PUBLICIDADE

Cientistas revelam mistério por trás de múmia de 2 mil anos: "Sacrifício humano"

Pesquisadores averiguaram que mulher foi morta com uma facada no pescoço e com danos em uma costela, possivelmente em ritual de sacrifício

21 mai 2024 - 15h51
(atualizado às 16h15)
Compartilhar
Exibir comentários
Pesquisadores da Bournemouth University  descobriram restos mortais de possível vítima de sacrifício humano no Reino Unido
Pesquisadores da Bournemouth University descobriram restos mortais de possível vítima de sacrifício humano no Reino Unido
Foto: Divulgação/Bournemouth University

Os restos mortais de uma mulher podem ajudar arqueólogos a desvendarem um mistério ocorrido na Idade do Ferro no Reino Unido. Após analisar a múmia, os pesquisadores averiguaram que a mulher foi morta com uma facada no pescoço e também com danos em uma costela, possivelmente por um ritual de sacrifício humano. 

A equipe da Universidade de Bournemouth está examinando os restos mortais da mulher, de 20 anos, encontrado durante escavações de um assentamento pré-histórico que remonta há 2.000 anos em Winterborne Kingston, no centro de Dorset, no Sudoeste do Reino Unido. 

A jovem foi encontrada deitada de bruços em cima de um estranho arranjo de ossos de animais em forma de meia-lua, no fundo de um poço, características que indicam que ela foi morta como parte de uma oferenda.

 “A análise sugere que ela tinha quase 20 anos quando morreu e viveu uma vida fisicamente exigente e trabalhadora", disse um porta-voz da universidade em comunicado.

De acordo com o estudo, publicado no Antiquities Journal, os arqueólogos também descobriram que ela tinha ligações musculares bem desenvolvidas e robustas, o que, segundo os pesquisadores, era outro sinal de atividade física rigorosa e contínua.

As fraturas em uma de suas costelas, possivelmente infligidas por meio de violência, ocorreram semanas antes de ela ser morta por uma facada no pescoço.

A combinação de fatores no estudo sugere que esta é uma evidência física rara de que o sacrifício humano ocorreu na Idade do Ferro na Grã-Bretanha.

“Nos outros enterros que encontramos, as pessoas falecidas parecem ter sido cuidadosamente posicionadas na cova e tratadas com respeito, mas esta pobre mulher não o fez. 'Também já encontramos potes de cerâmica e restos de carne ao lado de restos humanos, que acreditamos serem oferendas para a vida após a morte. Isso não foi nada disso", afirmou Martin Smith, professor de antropologia forense e biológica em comunicado.

Agora, cientistas estão realizando análises de DNA para determinar se a mulher foi levada para o assentamento como uma pessoa de fora, vinda de outra comunidade.

“Todos os fatos significativos que descobrimos, como os problemas de coluna, sua difícil vida profissional, o ferimento grave em sua costela, o fato de que ela poderia ter vindo de outro lugar e a maneira como foi enterrada poderiam ser explicados”, disse Smith.

“Mas quando você junta todos os fatos com seu corpo virado para baixo sobre uma plataforma de osso de animal, a conclusão mais plausível é que ela foi vítima de um ritual de assassinato". 

Fonte: Redação Byte
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade