PUBLICIDADE

A morte de artistas jovens ensina: viva, não apenas exista

Fim impactante de ídolos no auge gera choque de realidade em quem dá mais valor ao “ter” do que ao “ser”

30 dez 2021 11h09
ver comentários
Publicidade
Paulo Gustavo, Maurílio, Marília Mendonça e MC Kevin
Paulo Gustavo, Maurílio, Marília Mendonça e MC Kevin
Foto: Fotomontagem: Blog Sala de TV

⁠“Com a morte bem à sua frente, você entende o verdadeiro significado de estar vivo”, diz um personagem do mangá japonês ‘Alice in Borderland’, transformado em série pela Netflix.

O desaparecimento abrupto de jovens artistas, no auge da produtividade e com a tal ‘vida inteira pela frente’, salienta o quão frágil e vulnerável somos.

Vivemos à deriva de algo, que alguns chamam de destino, sem a certeza de até onde iremos. Juventude e finitude são incompatíveis na teoria, mas se impõem juntas a muitos de nós.

Neste penoso 2021, a lista de ídolos mortos precocemente é tão extensa quanto dolorosa. Entre eles, o humorista Paulo Gustavo (42 anos), o ator Leo Rosa (37 anos), o sertanejo Maurílio (28 anos), a rainha da sofrência Marília Mendonça (26), o funkeiro MC Kevin (23), a atriz Mabel Calzolari (21).

Estavam entre nós e, de repente, partiram. O choque inicial logo abre brecha para questionamentos. “Quanto tempo ainda tenho? O que estou fazendo da minha vida? Como começar a viver intensamente e não apenas existir?”

Para o psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Jung, “até onde conseguimos discernir, o único propósito da existência humana é acender uma luz na escuridão da mera existência”.

A morte desses ídolos pode ser um farol de consciência a quem vive na ilusão de que tem todo o tempo do mundo e dá mais importância ao acúmulo de bens do que ao cultivo de sentimentos.

Serve de consolo o fato de terem experimentado o que tantos desejam e poucos conseguem: fama, sucesso, status, aceitação pública. No entanto, continuaram suscetíveis ao imponderável como qualquer sonhador anônimo, e agora são exemplos da fragilidade humana.

Na música ‘The Good Part’, a banda de indie-pop americana AJR reflete a respeito. Diz um trecho: “Se há uma boa parte (da vida), então... Espero que não esteja longe, porque... Achei que seria hoje... É tão difícil... Podemos pular para a parte boa?”

Cabe a cada um de nós fazer desse exato momento a melhor parte de sua vida. O ‘depois’ pode não existir. Filósofo no Império Romano, Sêneca registrou uma sugestão. “Apressa-te a viver bem e pensa que cada dia é, por si só, uma vida.”

O que você vai viver hoje?

Sala de TV Blog Sala de TV - Todo o conteúdo (textos, ilustrações, áudios, fotos, gráficos, arquivos etc.) deste blog é de responsabilidade do blogueiro que o assina. A responsabilidade por todos os conteúdos aqui publicados, bem como pela obtenção de todas as autorizações e licenças necessárias, é exclusiva do blogueiro. Qualquer dúvida ou reclamação, favor contatá-lo diretamente no e-mail beniciojeff@gmail.com.
Publicidade
Publicidade