PUBLICIDADE

Nickelback diz que "rock volta à vida" e ignora ódio na web

Mike Kroeger, baixista da banda canadense, conversou com o Terra sobre sucesso, novos projetos e show no Rock in Rio e em São Paulo

29 ago 2019 09h31
| atualizado às 13h08
ver comentários
Publicidade

O Nickelback é um daqueles nomes que evocam opiniões extremas: Se por um lado parte da internet fabrica uma campanha de ódio e memes contra o grupo, a cifra de 50 milhões de álbuns vendidos em mais de 20 anos de carreira demonstram que a banda se firmou como um dos maiores nomes do rock canadense. 

Mike Kroeger, irmão do vocalista Chad e baixista do grupo, parece não se preocupar muito com a “máquina de ódio” da Internet: “Alguns memes eu acho bem hilários. Já nos incomodou em algum ponto, mas ninguém vinha na nossa cara falar nada de negativo. Agora, quanto a tentar fazer graça dos outros falando coisas malvadas, eu não acho isso engraçado.” 

Aos 47 anos de idade e quase 25 de carreira, Mike Kroeger concedeu uma entrevista ao Terra, que você confere abaixo, sobre o atual momento de carreira da banda,. 

Banda Nickelback se prepara para shows no Brasil.
Banda Nickelback se prepara para shows no Brasil.
Foto: Divulgação

O Nickelback é uma das bandas canadenses mais bem-sucedidas comercialmente, com mais de 50 milhões de discos vendidos.  A que você acha que se deve este sucesso?

Eu acho que é uma combinação de duas coisas: A primeira é que, ao que parece, as pessoas gostam de nossa música. E a segunda é que nós nunca paramos (risos). Essas duas coisas fazem tudo funcionar, então somos muito sortudos que gostem da nossa música, mas sabemos que temos que trabalhar duro para manter o público engajado.

Eu li uma entrevista em que vocês afirmam estar planejando um décimo álbum [o último trabalho da banda, “Feed The Machine”, é de 2017]. Vocês estão trabalhando nisso atualmente?

Neste momento, estamos na parte criativa. Estamos reunindo ideias, Chad (Kroeger, vocalista e guitarrista) está escrevendo algumas canções, vamos ouví-las e trabalhar nelas sem pressa. Estamos trabalhando num ritmo diferente do que costumamos, não estamos com a pressa que costumávamos ter no passado.

O Nickelback, juntamente com toda a geração do fim dos anos 90 e início de 2000, é parte da última leva de artistas a fazer grande sucesso comercial tocando rock'n'roll. Como você vê o cenário musical atualmente, em que as paradas de sucesso são dominadas pelo pop, eletrônico e rap?

Eu acho que as coisas claramente andam em círculos, tem um ciclo. Acho que estamos voltando a uma direção em que o rock volta à vida. Já aconteceu tantas vezes, ele desaparece e depois volta, são as “ondas”, sabe?

E vocês provavelmente escutam que o rock está morto desde que começaram, certo?

Sim, escutamos isso muitas e muitas vezes. Alguns dizem que o rock morreu, e outros que ele nunca morre. Acho que a verdade não é nenhuma das duas coisas. Acho que o rock vem e vai. 

Eu queria falar agora sobre o “ódio ao Nickelback”, que parece ser algo que a Internet abraçou. Vocês levam toda a zoação e os memes a sério?

Na verdade, não. Para ser honesto, uma parte disso é engraçado, sabe, acho que alguns dos memes são hilários, não me incomoda. Acho que, em algum ponto, nos incomodou, mas ninguém vinha na nossa cara falar nada de negativo. Agora, quanto a tentar fazer graça dos outros falando coisas malvadas, eu não acho isso engraçado. Não é algo que eu gosto.

E vocês vão tocar no Brasil de novo, em São Paulo e no Rock in Rio. Você acha que o público brasileiro é diferente, no sentido de demonstrar mais a paixão pelo artista?

Eles demonstram mais sua paixão. Eu sinto que todos os nossos fãs são apaixonados, e por isso nós os amamos, mas alguns demonstram de maneira mais clara, seja com suas vozes, com seu corpo, com suas ações. E acho que os brasileiros são bem claros em sua comunicação (risos). Eles se comunicam muito bem, e ficamos felizes com isso. 

Para encerrar: Você tem alguma mensagem para os fãs brasileiros que vão aos shows? O que eles podem esperar?

Brasil, nós sentimos muito a falta de vocês e mal podemos esperar para voltar e ver vocês novamente! Pedimos desculpas por ter demorado tanto para voltar, mas vamos tocar as músicas favoritas do Nickelback para todo mundo!  

O Nickelback desembarca no Brasil para apresentações em São Paulo, no Itaipava de Som a Sol (3/10) e no Rock in Rio (6/10).

Veja também

Saiba tudo sobre o fim do casamento de Miley e Liam:

 

Fonte: Equipe portal
Publicidade
Publicidade