PUBLICIDADE

‘BBB’ exaltava o macho alfa e virou um programa feminista

Ao longo do tempo houve transformação no perfil dos ganhadores do reality show que virou palco de relevantes debates sociais

11 mai 2021 10h38
ver comentários
Publicidade

A vigésima primeira edição do ‘Big Brother Brasil’, vendida pela Globo como o ‘Big dos Bigs’, entregou o que prometeu: entretenimento do começo ao fim.

Em sentido horário: Gleici Damasceno (‘BBB18’), Juliette Freire (‘BBB21’), Hana Khalil (‘BBB19’), Thelma Assis (‘BBB20’), Rafa Kalimann (‘BBB20’), Camilla de Lucas (‘BBB21’) e Manu Gavassi (‘BBB20’): sisters com forte discurso feminista no reality show
Em sentido horário: Gleici Damasceno (‘BBB18’), Juliette Freire (‘BBB21’), Hana Khalil (‘BBB19’), Thelma Assis (‘BBB20’), Rafa Kalimann (‘BBB20’), Camilla de Lucas (‘BBB21’) e Manu Gavassi (‘BBB20’): sisters com forte discurso feminista no reality show
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV

Amizades, rivalidades, paixões mal resolvidas, brigas, complôs, vilões de novela, heróis imperfeitos, coadjuvantes que roubaram a cena, comédia e drama...

A temporada serviu ainda para confirmar uma mudança no perfil do mais amado e odiado reality show da televisão brasileira: as mulheres superaram os homens.

Os números não mentem: agora são 11 vencedoras contra 10 campeões. Nas últimas seis edições, apenas mulheres venceram — entre os 18 finalistas, apenas 5 homens.

O ‘BBB’ começou, no início da década de 2000, com o domínio de representantes do macho alfa, brothers associados ao homem padrão, viril, dominante: o malhado Kleber Bambam, do ‘BBB1’, o cowboy Rodrigo Leonel, do ‘BBB2’, o estrategista Dhomini, do ‘BBB3’.

A primeira mulher a vencer foi a babá Cida, do ‘BBB4’. Em seguida, uma revolução: a vitória do professor Jean Wyllys, gay assumido e vítima de homofobia na casa.

Veio o triunfo da auxiliar de enfermagem Mara, com perfil parecido com o de Cida: mulher humilde, carismática, fora dos padrões estéticos admirados, inicialmente desacreditada pelos colegas de confinamento e por parte do público.

Na sequência, quatro campeões. O representante do ‘homem perfeito’ Diego Alemão: branco, bonito, forte, sagaz, disputado por mulheres. O ‘menino boa gente’ Rafinha, amigo de todos. O articulador Max e o vilão Marcelo Dourado, que teve vitória histórica no ‘BBB10’ após ser demonizado na quarta edição.

As mulheres passaram a ganhar mais força com Maria Melillo no ‘Big Brother 11’. O veterinário e fazendeiro Fael venceu o ‘12’. Fernanda Keulla faturou a décima terceira temporada. Vanessa Mesquita, o ‘14’.

O último homem a ganhar o programa foi Cézar, do ‘BBB15’, um sujeito sensível, emotivo, sem vergonha de se mostrar afetuoso e confessar fragilidades sob o corpo musculoso e a rusticidade de origem.

A partir dele, apenas mulheres chegaram em primeiro lugar: Munik, Emilly, Gleici, Paula, Thelma e Juliette. Entre elas, a ativista social do Acre, a médica paulista e a maquiadora paraibana venceram com forte discurso feminista e a favor de pessoas discriminadas dos mais variados perfis, especialmente negros, estudantes pobres e nordestinos.

No ‘BBB18’, atitudes abusivas contra Emilly suscitaram discussão social a respeito de companheiros tóxicos e da preservação da saúde física e mental da mulher. Quem se deu bem no ‘Big Brother Brasil 19’ foi uma crítica do feminismo, Paula von Sperling, mas a edição contou com os discursos pró-mulheres e antimachismo de Hana, uma das participantes mais liberais e conscientes da história do programa.

Por meio do ‘Big Brother Brasil’, uma atração sempre criticada pelo conteúdo superficial e até fútil, muitas mulheres inseriram na sala de estar do telespectador discussões relevantes, como a luta contra o sexismo, os perigos de um relacionamento abusivo, a importância do acesso democrático à educação, o combate à injúria racial e ao racismo, o valor da sororidade, ou seja, a união feminina por suas reivindicações sociais.

Hoje, o ‘BBB' está mais ligado à imagem de mulheres fortes, resilientes e progressistas do que ao principal estereótipo valorizado e estimulado na sociedade brasileira: o do homem autossuficiente, com força superior e infalível.

Elas se fizeram protagonistas com suas qualidades e defeitos. Mulheres que tiraram força até dos momentos de fraqueza. Novas inspirações a milhões de cidadãos de todos os gêneros em um País erguido sobre as bases do patriarcado opressor e do falocentrismo institucionalizado.

O ‘Big Brother Brasil’, quem diria, virou ‘Big Sisters Brasil’.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade