Monte seu e-commerce e divulgue sua marca no Terra

Novo ministro da Saúde defende "isolamento estratégico"

17 abr 2020 12h10
| atualizado às 12h16
Compartilhar

Anunciado nesta quinta-feira como o novo ministro da Saúde, em substituição a Luiz Henrique Mandetta, Nelson Luiz Sperle Teich é formado em Medicina pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), especialista em oncologia pelo Instituto Nacional do Câncer e fez curso em Ciências e Economia da Saúde pela Universidade de York, no Reino Unido. Fundou e presidiu o Grupo Clínicas Oncológicas Integradas (COI) entre 1990 e 2018. Foi consultor da área de saúde da campanha de Bolsonaro à Presidência, em 2018, e chegou a ser cotado ao Ministério da Saúde à época. Atualmente, é sócio da Teich Health Care, uma consultoria de serviços médicos.

Nelson Teich, novo ministro da Saúde 16/04/2020 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Segundo seu perfil no LinkedIn, atuou como conselheiro e consultor da secretaria atualmente comandada por Denizar Vianna, a de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde. Os dois já foram sócios e têm relação de proximidade. Ontem, ao se despedir do cargo, Mandetta sugeriu que Vianna poderia até compor a próxima gestão da pasta. Ele não mencionou o nome de Teich, mas afirmou que o oncologista é um bom pesquisador, embora não conheça o SUS.

Publicidade

O novo ministro tem apoio da Associação Médica Brasileira e mantém boa relação com empresários do setor da saúde. A expectativa é de que ele apresente dados que destravem debates considerados politizados sobre a covid-19.

Em artigo publicado no LinkedIn, o médico critica a "polarização" entre a saúde e a economia e defende a necessidade de projeções sobre o coronavírus "levar em consideração o impacto de uma crise econômica nos níveis de saúde e mortalidade da população". "Esse tipo de problema é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas. A situação foi conduzida de uma forma inadequada, como se tivéssemos que fazer escolhas entre pessoas e dinheiro, entre pacientes e empresas."

Teich já criticou o isolamento vertical, modelo defendido por Bolsonaro em que apenas pessoas no grupo de risco são colocadas em quarentena. "Sendo real a informação que a maioria das transmissões acontecem a partir de pessoas sem sintomas, se deixarmos as pessoas com maior risco de morte pela covid-19 em casa e liberarmos aqueles com menor risco para o trabalho, com o passar do tempo teríamos pessoas assintomáticas transmitindo a doença para as famílias", escreveu.

Tecnologia

Publicidade

Em artigo, defendeu o isolamento horizontal como a "melhor estratégia no momento" no combate à pandemia. "Diante da falta de informações detalhadas e completas do comportamento, da morbidade e da letalidade da covid-19, e com a possibilidade do Sistema de Saúde não ser capaz de absorver a demanda crescente de pacientes, a opção pelo isolamento horizontal, onde toda a população que não executa atividades essenciais precisa seguir medidas de distanciamento social, é a melhor estratégia no momento."

Ele ressalta, no entanto, que nenhum dos modelos seria o ideal e defende um "isolamento estratégico", com uso de sistema de geolocalização para monitoramento de aglomerações. "Estamos falando aqui do uso de testes em massa para covid-19 e de estratégias de rastreamento e monitorização, algo que poderia ser rapidamente feito com o auxílio das operadoras de telefonia celular", afirmou. Nesta semana, no entanto, Bolsonaro vetou o uso de geolocalização para identificar situações de risco.

Teich já mencionou a cloroquina como esperança no tratamento do coronavírus, mas não se posiciona sobre a forma como ela deve ser usada.

'Escolhas'

Publicidade

Em um vídeo divulgado pelo Oncologia Brasil em 17 de abril de 2019, Nelson Teich afirmou que, na gestão do sistema de atendimentos, é preciso fazer escolhas. Como exemplo, questionou em quem vale investir: uma idosa com doença crônica ou um jovem que tem "a vida inteira pela frente". "Como você tem o dinheiro limitado, você vai ter de fazer escolhas. Tenho uma pessoa mais idosa, que tem doença crônica, avançada. E ela tem uma complicação. Para ela melhorar, eu vou gastar praticamente o mesmo dinheiro que vou gastar para investir num adolescente que está com problemas. Mesmo dinheiro que vou investir. É igual. Só que essa pessoa é um adolescente, que tem a vida inteira pela frente. A outra é uma idosa, que pode estar no final da vida. Qual vai ser a escolha?", disse, sem concluir. O vídeo foi replicado ontem nas redes sociais, após a confirmação de Teich no Ministério da Saúde. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Está gostando da notícia? Fique por dentro das principais notícias
Ativar notificações