PUBLICIDADE

Detector de plágio: saiba como verificar trabalhos acadêmicos

Serviços disponíveis na internet e para download permitem ao usuário buscar por frases que poderiam ser acusadas de cópia; entenda quais são confiáveis e como eles funcionam

8 out 2020 - 17h25
(atualizado às 18h49)
Compartilhar
Exibir comentários

Muitas vezes, ao se escrever um trabalho acadêmico, é difícil saber quando a citação ou referência utilizada pode se transformar em cópia da criação de outra pessoa, incorrendo em plágio - que é considerado um crime de direito autoral no Brasil.

Nesta semana, um possível caso de plágio envolvendo a dissertação de mestrado de Kassio Nunes Marques, indicado do presidente Jair Bolsonaro a uma futura vaga no Supremo Tribunal Federal (STF), reacendeu essa preocupação entre os estudantes. Mas a tecnologia pode dar uma mãozinha para quem não quer ser acusado de nada: diversos sites e softwares oferecem por aí uma ferramenta de detector de plágio.

Mas o que é mesmo considerado plágio?

Segundo a lei de direito autoral vigente no Brasil hoje, é considerado plágio:

- Citar, no texto, o trabalho de outra pessoa, sem citar a fonte;

- Parafrasear o trabalho escrito por outra pessoa, alterando algumas das palavras

- Usar as ideias de outra pessoa sem fazer a devida referência ao autor

- Copiar e colar um texto da internet e apresentar como se fosse seu

Como funcionam esses serviços de detecção de plágio?

A maioria dos serviços está disponível em sites online ou em softwares que podem ser baixados para computador. A maioria deles tem um sistema de funcionamento bem simples: a partir de um texto selecionado pelo usuário, eles vasculham a internet e repositórios de arquivos para entender se o mesmo texto já foi escrito antes.

É um sistema que serve principalmente para detectar o primeiro caso de plágio citado acima, com cópia exata das palavras. Para conseguir captar paráfrases ou raciocínios parecidos, é necessário um sistema de aprendizado de máquina e processamento de linguagem, capaz de compreender construções similares e sinônimos - o que é bem mais avançado e demanda muito mais processamento.

Dá para confiar nesses serviços de detecção de plágio?

Se a sua intenção é verificar se um trabalho foi copiado diretamente da internet ou se ele cita a obra de algum artigo anteriormente publicado, esses softwares dão conta do recado.

Já se a ideia é entender se houve paráfrase ou utilização de ideias de outra pessoa - o famoso "copia, mas não faz igual" -, é preciso checar as especificidades de cada serviço.

Detectores de plágio gratuitos

Plagiarisma.net

Com suporte a mais de 190 idiomas, o Plagiarisma.net permite ao usuário colar o texto, uma URL ou um arquivo a partir do Google Drive para checar se ele comete plágio na rede. É gratuito e suporta não só arquivos de texto, como também arquivos de planilha e apresentação, além de epub, formato usado para e-books.

Plagium

O Plagium é um site gratuito que vasculha a internet em busca de trechos parecidos ao trabalho original. Tem resultados instantâneos e traz como diferencial uma linha do tempo, que permite saber quando cada cópia foi publicada na rede.

CopySpider

Criado no Brasil, o programa gratuito tem um sistema simples e pode ser utilizado tanto em português como no inglês. O CopySpider permite ainda ao usuário escolher o nível de rigor que deseja executar em sua busca.

Detectores de plágio pagos

Check for Plagiarism.net

Disponível na internet, o sistema pago do Check for Plagiarism.net tem a capacidade de verificar múltiplos arquivos e fazer uma varredura não só na internet, mas também em artigos científicos, revistas e jornais, que muitas vezes têm acesso pago. Precisa de cadastro.

Turn It In

Uma das plataformas mais populares para trabalhos acadêmicos, o Turn It In utiliza uma base de 60 bilhões de sites, 600 milhões de trabalhos escolares e 150 milhões de artigos científicos para fazer suas comparações. Está disponível em português e também funciona em celulares e tablets, mas é pago.

AntiPlagiarist & AntiCutandPaste

Desenvolvidos pela mesma empresa, os dois serviços permitem a checagem de cópia de diversas formas. O primeiro serve mais para trabalhos acadêmicos e permite a checagem de vários documentos ao mesmo tempo - em formatos como Word, PDF, HTML e RTF. Já o segundo serve para checar trechos em que código de programação foi copiado, colado e alterado, para linguagens como C++, Java, Visual Basic, Delphi, entre outras. Os dois podem ser baixados para Windows e Linus e tem testes gratuitos. A versão paga do AntiPlagiarist custa US$ 10; a do AntiCutandPast, US$ 20.

Estadão
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade