PUBLICIDADE

Morre Maria Lata D'Água, ex-passista que inspirou antigo samba de carnaval; conheça a história

Ela estava com 90 anos e morava no interior de São Paulo. Depois de viver na Europa por 30 anos, Maria havia se tornado uma missionária

24 fev 2024 - 12h36
(atualizado às 18h18)
Compartilhar
Exibir comentários
Maria Mercedes, a inspiradora do samba 'Lata D'Água'
Maria Mercedes, a inspiradora do samba 'Lata D'Água'
Foto: Arquivo Canção Nova

Morreu nesta sexta-feira, 23, a missionária Maria Mercedes Chaves Roy, conhecida como Maria Lata D'Água. A informação foi divulgada pela Canção Nova, comunidade católica da qual Maria fazia parte desde o início dos anos 2000. Segundo informações, ela morreu de causas naturais.

Nascida em Diamantina, em Minas Gerais, Maria desde pequena ajudava a mãe a pegar água em uma bica próxima de sua casa. Aos 11 anos, se mudou para o Rio de Janeiro com a mãe. Aos 13 anos, fugiu de casa e passou a viver nas ruas, onde se prostituiu.

Levada a um circo, passou a se apresentar sambando com uma lata de água de 20 litros na cabeça. Apresentou-se no programa do Chacrinha e ganhou em primeiro lugar no quadro 'Quem vai para o trono?'. Com a fama, trabalhou com o ator Grande Otelo e fez uma excursão para o Uruguai. Foi viver na Europa onde trabalhou em boates.

De acordo com Maria Mercedes, que contou sua história na autobiografia Lata D'Água Na Cabeça - Da Passarela ao Sacrário, lançada em 2017, ela teria sido a inspiração dos compositores Luís Antônio e Jota Júnior para o samba de carnaval Lata D'Água, de 1952.

Maria Mercedes com a lata de água na cabeça, já depois da fama
Maria Mercedes com a lata de água na cabeça, já depois da fama
Foto: Arquivo Canção Nova

Entre os anos 1950 e 1970, Maria desfilou pelas principais escolas de samba do carnaval carioca., como a Portela. Em 1977, casou-se com um suíço e viveu por muitos anos na Europa.

Em 2004, virou missionária da Canção Nova e foi morar na cidade de Cachoeira Paulista, no interior de São Paulo.

Em uma entrevista em 2017, Maria definiu sua vida como "triste" até se encontrar com a missão religiosa que abraçou.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade