1 evento ao vivo

Atriz sofreu com rejeição a personagem rica que fez aborto

Taís Araújo revela dores emocionais por reações conservadoras à primeira e única Helena negra do autor Manoel Carlos

27 ago 2020
14h38
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Em recente live, Taís Araújo relembrou o intenso sofrimento vivido nas gravações de 'Viver a Vida', novela das 21h da Globo exibida entre 2009 e 2010. A atriz criara imensurável expectativa em relação à personagem, uma modelo de sucesso internacional: seria a primeira negra a interpretar Helena, a protagonista recorrente nos folhetins de Manoel Carlos.

Taís Araújo despertou para a questão racial a partir da reprovação do público a sua protagonista progressista
Taís Araújo despertou para a questão racial a partir da reprovação do público a sua protagonista progressista
Foto: TV Globo / Divulgação

"Eu achava que era a grande chance, não só minha, como de toda a população negra. 'Eu vou fazer e virão um monte de protagonistas negros'. Porque novela, nesse País, movimenta muitas coisas. E não rolou, não deu certo", disse Taís. "Fiquei bastante frustrada".

Com o distanciamento temporal da situação, a atriz identificou o motivo da rejeição de boa parte dos telespectadores. "Analisando agora, o Maneco teve um pensamento super de vanguarda naquele momento. Ele quis escrever uma personagem negra, rica, bem-sucedida, sem justificar o caminho dela. Simplesmente ela é. Só que naquele Brasil lá de trás, era muito esquisito", explica.

Na avaliação da artista, o público questionava o status da protagonista e não conseguia desenvolver empatia por ela, uma heroína atípica, diferente das clássicas mocinhas sofredoras. "Como é que essa mulher não arrastou uma corrente, não passou fome, por que ela merece estar nesse lugar (privilegiado)? 'Ela é perfeita', as pessoas falavam".

O desprezo por aquela Helena à frente do tempo afetou sua intérprete. "Me deixou emocionalmente desestruturada", revela Taís. Por sorte, ela contou com o apoio de colegas de elenco. Disse ter sido especialmente amparada por Alinne Moraes, que vivia a antagonista Luciana. "Ela em nenhum momento me abandonou. Não virou as costas (para mim) e seguiu o caminho dela. Não me pegou pela mão, ela me pegou no colo".

O lado positivo da crise pessoal suscitada por 'Viver a Vida' foi aproximar a atriz de sua origem racial. Passou a pesquisar mais a respeito da ancestralidade negra. "Não vou tentar ser o que o Brasil ou o mundo quer que seu seja ou me aproxime. Para pertencer não preciso ser o outro", afirma.

A partir do impacto psicológico, Taís Araújo começou a estudar a biografia de mulheres negras importantes na luta contra o racismo e buscou referências na africanidade ao invés de tentar reproduzir o padrão branco predominante na TV. Hoje, é um exemplo de artista negra consciente e engajada.

Outro aspecto determinante para a indiferença ou repulsa à protagonista de 'Viver a Vida' foi o aborto que Helena confessou ter feito ainda jovem para evitar que a gravidez indesejada atrapalhasse sua carreira de modelo. Ainda que demonstrasse sofrimento pela situação, ela não comoveu a parcela antiaborto do público. Houve protestos. Era uma personagem polêmica demais para 2009 - e provavelmente seria hoje também. 

Veja também: 

Harry Styles e Dua Lipa recusam convite do VMA 2020

 

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade