PUBLICIDADE

Moradores criam alternativas sustentáveis em favelas do Rio

Iniciativas criativas como Teto Verde e Horta Inteligente têm sido criadas pelos moradores para melhorar a qualidade de vida da população.

21 dez 2021 09h57
| atualizado às 10h00
ver comentários
Publicidade
Crianças em dia de atividade
Crianças em dia de atividade
Foto: Divulgação: Horta Inteligente / ANF

Historicamente as favelas vêm sofrendo com a falta de atenção por parte do poder público, especialmente no que diz respeito à natureza. Para manter os espaços verdes culturalmente preservados por moradores de favelas, iniciativas criativas têm sido criadas ou expandidas, como a Horta Inteligente e o Teto Verde.

Motivada em gerir uma mudança sustentável, Elisângela Bandeira decidiu ser uma agente de transformação local, no Morro da Providência, no Rio de Janeiro. Em 2015 ela participou de uma formação voltada para pessoas com ideias inovadoras, na Agência de Redes para Juventude.

Elisângela com a mão na terra em dia de mutirão
Elisângela com a mão na terra em dia de mutirão
Foto: Divulgação: Horta Inteligente / ANF


Foi no curso que surgiu a Horta Inteligente. Trata-se de uma horta composta de verduras e legumes, e com objetivo de levar o saber ambiental às crianças. Aliando os saberes da natureza à vontade de revitalização dos espaços vazios. A equipe do projeto é formada por mais duas mulheres: Lorena Portela e Alessandra Naturalê. As mobilizadoras estão trabalhando voluntariamente e construindo uma nova sede com recursos próprios. Recentemente, Elisângela Bandeira ganhou o prêmio Edson Luís, da Secretaria de Juventude do Rio de Janeiro, na categoria sustentabilidade. A premiação demonstra o reconhecimento aos jovens que fazem a diferença em territórios. Sobre o futuro do meio ambiente, Elisângela se mostra esperançosa com os resultados positivos da iniciativa. “Eu fico muito feliz porque as crianças dizem que aprenderam sobre o plantio e querem morar numa fazenda. Para nós é muito bom ouvir isso, ganhamos muito”, afirma.  

Nova sede da horta inteligente com plantações a todo vapor
Nova sede da horta inteligente com plantações a todo vapor
Foto: Divulgação: horta inteligente

Respirar e inspirar ares mais sustentáveis

Luís Cassiano Silva, conhecido como Careca Arte, criou o Teto Verde Favela, em 2014. Percebendo que o espaço era disputado por casas e comércios e, em busca de amenizar as fortes temperaturas, de até 40 graus, provocadas pelas mudanças climáticas, seus amigos Everton Carvalho e Bruno Resende sugeriram colocar plantas nas lajes residenciais, a fim de proporcionar algumas áreas verdes ao local "Estudando e pesquisando, cheguei ao teto verde, me interessei porque já fui jardineiro. Quem experimenta ficar embaixo do telhado se surpreende pela diminuição real de temperatura que o telhado proporciona”, garante.

Careca do Arará - Em dias de Sol verde ajuda a diminuir a temperatura
Careca do Arará - Em dias de Sol verde ajuda a diminuir a temperatura
Foto: Divulgação: Teto verde favela / ANF

No Teto Verde Favela, as plantas predominantes são pé de algodão, flores e ervas medicinais. Outra curiosidade é que, no passado, já houve 15 projetos-pilotos para implementação dos telhados em outras favelas. Neste mês, foi realizado o Encontro Ambiental do Arará, evento de educação ambiental que contou com trocas de mudas e sementes. Em 2022, Careca Arte pretende seguir com o sonho de levar mais florestamento para as áreas urbanizadas.

Visão geral do Parque Arará
Visão geral do Parque Arará
Foto: Divulgação: Teto Verde Favela

Visando lidar com o problema climático, foi assinado em 2015 o Acordo de Paris, no qual os governantes brasileiros se comprometeram, à época, em reduzir a emissão de gases do efeito estufa a partir de 2020. Preocupada com a crise climática que assola os continentes, a ambientalista Hannah Cavalcanti opina sobre o tema “creio que a pandemia tenha contribuído para acelerar esse processo de mudança em alguma medida. Não para todo mundo, mas pelo menos para uma parte das pessoas que entendeu o recado de tudo que está acontecendo” e complementa “respeitando a natureza asseguramos um mundo mais verde para as próximas gerações. Erguer a voz para inserção do povo preto e favelado na pauta ambiental são saídas urgentes e eficazes na justiça climática”

 

ANF
Publicidade
Publicidade