PUBLICIDADE

Crise emperra recuperação de construtoras

Das oito empresas que pediram recuperação judicial, apenas uma saiu do processo

16 jul 2018 05h12
ver comentários
Publicidade

Das 23 companhias que foram inicialmente proibidas de fazer negócios com a Petrobrás em 2014, por causa de corrupção nos contratos com a estatal, dez foram consideradas inidôneas e não podem fazer negócios com o poder público e oito estão em recuperação judicial. Dessas, apenas uma conseguiu sair da recuperação e outra teve a falência decretada. "Na nossa visão, algumas não vão conseguir sobreviver", diz Leonardo Coelho, diretor da Alvarez & Marsal (A&M), consultoria especializada em reestruturação de empresas.

Na avaliação dele, a crise econômica tem sido mais perversa para as construtoras do que a Operação Lava Jato. Isso porque a falta de investimento no País dificulta a recuperação dessas empresas.

Com poucas obras públicas, as empresas têm recorrido ao setor privado, cujos projetos são menos complexos e os preços menores. O problema é que, sem oferta, todo o setor disputa o mesmo contrato. Se no passado as gigantes da construção tinham um mercado 'cativo' nos megaempreendimentos de infraestrutura, hoje elas são obrigadas a disputar com as pequenas e médias construtoras obras bem menores - e mais baratas.

Na Camargo Corrêa, por exemplo, cinco das nove obras conquistas recentemente têm orçamento abaixo de R$ 200 milhões. E, apesar de serem menores, exigiram descontos de até 44% para a empreiteira vencer as licitações. "O poder público tem investido pouco em infraestrutura e isso afeta muito as construtoras", diz a empresa, cujo faturamento caiu de R$ 3,7 bilhões para R$ 2,2 bilhões entre 2015 e 2017.

Uma das estratégias do grupo para virar a página da Lava Jato foi criar uma nova empresa, a Camargo Corrêa Infra, para disputar as licitações. Com essa nova companhia, espera vencer contratos de até R$ 10 bilhões nos próximos dois anos. Mas essa não será uma tarefa trivial diante do cenário de crise econômica, diz Coelho.

"O setor de infraestrutura vive um momento muito difícil com a redução drástica dos investimentos", afirma o presidente da Odebrecht, Fabio Januário. Segundo ele, a empresa tem buscado se aproximar dos poucos setores que têm reagido durante a crise, como a área de transmissão de energia. A empreiteira está de olho nesse mercado. Ele explica que, com o enxugamento feito nos últimos anos, os custos fixos caíram e possibilitaram à empresa disputar obras menores.

Além da redução do número de funcionários, a empreiteira unificou a estrutura interna da empresa. "Antes tínhamos 5 presidentes: Brasil, África, Venezuela, setor industrial e infraestrutura. Hoje só temos um." A empreiteira também ganhou fôlego financeiro para disputar novas obras, com o financiamento de R$ 2,6 bilhões conseguido pelo grupo em maio - metade ficará na construtora.

A Queiroz Galvão espera o fechamento de um acordo para reestruturar R$ 10 bilhões em dívida. Mas a empresa tem um empecilho a mais: o Tribunal de Contas da União (TCU) declarou a empreiteira inidônea, o que significa não poder disputar obra pública por cinco anos. A empresa recorreu da decisão, que está suspensa.

Situação ainda mais delicada é a da Mendes Júnior que foi considerada inidônea e está em recuperação judicial. Seu plano de recuperação foi aprovado em abril pelos credores e suspenso dois meses depois. Já a proposta da Constran, empreiteira do grupo UTC, ainda nem passou pelo crivo dos credores. O pedido de recuperação foi feito em meados do ano passado.

Estadão
Publicidade
Publicidade