3 eventos ao vivo

Brasil será emergente de risco, prevê JPMorgan

Banco chama atenção para 'ventos contrários do exterior', que podem tornar as reformas prometidas por Jair Bolsonaro mais urgentes

22 nov 2018
04h11
atualizado às 09h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Relatório do banco JPMorgan alerta que o Brasil pode ser em 2019 o mercado emergente de maior risco por causa da dinâmica fiscal, ultrapassando a Argentina e a Turquia, os dois mercados mais afetados este ano pela mudança de humor dos investidores internacionais. O JP elevou a previsão para o dólar em 2019, de R$ 3,80 para R$ 4,10, e chama atenção para "ventos contrários do exterior", que podem tornar as reformas prometidas por Jair Bolsonaro (PSL), como a da Previdência, ainda mais urgentes.

"O Brasil será classificado como um dos países mais arriscados no próximo ano em nossas previsões macro", ressalta relatório divulgado na quarta-feira, 21, e que recebeu o título: Novo capítulo, velhos problemas. O banco americano lançou recentemente um ranking dos emergentes mais arriscados. Em 2018, o Brasil era o terceiro da lista, atrás da Argentina e Turquia. Mas as projeções de 2019 para a economia brasileira apontam aumento do risco, ultrapassando o dos dois países.

Por enquanto, o banco avalia que Bolsonaro tem dado sinalizações positivas e os investidores reagiram bem aos resultados das urnas. "Os sinais de política econômica do próximo governo têm sido mais pró-mercados do que o esperado", aponta o JP, prevendo que há "boa chance" de presidente eleito aprovar uma "modesta" reforma da Previdência em 2019. O cenário global, porém, será ainda mais desafiador e vai exigir urgência dessas medidas, alerta o relatório, destacando que o Federal Reserve (Fed, o banco central dosEUA) deve seguir elevando os juros e a tensão comercial entre China e EUA vai prosseguir, ambos contribuindo para pressionar o real.

"A paciência do mercado para a consolidação fiscal provavelmente terá limites." Por isso, sem uma ajuste fiscal que melhore as deterioradas contas públicas, o JP projeta fuga de recursos externos e pressão no câmbio./ALTAMIRO SILVA JUNIOR e VICTOR REZENDE

Veja também

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade