PUBLICIDADE

Morcegos com órgãos íntimos gigantes acasalam por até 12h sem parar

Em vez de inserir o órgão nas fêmeas, os machos o usam para afastar a "bainha" da cauda de sua parceira e pressionar o corpo dela

24 nov 2023 - 14h31
(atualizado em 30/11/2023 às 14h59)
Compartilhar
Exibir comentários

Cientistas recentemente descobriram que uma espécie de morcego com um órgão genital masculino "desproporcionalmente grande", de forma que não chega a caber no corpo das fêmeas, é o único mamífero conhecido por acasalar sem penetração, algo incomum em mamíferos.

Para driblar esse empecilho, o morcego-hortelão-escuro (Eptesicus serotinus) desenvolveu uma estratégia diferente. Em vez de inserir o órgão nas fêmeas, os machos o usam para afastar a "bainha" da cauda de sua parceira e pressionar o corpo dela por até 12 horas. 

Acasalamento sem precedentes

Em comunicado compartilhado, o autor principal do estudo, Nicolas Fasel, da Universidade de Lausanne, falou mais sobre sua descoberta. "Observamos que esses morcegos têm órgãos desproporcionalmente longos e sempre nos perguntamos 'como isso funciona?'", comentou. A realidade é que o tamanho absurdo da genital justamente faz com que o acasalamento por cópula não funcione.

Os membros masculinos dos morcegos são sete vezes mais longos e mais largos do que as aberturas dos órgãos das fêmeas quando eretos. Isso impossibilita completamente qualquer tentativa de acasalamento pelo mesmo método que outros mamíferos realizam. "Pensamos que talvez fosse como no cachorro, onde o órgão se enche após a cópula, de modo que eles ficam presos juntos", disse Fasel. 

Contudo, Fasel e seus colegas analisaram imagens de câmeras que colocaram em uma grade onde os morcegos podiam escalar e onde a genitália dos animais era visível durante o ato de reprodução. Ao todo, eles registraram um total de 97 eventos de acasalamento no sótão de uma igreja holandesa e em um centro de reabilitação de morcegos na Ucrânia. Nenhuma das sessões parecia envolver entrada do órgão masculino. 

Descoberta única

Em vez do tradicional meio de acasalamento, as imagens coletadas pelos pesquisadores mostram os morcegos machos agarrando as fêmeas pela nunca e movendo a pélvis até que o membro ereto fosse pressionado firmemente contra o de sua parceira. Os machos permaneceram completamente imóveis nesse "abraço do acasalamento" por uma média de 53 minutos, com a interação mais longa durante quase 13 horas.

Os pesquisadores também notaram que os membros masculinos aumentavam antes de entrar em contato com os femininos, excluindo a possibilidade de inserção até mesmo antes da ereção — como ocorre com os cães. A equipe também mediu e descreveu os membros eretos dos morcegos-hortelões-escuros vivos. Esses animais desenvolveram ereções sob anestesia, o que permitiu aos investigadores documentar um inchaço "em forma de coração" na ponta do órgão genital.

Na visão dos cientistas, é possível que esses morcegos tenham desenvolvido membros desse tamanho para poder afastar uma membrana que cobre os órgãos genitais das fêmeas. O pelo do abdômen das fêmeas também parecia molhado após o acasalamento, indicando a presença de sêmen. No entanto, novas amostras serão necessárias para confirmar que os machos ejaculam durante o longo abraço.

Essa é a primeira evidência documentada de acasalamento sem penetração em mamíferos, o que foi apelidado de "acasalamento por contato". Esse comportamento já havia sido descrito antes em pássaros, mas costuma envolver machos e fêmeas pressionando as cloacas.

Mega Curioso
Compartilhar
Publicidade
Publicidade