PUBLICIDADE

Moradores criticam demora para início da estação Vila Natal

Serviço da estação da linha 9-Esmeralda começa a operar das 4h até meia-noite a partir de maio

30 abr 2022 12h37
| atualizado em 2/5/2022 às 15h20
ver comentários
Publicidade
Plataforma na estação Grajaú indica sentido à Vila Natal @Jessica Bernardo/Agência Mural
Plataforma na estação Grajaú indica sentido à Vila Natal @Jessica Bernardo/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Após oito meses em funcionamento parcial, a estação Bruno Covas/Mendes-Vila Natal, da linha 9-Esmeralda de trens metropolitanos, passará a receber passageiros em horário integral, das 4h até a meia-noite, a partir da segunda quinzena de maio. O anúncio foi feito na quinta-feira (28) pela Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos.

Administrada atualmente pela ViaMobilidade, que assumiu a operação da linha em janeiro deste ano, a estação foi inaugurada ainda em obras, em agosto do ano passado, pelo ex-governador João Doria (PSDB). Desde então, tem funcionado com a chamada operação assistida, que limita a circulação dos trens entre 10h e 15h.

Moradores da Vila Natal, bairro do Grajaú, na zona sul de São Paulo, criticam a longa espera pela extensão do horário. A advogada Kelly Sampaio, 34, é vizinha à estação e conta que o funcionamento integral ajudaria no deslocamento diário do filho, que tem 15 anos e estuda em uma Etec (Escola Técnica Estadual) na Vila Formosa, zona leste da cidade.

"Ele gasta 40 minutos do [terminal] Grajaú até em casa", explica Kelly. Com a estação funcionando em horário integral, o jovem eliminaria esses minutos das 2h40 que leva para chegar ao colégio atualmente.

 

A advogada diz que o transporte público no bairro piorou nos últimos anos, principalmente depois do corte de seis itinerários que atendiam a região. "A gente viu o transporte se degradando. Tínhamos oito linhas e agora só temos duas que não atendem ao bairro em geral", conta.

As linhas citadas pela moradora são a 6057-10 e a 6056-10, que ligam respectivamente a Vila Natal e o bairro vizinho Parque Santa Cecília ao terminal Grajaú, onde também fica a estação de trem.

Linha de ônibus 6057-10 vai em direção ao terminal Grajaú @Jessica Bernardo/Agência Mural
Linha de ônibus 6057-10 vai em direção ao terminal Grajaú @Jessica Bernardo/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Ambos os coletivos são motivos de reclamação para quem vive na região. A reportagem da Agência Mural visitou o bairro e conversou com moradores em um ponto de ônibus. Todos os entrevistados criticaram a lotação e disseram que frequentemente precisam esperar vários veículos para conseguir embarcar.

Marcelo Francisco, 38, trabalha próximo ao terminal Grajaú e conta que a demora para conseguir entrar nos ônibus faz com que ele frequentemente se atrase para o trabalho. "Acho que deveria aumentar mais a frota da cooperativa", diz.

Bibiana Souza, 29, trabalha em uma ONG em Parelheiros, no extremo sul, e também espera bastante para seguir viagem. "Espero quatro ônibus [para conseguir entrar]", conta. Ela acredita que, quando a nova estação estiver funcionando em horário integral, a lotação será menor. "A maioria vai para o terminal Grajaú, então poderia pegar [o trem] aqui".

 

Antônia Costa, 59, conta que a extensão do horário da estação vai representar uma melhora importante na mobilidade da região aos finais de semana, quando os ônibus têm intervalos de até 25 minutos.

"Você espera e o ônibus não vem. Aí acaba procurando um Uber porque não tem como chegar", explica ela, que já optou por pagar pelo transporte de aplicativo depois de esperar o ônibus durante vários minutos.

Ônibus lotados são motivo de reclamação em bairro que ainda não tem estação funcionando em horário integral @Jessica Bernardo/Agência Mural
Ônibus lotados são motivo de reclamação em bairro que ainda não tem estação funcionando em horário integral @Jessica Bernardo/Agência Mural
Foto: Agência Mural

Em nota, a SPTrans diz que monitora diariamente o deslocamento dos passageiros de ônibus na cidade com o objetivo de realizar eventuais ajustes, caso seja constatada a necessidade. Afirmou ainda que a equipe de fiscalização foi acionada e, caso haja alguma irregularidade nas linhas, serão tomadas "ações pertinentes" junto à empresa responsável.

A Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos não respondeu aos questionamentos da reportagem sobre o motivo da estação ter demorado tantos meses para sair da operação assistida.

Foto: Jessica Bernardo/Agência Mural / Agência Mural

 

Agência Mural
Publicidade
Publicidade