PUBLICIDADE

Desigualdade foi um dos grandes temas do Festival de Veneza

Evento que se encerra hoje teve variações sobre esse tema em filmes de diversos cineastas

11 set 2021 05h11
ver comentários
Publicidade

Um festival de cinema é como uma bolha. Lá dentro, uma produção americana sobre um jogador de cassino em busca de redenção é comparada com três dias da princesa Diana no tumultuado casamento com o príncipe Charles. Quando se cobre a distância, pois a pandemia corre desigual pelo globo, essa bolha não existe. A conversa com colegas do mundo inteiro não acontece. O que sobra são a tela do computador e os filmes aos quais se tem acesso. Mas ainda dá para sentir o que vai na cabeça dos cineastas e assistir a obras para as quais talvez não houvesse tempo se estivesse no Lido, onde se encerra hoje o 78.º Festival de Veneza.

No caso de Paul Schrader, o que está em sua mente não é muito diferente do que sempre esteve, desde seus primeiros roteiros, como Taxi Driver - Motorista de Táxi, de 1976: um cavaleiro solitário traumatizado e culpado em busca de redenção, talvez por meio da salvação de outro. Neste filme noir cheio de estilo, o homem é William Tell (Oscar Isaac, a estrela do festival), um ex-interrogador militar - ou melhor, torturador -, que hoje corre os cassinos do Meio-Oeste americano. Tell poderia ganhar milhões, mas ele quer apenas o suficiente para se manter. É uma maneira de ficar fora do radar, mas também uma recusa dos ideais americanos e do capitalismo. Tell transita entre cidades de prédios uniformemente horrendos e motéis tão mal decorados quanto os cassinos que representam o luxo e a riqueza para aquela América do meio. Tem uma imagem clara de seu país, ao contrário do jogador conhecido como EUA, que se veste com a bandeira e, quando ganha, grita, triunfante: E-U-A!

O personagem de Isaac em The Card Counter é diferente daquele que o ator faz na série Scenes From a Marriage, que estreia amanhã na HBO Max no Brasil e é uma versão de Cenas de um Casamento, a minissérie de Ingmar Bergman da década de 1970. Criada por Hagai Levi (In Treatment), a adaptação inverte os sinais: a Mira de Jessica Chastain é a mulher ambiciosa, com uma carreira bem-sucedida na área de tecnologia, e seu marido Jonathan (Isaac) é um professor de filosofia que cuida da filha. A vida dos dois é bastante confortável, financeiramente. Mas o vazio ainda está lá. E como se doar a um relacionamento quando há um oco dentro de si?

Em dado momento, Mira diz: "Você necessita de uma testemunha para sua vida, alguém que está sempre lá, fazendo o registro". Não é diferente do cômico napolitano Eduardo Scarpetta (o excelente Toni Servillo) em Qui Rido Io, filme do italiano Mario Martone. Este homem precisa não só de muitas testemunhas de sua vida - a companhia de teatro, a mulher e os filhos e as várias amantes e sua prole - como também do aplauso do público e a admiração de seus pares.

É esse respeito que procura Daniele (Daniele Barison) em Atlantide, do italiano Yuri Ancarani. O rapaz pode estar à margem, mas não das exigências da sociedade capitalista e da masculinidade, aqui representadas pela cultura do "barchino", ou lanchas. Toda a existência de Daniele gira em torno do objetivo de chegar aos 85 km/h. Há um embate entre a Veneza local e aquela que os turistas preferem ver de longe, a partir de seus imensos navios de cruzeiro, e entre a modernidade e a antiguidade da cidade, que periga deixar de existir a não ser na memória.

Essas questões aparecem de formas distintas em Piedra Noche, do argentino Iván Fund, e Karmalink, dirigido pelo americano Jake Wachtel, mas ambientado no Camboja. Os dois utilizam elementos de gênero: fantasia no primeiro, ficção científica no segundo. Piedra Noche fala de um casal que precisa lidar com a perda mais insuportável, enquanto veem a praia da tragédia assombrada por monstros vários, incluindo a plataforma horrenda que vira um triste ponto turístico depois de degradar a área. Karmalink se passa em uma Phnom Penh do futuro, em que as comunidades cada vez mais miseráveis são empurradas para dar lugar a condomínios. Um adolescente busca a salvação da família no budismo e no passado, com um artefato valioso que acredita ter escondido em uma vida anterior. Aqui também o trauma das guerras americanas está embutido nas pessoas e no país.

Em Les Promesses, de Thomas Kruithof, Isabelle Huppert é uma prefeita que tenta lutar pelos moradores de conjuntos habitacionais inabitáveis. Mas suas boas intenções esbarram nas tentações da ambição pessoal e nas realidades da política, a arte do possível.

Como o presidente do júri da competição oficial do Festival de Veneza deste ano, Bong Joon-ho, disse na época do lançamento de seu Parasita, o capitalismo é a nossa vida. E isso significa lidar com a pressão pela busca desenfreada por riqueza, desigualdade, guerra, trauma, destruição, vazio. A presença de Duna, de Denis Villeneuve, também estrelado por Oscar Isaac e exibido fora de competição, faz todo o sentido: uma história futurista sobre colonialismo, exploração de riquezas, espera pelo messias, em um lugar inóspito. Dado o nosso passado e o nosso presente, por que o futuro haveria de ser diferente?

Filmes brasileiros falam de solidão e afeto

Com tanta crise e dor na tela, o gosto que fica da maioria dos filmes é de tristeza, ou pelo menos melancolia. Não é muito diferente no caso dos brasileiros. O curta Ato, de Bárbara Paz, por exemplo, reflete sobre a solidão e a perda, por mais que o grito final contenha beleza.

Em 7 Prisioneiros, de Alexandre Moratto, o cenário é brutal: tráfico de pessoas e trabalho análogo à escravidão. Vale tudo em nome do dinheiro. Mateus (Christian Malheiros) descobre que no ferro-velho de Luca (Rodrigo Santoro) estará para sempre preso a uma dívida impagável. O rapaz busca uma saída. Mas que tipo de escolha há para quem luta pela sobrevivência? Com belas atuações de seus protagonistas, o filme parte de aparentes certezas sobre as posições de vítima e algoz e complica aos poucos as decisões dos personagens, desafiando o espectador a se colocar em seu lugar.

Salamandra, de Alex Carvalho, parece querer abordar as desigualdades oriundas do colonialismo por meio do romance entre um jovem negro brasileiro (Maicon Rodrigues) e uma francesa em vazio existencial (Marina Foïs), no Recife. Mas o filme baseado no livro do francês Jean-Christophe Rufin se enrola em clichês sobre as mulheres e sobre as relações entre classes sociais, colonizadores e colonizados, brancos e negros.

Um dos raros filmes sem medo de terminar em sorriso é o belo Deserto Particular, de Aly Muritiba, vencedor do Prêmio do Público. Ele até começa cinzento e chuvoso, como é a vida do policial curitibano Daniel (Antonio Saboia), afastado por conta de um episódio de violência. Mas seu mundo se abre para o sol e a cor quando, sufocado, decide ir atrás da misteriosa Sara, com quem fala pelo celular, na Bahia. O filme faz questão de manter o suspense sobre ela, porque o encontro vai estilhaçar as certezas de Daniel. Mas o diretor claramente quer dizer com seu melodrama que o encontro é possível, por mais diferentes que sejam a criação, o lugar de origem e a visão de mundo. E que dá para mudar. Com amor e afeto se combate não apenas o ódio, mas também, quem sabe, o vazio, a crise, o trauma. É a esperança.

Estadão
Publicidade
Publicidade