+ 1.000 cursos online para você ser tudo o que quiser.

Mercados europeus recuam com temores sobre vírus chinês mas confiança na Alemanha alivia perdas

21 jan 2020 14h35 - atualizado às 15h02
Compartilhar
comentários

As ações europeias caíram nesta terça-feira em meio a preocupações sobre um novo surto de coronavírus originário da China, embora notícias positivas sobre a moral dos negócios e o alívio das tensões comerciais transatlânticas tenham elevado os mercados de suas mínimas.

Bolsa de Valores de Frankfurt, Alemanha 21/01/2020 REUTERS/Staff
Foto: Reuters

A crescente ameaça de infecção, à medida que milhões viajam para o feriado do Ano Novo Lunar, lembrou aos investidores as consequências econômicas da crise da Sars em 2003, que matou quase 800 pessoas e levou a uma recessão em Hong Kong.

publicidade

O índice FTSEurofirst 300 caiu 0,16%, a 1.655 pontos, enquanto o índice pan-europeu STOXX 600 perdeu 0,14%, a 423 pontos. O STOXX chegou a cair 1% mais cedo na sessão antes de dados positivos sobre o sentimento empresarial da Alemanha e o diálogo comercial entre os EUA e a França ajudarem a compensar algumas das perdas.

"A reação nos mercados sugere que os temores do vírus não serão necessariamente a história principal ... não o suficiente para que boas notícias sejam divulgadas e não ajudem a reduzir as perdas", disse Connor Campbell, analista da Spreadex.

Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,53%, a 7.610 pontos.

Em FRANKFURT, o índice DAX subiu 0,05%, a 13.555 pontos.

publicidade

Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,54%, a 6.045 pontos.

Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 0,65%, a 23.845 pontos.

Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,49%, a 9.611 pontos.

Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 0,52%, a 5.276 pontos.

publicidade

Veja também:

Video Player
BC corta Selic para 3% ao ano
Fique por dentro das principais notícias
Receba notificações
Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade
Veja também
Últimas notícias