1 evento ao vivo

Os Últimos Dias de Gilda: Parceiros de Benzinho criam série sobre Rio das milícias e políticos evangélicos

27 nov 2020
14h56
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Divulgação/Canal Brasil / Pipoca Moderna

O canal Brasil estreia nesta sexta "Os Últimos Dias de Gilda", primeira série criada pelo casal Gustavo Pizzi e Karine Teles, dos filmes "Benzinho" e "Riscado". Os dois já foram casados, mas a parceria criativa continua na produção, que reflete o Rio de Janeiro atual, com suas milícias e mistura de política e religião. A estreia vai acontecer às 22h30 e posteriormente será disponibilizada em streaming na Globoplay.

Pizzi e Teles assinam o roteiro. Ele também dirige os episódios, enquanto ela tem o papel principal.

Por sinal, "Os Últimos Dias de Gilda" marca a terceira vez que a atriz vive a personagem do título. As duas anteriores foram num monólogo e também numa peça encenada há 18 anos. É esta peça, escrita pelo dramaturgo Rodrigo de Roure, que serve de inspiração para a série.

Na trama, Gilda é uma mulher bissexual, que mora sozinha e cria porcos e galinhas para abate. Por recusar a monogamia e se relacionar com amigos, ela vira alvo de ataques dos vizinhos — especialmente a religiosa Cacilda (Julia Stockler), cujo marido, Ismael (Igor Campanaro), é candidato a vereador pelo verossímil "Partido do Senhor".

A série aponta claramente como a violência das milícias avança de braços dados com uma suposta religiosidade, a ponto de ter um grupo paramilitar autointitulado Exército do Senhor, que usa Bíblias para sinalizar as casas de seus protegidos.

Mas vale apontar que essa religiosidade não impede o ataque às religiões não evangélicas. Umbandista, Gilda é acusada de "feitiçaria" pelos vizinhos. Em um dos quatro episódios, o terreiro que a personagem frequenta é invadido e destruído por criminosos.

Em "Os Últimos Dias de Gilda", quanto mais crentes, mais intransigentes são os personagens, que promovem perseguição a todos que pensam diferente. É uma fotografia do momento atual.

Apesar disso, em entrevista ao jornal O Globo, Karine Teles disse que é possível reverter esse cenário.

"O conservadorismo, a misoginia, as disputas de poder, a violência das cidades, todas essas coisas são problemas de séculos no Brasil. Mas percebo que a gente tem feito grandes avanços. Por exemplo, a quantidade de mulheres pretas, de pessoas trans eleitas agora. Gilda fala disso: está tudo muito difícil, mas é possível enxergar luz. Tem que acreditar que é possível transformar", avalia a atriz e roteirista.

Veja também:

Umbrella: a história de um guarda-chuva que emociona
Pipoca Moderna Pipoca Moderna
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade