PUBLICIDADE

Escolas de samba temem não conseguir viabilizar Carnaval

Agremiações do chamado carnaval de rua, que desfilavam na Vila Esperança e no Butantã, tiveram evento migrado para o Autódromo de Interlagos

20 abr 2022 05h00
ver comentários
Publicidade
Príncipe Negro unirá comemoração do aniversário da escola com a apresentação em Interlagos
Príncipe Negro unirá comemoração do aniversário da escola com a apresentação em Interlagos
Foto: Carlos Ronchi/Reprodução

Escolas de samba do carnaval de rua de São Paulo, que desfilavam nos bairros da Vila Esperança e do Butantã, nas zonas leste e oeste da cidade, temem não ter público e nem sambistas suficientes para as apresentações deste mês no Autódromo de Interlagos, na região sul.

Previstos para acontecer entre os dias 20 e 24 de abril, os desfiles das agremiações vinculadas à UESP (União das Escolas de Samba Paulistanas) tiveram o local alterado depois que a Prefeitura cancelou o carnaval nas ruas da capital paulista por causa da pandemia de Covid-19.

Com as mudanças, agremiações da zona leste da cidade têm enfrentado uma série de desafios para viabilizar o carnaval, como a falta de integrantes disponíveis para o desfile.

Na Combinados de Sapopemba, o presidente Bel Calado, 60, tem oferecido R$ 20 para quem aceitar empurrar os carros alegóricos da escola no dia do evento. “Não temos gente nem para isso. Precisamos de 26 pessoas para os dois carros”, conta o sambista.

O presidente Bel Calado define o desfile de carnaval em abril como ‘atípico’
O presidente Bel Calado define o desfile de carnaval em abril como ‘atípico’
Foto: Jessica Bernardo/Agência Mural

A dificuldade em encontrar participantes para o desfile, segundo ele, é causada principalmente pela distância entre Sapopemba e o Autódromo de Interlagos, que fica na outra ponta da cidade, a quase 30 km da quadra da escola.

Além disso, o próprio adiamento da festa atrapalhou o calendário de quem costumava participar do evento: “É um carnaval atípico”, comenta o presidente. 

Pelas regras do carnaval, as escolas precisam ter um número mínimo de integrantes para não perder pontos durante o desfile. No caso da Combinados de Sapopemba, que faz parte do Grupo Especial dos Bairros da UESP, é preciso ter pelo menos 450 pessoas participando da apresentação.

Mais ao leste da cidade, o presidente da Unidos de Guaianases, Wiliam Gelmeti Sales, 38, também tem tido dificuldade para conseguir o número certo de sambistas. Ele diz que parte da comunidade ainda sente receio de participar da festa. “O povo ainda está com um pé atrás de sair no carnaval”, explica.

Durante a pandemia, alguns membros da escola foram vítimas da Covid-19. “Perdemos alguns integrantes, inclusive o meu tio, que foi presidente da escola”, diz Sales. Os casos de coronavírus assustaram alas como a das baianas, que agora têm medo de desfilar. 

Unidos de Guaianases também enfrenta dificuldades para encontrar o número mínimo de sambistas
Unidos de Guaianases também enfrenta dificuldades para encontrar o número mínimo de sambistas
Foto: Daniel Amorim/Reprodução

Para atingir o número mínimo de sambistas, a agremiação tem contado com a ajuda de outras escolas, que estão enviando integrantes para compor as alas da Unidos de Guaianases. “Na nossa bateria tem pessoal da São Miguel, da Santa Bárbara…”, conta.

A distância entre as agremiações e o Autódromo têm gerado também o temor de que não haja público para acompanhar o trabalho que foi desenvolvido a duras penas durante os meses de pandemia. Em 2021, os desfiles foram cancelados por causa do coronavírus.

Gleicy Kethleen Vieira, 28, presidenta da escola Príncipe Negro, de Cidade Tiradentes, no extremo leste, considera difícil a participação do público da região no evento. “Dificilmente o público da zona leste vai se locomover até o Autódromo para assistir ao desfile. [A mudança de local] acaba prejudicando quem acompanha o carnaval de rua”.

Para engajar o público no desfile, a Príncipe Negro vai comemorar o aniversário da escola, que foi no último dia 28 de março, na mesma data a apresentação em Interlagos. A ideia é que o público se reúna durante a tarde e depois siga junto aos integrantes para o evento. 

O Autódromo já foi sede dos desfiles da UESP em outros anos, mas, segundo Gleicy, a experiência não foi das melhores. “Entre a dispersão e o lugar da concentração é um percurso bem grande”, lembra a sambista.

O transporte dos carros alegóricos até o local também se torna mais complexo para as comunidades. Na Combinados de Sapopemba, a diretoria está fazendo uma vaquinha para reunir os valores necessários para pagar o carreto. “São R$ 1.500 para cada carro, só de ida. R$ 6 mil no total [para os dois carros]”, afirma o presidente da agremiação.

A despesa extra chega num período em que as escolas estão com os caixas vazios. Desde 2017, a Prefeitura não atualiza os valores pagos às agremiações que são ligadas à UESP. O presidente da entidade, Alexandre Magno, conhecido como Nenê, diz que o cancelamento do carnaval de 2021 piorou a situação, gerando um rombo nas contas das escolas. 

“O carnaval está com um rombo gigantesco no seu festejo. Isso vai impactar em 2022, 2023, e pra frente também”, explica Nenê. Ele diz que a Prefeitura se comprometeu a estudar uma solução para o problema.

Desfiles de carnaval estão previstos para os dias 20 e 24 de abril
Desfiles de carnaval estão previstos para os dias 20 e 24 de abril
Foto: Daniel Amorim/Reprodução

Veja a data dos desfiles para cada escola da UESP

20/4 (quarta-feira) – Grupo Especial de Bairros

Abertura – Afoxé Omo Odé

1º TUP
2º Unidos de São Miguel
3º Boêmios da Vila
4º Unidos de Guaianases
5º Imperatriz da Sul
6º União Imperial
7º Acadêmicos de São Jorge
8º Unidos do Vale Encantado
9º Imperatriz da Paulicéia
10º Flor de Vila Dalila
11º Combinados de Sapopemba
12º União Ind. da Zona Sul

21/4 (quinta-feira) – Blocos Especiais e Acesso de Blocos de Fantasia

1º Caprichosos da Zona Sul
2º União da Trindade
3º Unidos do Guaraú
4º Não Empurra Que É Pior
5º Unidos do Palmares
6º Mocidade Amazonense
7º Kacike da Vila
8º Pavilhão 9
9º Chorões da Tia Gê
10º Mocidade Independente da Zona Leste
11º Vovó Bolão
12º Inajar de Souza
13º Garotos da Vila
14º Unidos do Pé Grande
15º Caprichosos do Piqueri
16º Imperatriz do Jaraguá

22/4 (sexta-feira) – Grupo de Acesso de Bairros 1

1º Lavapés Pirata Negro
2º Prova de Fogo
3º Mocidade Robruense
4º Império Lapeano
5º Os Bambas
6º Raízes do Samba
7º Em Cima da Hora Paulistana
8º União da Vila Albertina
9º Isso Memo
10º Flor de Liz
11º Príncipe Negro
12º Unidos de São Lucas

23/4 (sábado) – Grupo de Acesso de Bairros 3 

1º Penha
2º Acadêmicos do Butantã
3º Imperial da Vila Penteado
4º Raízes da Vila Prudente
5º Primeira da Aclimação
6º Unidos do Jaçanã
7º Império do Samba
8º Acadêmicos do Campo Limpo
9º Estrela Cadente
10º Folha Verde
11º Unidos do Jardim Primavera
12º Locomotiva Piritubana
13º Filhos da Santa
14º Iracema Meu Grande Amor

Dia 24/4 (domingo) – Grupo de Acesso de Bairros 2

1º Filhos do Zaire
2º Acadêmicos do Ipiranga
3º Explosão da Zona Norte
4º Saudosa Maloca
5º Só Vou Se Você For
6º Estação Invernada
7º Passo de Ouro
8º Cacique do Parque
9º Império Real
10º Cabeções da Vila Prudente
11º Dragões da Vila Alpina

Agência Mural
Publicidade
Publicidade