PUBLICIDADE

JN ‘esconde’ Bolsonaro e Bonner sobe o tom: “Golpista”

Telejornal da Globo repete a estratégia de dosar a promoção da imagem e de declarações do presidente

8 set 2021 08h52
ver comentários
Publicidade

Em dia de edição mais curta por conta da transmissão do futebol, o ‘Jornal Nacional’ deu visibilidade mínima a Jair Bolsonaro. Na maior parte do tempo, as ações e declarações do presidente nas manifestações de 7 de setembro não foram mostradas e sim narradas pelos âncoras William Bonner e Ana Luiza Guimarães (Renata Vasconcellos tirou alguns dias de folga).

Alvo de xingamentos, Bonner foi incisivo ao desaprovar os atos pró-Bolsonaro
Alvo de xingamentos, Bonner foi incisivo ao desaprovar os atos pró-Bolsonaro
Foto: Reproduções (Fotomontagem: Blog Sala de TV)

Apesar de seu protagonismo em momento tenso para o jornalismo, a figura do presidente foi pouco exibida no ‘JN’. Em alguns momentos usaram apenas a voz dele, com legendas, sobre imagens gerais da aglomeração de seus apoiadores.

Dois trechos do discurso em Brasília e uma fração da fala em São Paulo totalizaram somente 1 minuto e 25 segundos de exposição no mais assistido telejornal do País. Emissoras simpáticas a Bolsonaro, como Record, SBT e RedeTV! deram muito mais tempo a ele. Ainda no ‘Jornal Nacional’, os panelaços mereceram 1 minuto e 5 segundos em VT que destacou os protestos em várias cidades.

Desta vez, o tom adotado pelo principal telejornal da Globo foi assumidamente crítico ao presidente. “O desrespeito à democracia com as cores da nossa bandeira”, afirmou Bonner, enfático, logo na escalada.

O editor-chefe disse que Bolsonaro se pronunciou “em tom golpista”. “O Brasil assistiu hoje a uma demonstração de desprezo pela Constituição promovida e insuflada pelo presidente da República”, afirmou o jornalista, alvo frequente de xingamentos do chefe do Executivo.

O tempo todo, Globo e GloboNews se referiram às manifestações bolsonaristas como “atos com pautas que afrontam a democracia” e “atos antidemocráticos”. Os canais fizeram uma cobertura a distância. Usaram helicópteros e drones. Repórteres e cinegrafistas ficaram em terraços e sacadas, em segurança, para evitar a repetição de episódios de hostilidade a profissionais das emissoras em manifestações anteriores.

Curiosamente, desta vez a Globo foi poupada pelos bolsonaristas nas ruas. A maioria dos cartazes e faixas atacava o STF, a esquerda e o comunismo. O tão demonizado canal da família Marinho acabou 'esquecido'.

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade