4 eventos ao vivo

Ray Fisher envolve Warner em polêmica de bastidores de Liga da Justiça

5 set 2020
16h25
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Warner / Pipoca Moderna

Ray Fisher, intérprete de Ciborgue em "Liga da Justiça", ampliou seus ataques contra a produção daquele filme, envolvendo a DC Films e, como consequência, a Warner acabou se posicionando oficialmente. Com o novo desenvolvimento a situação mudou de patamar. Não se trata mais de um ator reclamando de abuso de um diretor. Após o comunicado da Warner, Fisher passou a mirar o próprio estúdio de cinema.

O ator começou a atacar a produção de "Liga da Justiça" em julho passado, num tuíte em que definiu o comportamento do cineasta Joss Whedon no set como "nojento, abusivo, não profissional e inaceitável". Ele ainda alegou que os produtores Geoff Johns e Jon Berg incentivavam o cineasta, que entrou na produção para fazer refilmagens depois que o diretor Zack Snyder se afastou devido a uma tragédia pessoal.

Fisher nunca disse especificamente o que caracterizou o comportamento de Whedon, o que o diretor fez exatamente. Único a se manifestar sobre o assunto, Jon Berg negou qualquer problema e acusou o ator de estar exagerando. O produtor disse que as alegações se deviam ao descontentamento de Fisher por ter de falar "Booyah" no filme, um bordão do Ciborgue que se tornou famoso nos quadrinhos - e que o personagem fala na série "Patrulha do Destino", onde é vivido por Joivan Wade.

Mas o ator não deixou o assunto morrer. Poucas semanas depois, desafiou Whedon a processá-lo, reforçando as denúncias de abuso. Em seguida, denunciou que Geoff Johns ameaçou sua carreira por causa das queixas no set.

Em meio ao clima belicoso, a Warner iniciou uma investigação sobre o ambiente na produção. Teriam sido feitas várias entrevistas internas, que as publicações Variety e The Hollywood Reporter apuraram não ter revelado nada desabonador contra a equipe.

Mas Fisher diz que isso faz parte de um acobertamento do estúdio.

Na sexta, ele postou: "Para vocês entenderem o quão fundo isso vai: após expor o que aconteceu em 'Liga da Justiça', o presidente da DC Films [Walter Hamada] me ligou tentando que eu jogasse Joss Whedon e Jon Berg na fogueira e que eu pegasse leve com Geoff Johns. Eu não vou."

Horas depois, a Warner Bros. Pictures emitiu um comunicado oficial, acusando Ray Fisher de mentir e não colaborar com a investigação sobre suas próprias denúncias.

"Em nenhum momento o Sr. Hamada 'jogou alguém na fogueira', como o Sr. Fisher falsamente alegou, ou fez qualquer pré-julgamento sobre a produção da 'Liga da Justiça', com a qual o Sr. Hamada não teve nenhum envolvimento, desde que as filmagens ocorreram antes do Sr. Hamada ser elevado à sua posição atual", diz o texto.

O estúdio também afirmou que Fisher não apresentou nenhum caso concreto de abuso e tem se recusado a cooperar com a investigação.

"Embora o Sr. Fisher não tenha citado nenhum episódio de conduta realmente passível de punição, a WarnerMedia começou uma investigação sobre as suas denúncias. Ainda insatisfeito, o Sr. Fisher insistiu que a WarnerMedia contratasse um investigador de fora do estúdio para garantir imparcialidade. Este investigador já tentou múltiplas vezes se encontrar com o Sr. Fisher para discutir as suas acusações, mas ele recusou os convites", afirma o estúdio.

Neste sábado, Fisher confirmou que, de fato, foi procurado por um investigador, via Zoom, em 26 de agosto. Mas diz que o investigador era contratado da Warner Bros. Pictures e não da WarnerMedia, fazendo com que as conclusões ficassem restritas ao departamento legal do estúdio e não chegassem aos proprietários do conglomerado. Ele também indicou ter se recusado a falar com ele sem um representante (advogado) presente "por segurança".

Entretanto, Fisher também alegou que a revelação de sua recusa em conversar com o investigador era "uma tentativa desesperada e dispersa de me desacreditar para continuar protegendo aqueles que estão no poder".

Num segundo post, Fisher acusou o estúdio de ser responsável por alimentar e ampliar o problema. Segundo o ator, o comunicado da Warner "elevou isso a um nível totalmente diferente, mas estou pronto para enfrentar o desafio".

O "desafio", na verdade, será promover o lançamento do Snyder Cut, a versão do diretor Zack Snyder de "Liga da Justiça", que será lançada em 2021 na HBO Max. Snyder tem dito que pretende dar mais destaque ao papel do Ciborgue, que seria "o coração" de sua versão. Mas, com a insistência de Fisher de puxar briga com a Warner, é possível imaginar que esse projeto esteja sendo bastante (re)discutido neste momento.

Veja os posts do ator abaixo.

Veja também:

Carol Francischini treina na varanda de sua casa
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade