PUBLICIDADE

Festival de Veneza começa em meio à greve e polêmicas

O evento conta com obras de diretores "cancelados" como Roman Polanski, Woody Allen e Luc Besson.

30 ago 2023 - 15h16
(atualizado às 16h38)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Instagram/La Biennale di Venezia / Pipoca Moderna

O 80º Festival de Veneza, que começa nesta quarta-feira (30) em meio às greves dos roteiristas e atores de Hollywood, terá poucos astros por causa da situação, mas seus filmes prometem dar muito o que falar, inclusive em termos de controvérsias, já que entre os títulos selecionados estão obras de diretores "cancelados" como Roman Polanski, Woody Allen e Luc Besson.

Diretores polêmicos

Polanski, que fugiu dos EUA em 1978 após ser condenado por agressão sexual a uma adolescente, apresentará seu novo filme, 'The Palace', fora da competição. Woody Allen traz 'Coup de Chance', e Luc Besson estreará 'DogMan' na competição. Todos os três cineastas foram alvo de alegações de abuso e, no contexto do movimento #MeToo, também sofreram campanhas de cancelamento on-line. No entanto, apenas Polanski foi acusado formalmente de um crime. Woody Allen foi considerado inocente das alegações de abuso de sua filha adotiva nos anos 1990 e os tribunais franceses rejeitaram repetidamente as acusações contra Besson, inclusive recentemente descartando um caso envolvendo uma suposta agressão a uma atriz belga.

Na ocasião do anúncio da programação, Alberto Barbera, diretor do festival, defendeu a escolha. "O caso Polanski [tem sido] debatido há 50 anos. Não entendo por que não se pode distinguir entre as responsabilidades do homem e as do artista", disse ele. "Polanski tem 90 anos, é um dos poucos mestres em atividade, fez um filme extraordinário… Pode ser o último filme de sua carreira, embora eu espero que ele faça como [Joaquim] de Oliveira, que fez filmes até os 105 anos. Eu me posiciono firmemente entre aqueles que no debate distinguem [entre] a responsabilidade do homem e a do artista."

Filmes descancelados

'The Palace', de Polanski, é descrito como uma "comédia negra" ambientada em um luxuoso hotel suíço na véspera de Ano Novo em 1999. O elenco inclui John Cleese, Luca Barbareschi, Oliver Masucci, Fanny Ardant e Mickey Rourke. Já 'Coup de Chance', de Allen, é o primeiro filme do diretor em francês. Nos últimos anos, Allen encontrou dificuldades para garantir financiamento nos EUA para seus filmes após as alegações de abuso de sua filha adotiva, Dylan Farrow, ressurgirem na era pós-#MeToo. No entanto, distribuidores europeus continuaram a apoiá-lo. O novo filme, que será lançado na França em 27 de setembro, inclui um elenco de estrelas francesas, incluindo Lou de Laage, Valerie Lemercier, Melvil Poupaud e Niels Schneider.

'DogMan', de Besson, marca o retorno do diretor ao cinema, após se afastar por quatro anos para lidar com acusações de assédio e estupro. O drama, que traz Caleb Landry Jones como um jovem marcado pela vida, que encontra sua salvação através do amor por seus cães, foi um sucesso de pré-vendas para a Kinology no European Film Market em Berlim em fevereiro, vendendo seus direitos de exibição para quase todo o mundo.

Cinema brasileiro

A programação do Festival de Veneza também exibe o longa-metragem brasileiro 'Sem Coração', que fará sua estreia mundial na mostra paralela Horizonte. O filme é uma coprodução oficial entre Brasil, França e Itália, dirigido e escrito por Nara Normande e Tião, e produzido por Emilie Lesclaux, Kleber Mendonça Filho (Cinemascópio), Justin Pechberty, Damien Megherbi (Les Valseurs), Nadia Trevisan, Alberto Fasulo (Itália) e pela Vitrine Filmes.

'Sem Coração' se passa no verão de 1996, no litoral de Alagoas, e acompanha Tamara, que está aproveitando suas últimas semanas na vila pesqueira onde mora antes de partir para estudar em Brasília. Ela ouve falar de uma adolescente apelidada de 'Sem Coração' por causa de uma cicatriz que tem no peito. Ao longo do verão, Tamara sente uma atração crescente por essa menina misteriosa. O filme foi rodado em locações no litoral de Alagoas, entre setembro e outubro de 2022.

Presença de grandes cineastas

Outros destaques do festival são 'O Assassino', de David Fincher, que traz Michael Fassbender como um assassino frio que começa a desenvolver uma consciência – o filme conta com a participação da brasileira Sophie Charlotte – , e 'Maestro', de Bradley Cooper, um drama sobre o grande maestro Leonard Bernstein. Ambos são lançamentos da Netflix, que também está competindo pelo Leão do Ouro com 'El Conde', do chileno Pablo Larrain, que retrata o ditador Augusto Pinochet como um vampiro.

A lista de cineastas americanos ainda inclui Ava DuVernay, que traz 'Origin', sobre o sistema de hierarquia que moldou os EUA, Sofia Coppola, que apresenta 'Priscilla', cinebiografia de Priscilla Presley, e Michael Mann, que entra na disputa com o drama de corrida 'Ferrari', com Adam Driver no papel de Enzo Ferrari, o fundador da famosa marca de carros.

O festival também mostrará a estreia do diretor mexicano Michel Franco em inglês, com 'Memory', um filme ambientado em Nova York e estrelado por Jessica Chastain e Peter Sarsgaard, além de novos filmes do diretor japonês de 'Drive My Car', Ryûsuke Hamaguchi, chamado 'Evil Does Not Exist', e do grego Yorgos Lanthimos, a ficção científica surrealista 'Poor Things', estrelado por Emma Stone.

Seleção europeia

A Itália também marca forte presença com seis títulos na competição, liderados pelo filme de abertura 'Comandante', um épico anti-guerra ambicioso estrelado pelo ator italiano Pierfrancesco Favino. Outros destaques italianos incluem 'Io Capitano', de Matteo Garrone, sobre a jornada homérica de dois jovens africanos que deixam Dakar para chegar à Europa, e 'Finalmente L'alba', de Saverio Costanzo, ambientado na Cinecittà durante os anos 1950, quando as famosas instalações de cinema eram conhecidas como a 'Hollywood no Tibre'.

Da França, vem o já mencionado 'Dogman', de Luc Besson, e 'The Beast', uma sci-fi de Bertrand Bonello que traz Léa Seydoux como uma jovem atormentada que decide purificar seu DNA em uma máquina, o que a levará em uma jornada por uma série de vidas passadas.

Outros filmes notáveis incluem os poloneses 'The Green Border', de Agnieszka Holland, sobre a crise humanitária desencadeada pelo presidente bielorrusso Lukaschenko, que em 2021 abriu a fronteira da Bielorrússia com a Polônia para migrantes, e 'Kobieta Z', da dupla de diretores Małgorzata Szumowska e Michał Englert.

O Festival de Veneza de 2023 acontecerá até 9 de setembro.

Pipoca Moderna Pipoca Moderna
Compartilhar
Publicidade
Publicidade