PUBLICIDADE

Brilho do Sol pode esconder asteroides 'assassinos de planetas'

20 nov 2023 - 18h31
Compartilhar
Exibir comentários

Em uma manhã aparentemente normal de fevereiro de 2013, Chelyabinsk, na Rússia, se tornou o epicentro de um evento astronômico extraordinário. Um meteoro, com a dimensão de um caminhão em movimento, apareceu no céu, obscurecendo o sol por um breve instante e provocando uma explosão de energia que superou em 30 vezes a bomba de Hiroshima.

Este evento, felizmente sem vítimas mortais, partiu janelas em toda a cidade e feriu mais de 1.600 pessoas. Já o meteoro, que ficou conhecido como meteoro de Chelyabinské considerado o maior objeto espacial natural a penetrar em nossa atmosfera em mais de um século.

A ameaça invisível vinda de cima

O meteoro de Chelyabinsk acendeu um alerta na comunidade científica, sobre os possíveis asteroides que podem estar escondidos em nosso Sistema Solar.
meteoro de Chelyabinsk
meteoro de Chelyabinsk
Foto: Tecmundo

Após o ocorrido na Rússia, as agências espaciais intensificaram os seus esforços para mapear o cosmos, buscando identificar objetos próximos à Terra (NEOs). A Agência Espacial Europeia (ESA) estima que objetos do tamanho do meteoro de Chelyabinsk rompem a atmosfera a cada meio século ou mais.

Embora tenhamos identificado mais de 33.000 NEOs, nenhum representa atualmente uma ameaça para o próximo século. No entanto, o verdadeiro perigo reside no desconhecido - os inúmeros asteroides em trajetórias ocultas, capazes de destruir toda a cidade ou mesmo de extinção em massa.

Amy Mainzer, professora de ciências planetárias e investigadora principal das missões de caça a asteroides da NASA, enfatizou a importância da consciência: "O objeto mais problemático é aquele que você não conhece". A identificação destes objetos permite não só o cálculo do risco, mas também o desenvolvimento de planos de contingência, incluindo desvio ou evacuação, para evitar vítimas em massa.

Infográfico explicando o real perigo dos asteroides.
Infográfico explicando o real perigo dos asteroides.
Foto:  ESA  / Tecmundo

A busca pela detecção

Encontrar asteroides próximos do Sol é desafiante. Os telescópios terrestres têm limitações devido ao brilho solar e às breves janelas crepusculares disponíveis para a observação. Os telescópios espaciais têm um desempenho melhor, pois podem usar imagens infravermelhas para detectar o calor dos asteroides, tornando-os visíveis até mesmo no escuro.

O NEO Surveyor da NASA e o NEOMIR da ESA serão lançados em uma década, equipados com imagens infravermelhas e projetados para procurar asteroides nas proximidades do Sol. Estas missões prometem melhorar a nossa defesa planetária, potencialmente detectando até pequenos objetos como o meteoro de Chelyabinsk bem antes do impacto.

Atualmente a NASA conhece mais de 33.000 NEOs, mas a região ao redor do Sol ainda é um grande mistério.
Animação Asteroides
Animação Asteroides
Foto: Tecmundo

Enquanto aguardamos, os astrônomos utilizam métodos terrestres, esforçando-se para descobrir os perigos ocultos do Sol. Apesar dos desafios, o otimismo permanece elevado à medida que cada nova descoberta acrescenta uma peça ao quebra-cabeça da dinâmica complexa do nosso sistema solar. Mainzer incentiva a vigilância e a exploração adicional: "Vá procurar. Faça uma pesquisa melhor e você poderá reduzir bastante a incerteza".

O incidente de Chelyabinsk serve como um lembrete do nosso lugar no cosmos: um mundo não isolado do universo mais vasto, mas profundamente interligado e ocasionalmente à mercê dos seus gigantes errantes.

Mantenha-se atualizado sobre as últimas descobertas da astronomia aqui no TecMundo. Se desejar, aproveite para ver também sobre o estudo da NASA a respeito da natureza metálica do asteroide Psyche.

Tecmundo
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade