PUBLICIDADE

Quem é o menino da Cidade de Deus que viralizou como modelo

Graças a uma foto, Davi Gonçalves, de 11 anos, ganhou fama e foi contratado por uma marca de roupas infantis

18 fev 2022 - 08h00
Ver comentários
Publicidade
Menino de 11 anos encantou internet após foto viralizar
Menino de 11 anos encantou internet após foto viralizar
Foto: André Melo

Enquanto brincava perto do portão da ONG Nóiz Construindo um Futuro, o olhar marcante de Davi Gonçalves Augusto da Rocha Brito, morador da Cidade de Deus, na zona oeste do Rio de Janeiro, chamou a atenção de André Melo, presidente da instituição. Foi então que, com roupas de um brechó, o fotógrafo Wallace Lima fez as fotos que viralizaram.

Além de sua beleza, o motivo que gerou tanto sucesso nas redes sociais, foi sua expressão. Entre alguns sorrisos, o rosto do menino cedia lugar a um olhar triste que rendeu uma foto muito semelhante ao da menina afegã Sharbat Gula, capa da National Geographic em 1985.

Criança foi 'descoberta' por ONG do Rio de Janeiro
Criança foi 'descoberta' por ONG do Rio de Janeiro
Foto: Wallace Lima

Assim como a menina afegã, David é uma vítima da violência. Órfão desde os 3 anos, ele perdeu o pai assassinado. A esperança de viver em um cenário menos violento, fez sua família abandonar um apartamento do programa Minha Casa Minha Vida, no bairro dos Jesuítas, em Santa Cruz, para viver num barraco de madeira na Cidade de Deus.

A mãe de Davi, Taiane Gonçalves, que trabalha como faxineira, conta que o menino está matriculado no terceiro ano do ensino fundamental, mas que não consegue acompanhar as aulas que ainda acontecem de forma remota por conta da pandemia. Por não ter computador e nem fácil acesso à internet, o menino encontra dificuldades no processo de alfabetização.

Sua timidez não atrapalha em nada sua desenvoltura diante das câmeras. Davi conta que gosta de ser fotografado. O menino, que tem uma irmã de 13 anos e um irmão de 10, revela que seu maior sonho é ter uma casa com piscina e morar com toda sua família, mas antes, gostaria de ter um celular para jogar “jogos de zumbi”.

Hoje, a equipe da ONG Nóiz, onde ele foi descoberto, é quem dá suporte aos primeiros passos de sua carreira. Todos estão muito esperançosos de que muita coisa boa está por vir e que a realidade de Davi e toda sua família vai mudar para melhor.

ANF
Publicidade
Publicidade