PUBLICIDADE

A decisão 'sem precedentes' do papa Francisco de expulsar cardeal de residência no Vaticano

O cardeal americano faz parte de um setor de clérigos ultraconservadores que se opõem aos planos de Francisco de reformar a Igreja Católica.

30 nov 2023 - 16h02
Compartilhar
Exibir comentários
O cardeal americano Raymond Burke criticou abertamente o papa Francisco
O cardeal americano Raymond Burke criticou abertamente o papa Francisco
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

O papa Francisco decidiu expulsar o cardeal americano Raymond Leo Burke, que é abertamente crítico da sua gestão, da sua residência no Vaticano e cortar seu salário.

Burke faz parte de um grupo de conservadores americanos que há tempos se opõe aos planos do papa de reformar a Igreja Católica.

Uma fonte do Vaticano disse à BBC que o papa Francisco ainda não concretizou o despejo do eclesiástico de 75 anos.

Esta fonte acrescentou que a decisão não pretende ser uma punição pessoal e se baseia na crença de que uma pessoa não deve desfrutar de privilégios cardeais enquanto critica o chefe da Igreja.

'Estabeleça um novo precedente'

O papa Francisco nunca tinha tomado essa medida contra um líder sênior da Igreja
O papa Francisco nunca tinha tomado essa medida contra um líder sênior da Igreja
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Ainda assim, a medida é "sem precedentes na era Francisco", disse Christopher White, um observador do Vaticano que escreve para o jornal americano National Catholic Reporter, à BBC.

"Geralmente, os cardeais aposentados continuam a residir em Roma depois de deixarem o cargo, e muitas vezes permanecem ativos nas liturgias papais e nos deveres cerimoniais", explicou White.

Neste sentido, indicou que "despejar alguém do seu apartamento no Vaticano abre um novo precedente".

White observou que a decisão poderia "provocar uma reação significativa" e aprofundar as divisões entre o Vaticano e a Igreja americana, onde já existe uma "fragmentação".

O cardeal Burke ainda não comentou o assunto. A BBC entrou em contato com seu escritório, mas não houve retorno até a publicação desta reportagem.

O papa revelou a sua intenção de tomar medidas contra o cardeal em uma reunião com os chefes de gabinete do Vaticano na semana passada.

Tensão máxima na Igreja

O Papa mantém um pulso tenso com os eclesiásticos mais radicais
O Papa mantém um pulso tenso com os eclesiásticos mais radicais
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

A frustração de Francisco com os seus detratores americanos, que têm uma visão mais tradicional ou conservadora sobre várias questões, parece estar chegando ao seu auge.

No início deste mês, ele demitiu Joseph Strickland, um bispo conservador do Texas que criticou suas tentativas de levar a Igreja a posições mais progressistas sobre o aborto, os direitos dos transgêneros e o casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A demissão ocorreu após uma investigação da Igreja sobre a gestão da diocese.

Poucos meses antes, o papa informou aos membros da ordem religiosa jesuíta em Portugal que havia "uma atitude muito forte, organizada e reacionária" no braço americando da Igreja, que descreveu como "atrasada", segundo o jornal britânico The Guardian.

As tensões com o cardeal Burke, nomeado pelo papa Bento 16, têm crescido há quase uma década.

"A situação do cardeal Burke parece resultar do seu distanciamento gradual do papa", disse White.

"Aparentemente, o papa percebe que Burke promove um culto à personalidade centrado no tradicionalismo ou em ideias retrógradas. A sua atitude parece ter como objetivo limitar a influência de Burke, cortando seus laços com Roma."

Michael Matt, colunista do jornal católico conservador The Remnant, escreveu que a recente ação contra o cardeal Burke mostra que Francisco está "cancelando prelados fiéis que oferecem cobertura hierárquica aos linha-dura pró-vida, pró-família e pró-tradição".

Ele acusou o pontífice de submeter seus críticos ao "isolamento forçado".

Quem é o cardeal Burke?

Burke representa a facção mais conservadora da Igreja Católica
Burke representa a facção mais conservadora da Igreja Católica
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Raymond Leo Burke é um dos oponentes mais ativos do papa dentro da Igreja Católica.

Seguidor estrito das diretrizes do catolicismo, Burke chegou a dizer ao ex-secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, quando era candidato presidencial, que não poderia receber a comunhão porque já havia expressado seu apoio ao aborto.

O cardeal dedicou grande parte da sua vida ao estudo das leis da Igreja e quer garantir que sejam aplicadas com rigor.

Ele acredita que este papa está brincando perigosamente com a tradição cristã de 2 mil anos e até ameaçou emitir um "ato de correção" contra Francisco.

Seria uma medida muito ousada e extremamente incomum, algo que não acontece há séculos.

O cardeal mora em um grande apartamento perto da praça de São Pedro, em Roma, de onde lidera a sua operação para promover o que chama de "claridade doutrinária".

Os dois entraram em confronto há seis anos por causa da demissão do líder dos Cavaleiros de Malta, uma congregação religiosa do século 11, depois de ter sido descoberto que o ramo de caridade da ordem tinha distribuído preservativos em Mianmar.

Burke juntou-se aos seus pares conservadores na publicação de uma "declaração de verdades" em 2019, que descrevia a Igreja Católica como desorientada e confusa sob a liderança de Francisco, argumentando que a instituição se tinha afastado dos ensinamentos fundamentais sobre divórcio, contracepção, homossexualidade e gênero.

Além disso, discordou da promoção das vacinas contra a covid feita por Francisco.

O papa rebaixou o Cardeal Burke dentro da hierarquia eclesiástica e transferiu-o para posições com menos influência ao longo dos anos.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade