US$ 18,238 bilhões no mesmo período de 2012. Nesta segunda-feira serão divulgados os dados da terceira semana de novembro.

Selic
Os economistas ainda mantiveram a projeção de novo aumento de 0,5 ponto percentual na meta da taxa de juros (Selic) na reunião da semana que vem do Comitê de Política Monetária (Copom), encerrando 2013 a 10%. E seguiram com a expectativa de 10,25% para a taxa básica de juros em 2014.

Também não houve alterações para a Selic nas estimativas do Top 5 de médio prazo, com as instituições que mais acertam as projeções nesse período. Pela medias das projeções, segue a perspectiva de que o juro básico encerrará a 10% em 2013 e a 11% em 2014.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade