0

Warner implode DC Comics na véspera da DC FanDome

14 ago 2020
00h23
atualizado em 15/8/2020 às 03h14
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/DC Comics / Pipoca Moderna

A duas semanas do evento mundial DC FanDome, a WarnerMedia causou um abalo sísmico na editora DC Comics, demitindo um terço de sua equipe editorial, incluindo o Editor-Chefe Bob Harras e alguns editores de grandes títulos, como Mark Doyle (Batman), Bryan Cunningham (O Relógio do Juízo Final) e Andy Khouri (Harleen). Este último foi o mentor do lançamento do selo Black Label, que aposentou a Vertigo (divisão adulta da DC).

Além disso, Jim Lee, lendário ilustrador de diversas histórias da casa, perdeu o cargo de Chefe-Criativo e, segundo apurou o site ComicBook, deverá ser substituído por um gerente "do mundo do e-sports". Sabe-se lá porquê.

Mas os cortes não se limitaram à editora. Também afundaram um pouco mais a plataforma de streaming DC Universe, que teve a maioria de sua equipe demitida.

"A DC Universe morreu na largada, com a aquisição da Warner pela AT&T", disse uma fonte não identificada ao site The Hollywood Reporter, lembrando que o foco dos novos donos da Warner é concentrar todo seu conteúdo no serviço de streaming HBO Max.

Lançada antes da conclusão da venda da Warner, em maio de 2018, a DC Universe lançou as séries "Titãs", "Patrulha do Destino", "Stargirl", "Monstro do Pântano", "Justiça Jovem" e "Harley Quinn" (Arlequina). Alguns desses programas já começaram a ser transmitidos na HBO Max. E "Stargirl" trocou o streaming pela rede The CW.

Outra vítima do massacre econômico foi a DC Direct, fabricante de mercadorias e colecionáveis da empresa. A divisão foi fechada depois de 22 anos, com suas atividades incorporadas pela Warner Bros. Consumer Products.

A DC não fez comentários sobre a implosão de seus negócios. Mas será curioso ver o que a editora irá comemorar no DC FanDome, sua primeira grande convenção de fãs, que deverá ser realizada no dia 22 de agosto em clima de fim de festa.

De todo modo, vale observar que os cortes também atingiram as divisões de cinema e séries da companhia, levando à demissão de pesos-pesados como Robert Greenblatt, presidente da WarnerMedia Entertainment, Kevin Reilly, diretor de conteúdo da WarnerMedia, e Keith Cocozza, vice-presidente executivo de marketing e comunicações, que trabalhou na empresa por 19 anos.

As demissões podem ter causa na crise econômica gerada pela pandemia de coronavírus, mas também refletem a chegada de um novo presidente-executivo na WarnerMedia, Jason Kilar, ex-CEO da Hulu, que foi escolhido pela AT&T em abril para lançar - e priorizar - a HBO Max.

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade