PUBLICIDADE

Empresária negra referência no ramo das tranças ajuda mais de 800 alunas a gerar renda

Conheça Esther Gomes, dona do Ateliê Badu, salão que é referência no ramo das tranças. A empresária já ministrou workshops para mais de 30 turmas por todo o Brasil

4 jan 2022 13h36
| atualizado às 13h45
ver comentários
Publicidade
Imagem mostra Esther Gomes, uma mulher com cabelo liso nas cores verdes e rosa. Ela sorri e segura em uma das mãos uma tesoura e dois pentes de cabelo.
Imagem mostra Esther Gomes, uma mulher com cabelo liso nas cores verdes e rosa. Ela sorri e segura em uma das mãos uma tesoura e dois pentes de cabelo.
Foto: Alma Preta

"Esse trabalho, hoje em dia, é praticamente o meu coração fora do peito. Eu vivo, durmo e acordo por ele". É assim que Esther Gomes define o ato de trançar o cabelo de mulheres negras e empodera-las. A empresária é fundadora do salão afro Ateliê Badu - um espaço onde as clientes podem cuidar do cabelo enquanto têm à sua disposição diversos tipos de cafés, chás e um cardápio variado - e da EG Marketing, que já profissionalizou mais de 800 alunos e virou referência ao usar manequim afro nos cursos para que todas as alunas pudessem treinar em sala de aula e em casa, a profissional acredita que o seu trabalho tem o poder de mudar vidas.

"Hoje em dia, eu vejo que eu não vendo apenas uma trança. E sim, ajudo a realizar sonhos. Resgato autoestima, gero empregos e mudo vidas. Não tem nada melhor que pôr a cabeça no travesseiro e saber que o meu trabalho tem um potencial tão grande", explica a trancista.

Mulher negra à frente de um grande negócio, Esther não se deixa intimidar. Para ela, as pessoas sempre esperam que exista um homem por trás de um trabalho bem realizado.

"Sempre tem que ter um investidor ou um sócio. Muitas pessoas acham que para uma mulher de 24 anos chegar onde cheguei é impossível sozinha. E a maior dificuldade que eu enfrento é isso. Já aconteceu de pessoas chegarem no meu espaço e não acreditarem que ele é meu, por eu ser uma mulher tão nova. E é muito importante as pessoas irem se acostumando, isso será cada vez mais comum. As mulheres independentes e donas de si, do seu próprio negócio, vêm crescendo cada vez mais: e merecemos respeito e reconhecimento com o nosso trabalho", afirma.

Usando o seu dom para mudar vidas, a empresária já ministrou o curso e workshops de tranças para mais de 30 turmas por todo o Brasil. "Este ano [2021], ministrei o curso em São Paulo, Rio de Janeiro, Fortaleza, Belo Horizonte, Vitória, Campinas, Salvador, Porto Alegre e Goiânia. Em 2022, teremos o lançamento de dois cursos: um de nagô, módulo iniciante e avançado. Nesta turma serão permitidos 10 alunos por turma. Também teremos o curso badu basic, que tem capacidade de 20 alunos por turma", lembra.

Esther Gomes em um dos cursos que oferece no segmento de tranças. | Foto: Acervo Pessoal

Trancista desde os 15 anos, Esther ainda se emociona com as conquistas de suas alunas. Uma delas marcou a profissional. "Uma aluna me presenteou com uma caneta no último dia de curso e disse que sua mãe e ela fizeram para que ela pudesse realizar o sonho de fazer o meu curso. Ela vendeu todas as canetas e conseguiu realizar o seu sonho. E me presenteou com uma caneta para que eu pudesse lembrar dela. Tenho esta caneta até hoje. Me sinto honrada em ter uma aluna que valorizou tanto o meu trabalho. Ali, eu vi o quão importante eu era para ela. E acabou que ela foi ainda mais importante para mim", finaliza a empresária.

Para participar do curso que dura quatro dias e oferece todo o material necessário para as aulas, além de coffe break e almoço, basta entrar em contato pelo Instagram  e solicitar mais informações. 

 Veja cinco programas de capacitação com inscrições abertas para profissionais negros e negras

Alma Preta
Publicidade
Publicidade