PUBLICIDADE

O que diabéticos podem comer

O controle da dieta é imprescindível para quem vive com diabetes, pois a escolha dos alimentos influencia os níveis de glicose no sangue.

16 fev 2024 - 14h25
(atualizado em 5/3/2024 às 16h10)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto:

Fundamentos da alimentação para diabéticos

Uma dieta balanceada é fundamental para diabéticos, já que envolve a ingestão adequada de carboidratos, proteínas e gorduras. A distribuição equitativa de calorias ao longo do dia também é uma prática recomendada. Veja outras dicas.

Os carboidratos devem ser monitorados, pois são convertidos em glicose, afetando os níveis de açúcar no sangue. Optar por carboidratos complexos é uma estratégia comum. Além disso, a atenção às porções é essencial. Controlar a quantidade de alimentos ingeridos ajuda a evitar picos de glicose. Saiba mais:

  • A escolha de alimentos integrais em detrimento dos processados é aconselhada, pois eles geralmente contêm mais fibras e nutrientes essenciais.
  • Além da glicose, é importante monitorar outros nutrientes, como sódio e gorduras saturadas, para manter uma dieta geralmente saudável.
  • Compreender e gerenciar os índices glicêmicos dos alimentos colabora para a escolha de opções que não causem picos bruscos de glicose.
  • A individualidade é chave: as necessidades dietéticas podem variar de pessoa para pessoa, dependendo do tipo de diabetes, idade, peso e outros fatores.
  • Em paralelo, a educação contínua sobre nutrição tem grande relevância, permitindo que os diabéticos tomem decisões informadas sobre sua dieta.
  • O apoio de profissionais de saúde e nutricionistas é de enorme valor para personalizar planos alimentares, considerando as particularidades de cada indivíduo.
  • A integração da dieta com outros aspectos do estilo de vida, como exercícios regulares, apoia o gerenciamento eficaz da diabetes.
  • Manter-se hidratado também é algo muito valioso. É que a desidratação pode afetar negativamente os níveis de glicose.

Controle de carboidratos: quantidade e tipos que os diabéticos podem incluir nas refeições.

Educar-se sobre a resposta do corpo a diferentes tipos de carboidrato permite que os diabéticos adaptem suas escolhas alimentares com informação. O equilíbrio entre carboidratos, proteínas e gorduras auxilia na criação de refeições que forneçam energia sustentada sem causar picos de glicose. Conheça outras orientações:

Diabéticos devem estar cientes da quantidade de carboidratos consumidos, pois eles têm um impacto direto nos níveis de glicose no sangue. Além disso, é aconselhável optar por carboidratos complexos, como grãos integrais, legumes e vegetais, uma vez que eles são digeridos mais lentamente, evitando picos de glicose.

A contagem de carboidratos é uma técnica comum, na qual os diabéticos monitoram a quantidade de carboidratos ingeridos em cada refeição para manter o controle glicêmico. Distribuir os carboidratos ao longo do dia, em vez de consumi-los em uma única refeição, evita variações bruscas nos níveis de açúcar no sangue.

Escolher fontes de carboidratos ricas em fibras é algo benéfico, pois a fibra retarda a absorção de glicose e contribui para a saúde digestiva. Já a atenção aos índices glicêmicos dos alimentos é de enorme relevância; alimentos com baixo índice glicêmico são digeridos mais lentamente, mantendo a glicose estável.

Uma estratégia comum para controlar a glicose é evitar carboidratos refinados, como açúcares adicionados e produtos feitos com farinha branca. Outro ponto é que o monitoramento regular dos níveis de glicose após as refeições ajuda a entender como diferentes carboidratos afetam o corpo individualmente.

Proteínas adequadas para a dieta diabética

A escolha de cortes magros de carne vermelha, como lombo ou filé, reduz a ingestão de gordura saturada, benéfica para a saúde cardiovascular. Incorporar proteínas magras em todas as refeições e lanches favorece a distribuição equilibrada de nutrientes ao longo do dia. Vamos ver mais informações relevantes:

  • Incluir proteínas magras na dieta diabética beneficia a saúde geral, ao auxiliar a manutenção dos tecidos e a regulação do açúcar no sangue.
  • Fontes de proteínas magras incluem carnes de peito de frango e peixe, por exemplo, além de ovos, leguminosas e laticínios com baixo teor de gordura.
  • Em paralelo, a quantidade diária de proteína necessária pode variar de pessoa para pessoa, dependendo de fatores como idade, peso, nível de atividade e condições médicas específicas.
  • Proteínas magras são uma opção preferencial, já que mantêm a saciedade sem adicionar excesso de gordura saturada à dieta.
  • A combinação de proteínas com carboidratos complexos em uma refeição pode colaborar para um aumento mais lento nos níveis de glicose.
  • Peixes ricos em ômega-3, como salmão e truta, são excelentes escolhas de proteínas para diabéticos, devido aos benefícios anti-inflamatórios e cardiovasculares.
  • A variação nas fontes de proteínas é um aspecto que garante a diversidade de nutrientes essenciais presentes em diferentes alimentos.
  • O controle das porções de proteínas também é crucial, evitando excessos que possam impactar indiretamente os níveis de glicose.

Gorduras saudáveis para diabéticos numa dieta equilibrada

Em geral, alimentos processados contêm gorduras trans; por isso, limitar o consumo desses itens contribui para uma dieta mais saudável. A dica é  moderação: embora as gorduras saudáveis sejam benéficas, o equilíbrio com outros nutrientes auxilia a criação de uma dieta diabética bem-sucedida. Saiba mais:

É preciso entender que nem todas as gorduras são iguais; algumas são essenciais para a nossa saúde e devem fazer parte da dieta diabética. As chamadas gorduras saudáveis incluem ácidos graxos insaturados, substâncias encontradas em abacates, nozes, sementes e azeite de oliva, por exemplo.

O ideal é o consumo moderado de gorduras saturadas, com a preferência por opções magras, como carnes brancas, peixes e laticínios com baixo teor de gordura. Ácidos graxos ômega-3, encontrados em peixes gordurosos como o salmão, são bons para a saúde cardiovascular e podem ter efeitos anti-inflamatórios.

Da mesma forma, a limitação de gorduras trans, encontradas em alimentos processados, é considerada um aspecto essencial, pois elas estão associadas a um maior risco de doenças cardíacas. Em contrapartida, a integração de abacates na dieta oferece gorduras saudáveis, fibras e uma série de nutrientes essenciais.

De acordo com nutricionistas, nozes e sementes, como amêndoas e chia, são excelentes fontes de gorduras saudáveis, proporcionando saciedade e nutrientes adicionais. Cozinhar com azeite de oliva extravirgem é uma escolha saudável, pois contém antioxidantes e ácidos graxos monoinsaturados.

O papel das fibras para controlar os níveis de glicose e promover a saúde digestiva

A melhor atitude é consultar um nutricionista para orientação sobre a quantidade ideal de fibras na dieta, para considerar as necessidades individuais. A conscientização sobre o valor das fibras na dieta diabética é vital para promover escolhas alimentares saudáveis e um estilo de vida equilibrado. Veja outras diretrizes:

  • Existem dois tipos principais de fibras: solúveis e insolúveis. As solúveis, encontradas em aveia, maçãs e leguminosas, formam um gel no trato digestivo, retardando a absorção de glicose.
  • As fibras insolúveis, presentes em vegetais de folhas verdes, grãos integrais e cascas de frutas, contribuem para a saúde do intestino, facilitando o movimento dos alimentos pelo sistema digestivo.
  • As fibras têm função importante na dieta diabética, pois colaboram para o controle dos níveis de glicose e promovem uma boa saúde digestiva.
  • A ingestão adequada de fibras está associada a uma redução do risco de doenças cardíacas, algo crítico para os diabéticos, que têm um risco aumentado.
  • As fibras auxiliam no controle do peso, proporcionando saciedade e reduzindo a absorção de calorias.
  • A inclusão de alimentos ricos em fibras na dieta diabética favorece a manutenção dos níveis glicêmicos estáveis após as refeições.
  • Dar preferência por grãos integrais em vez de refinados é uma maneira eficaz de aumentar a ingestão de fibras na dieta.
  • Frutas como morango, framboesa e pera, ricas em fibras, são opções saudáveis para diabéticos.
Foto:

Frutas com baixo índice glicêmico e moderação na ingestão

A diversidade na seleção de frutas permite que os diabéticos desfrutem de uma ampla gama de nutrientes essenciais. Uma vez mais, o equilíbrio é a chave; ao incorporar frutas na dieta, os diabéticos podem desfrutar de suas propriedades nutritivas sem comprometer o controle glicêmico. Vamos entender isso em detalhes:

Segundo especialistas, o consumo de frutas é possível para diabéticos, desde que seja feito com consciência e considerando o índice glicêmico. Por exemplo, frutas com baixo índice glicêmico, como maçã, pera, cereja e morango, devem ter preferência, pois causam uma elevação mais gradual nos níveis de glicose.

Moderar a ingestão de frutas mais ricas em açúcar, como uva e banana, é relevante para evitar picos repentinos de glicose. Mas atenção - controle as porções de frutas, pois mesmo frutas com baixo índice glicêmico podem afetar os níveis de açúcar no sangue quando consumidas em excesso.

Optar por frutas inteiras em vez de sucos é melhor. Isso porque as fibras das frutas inteiras ajudam a regular a absorção de glicose. Combinações de frutas com proteínas magras ou gorduras saudáveis são benéficas para controlar o impacto glicêmico das frutas.

O abacate é uma excelente escolha para diabéticos devido ao seu baixo teor de carboidratos e alto teor de gorduras saudáveis. Outra recomendação é optar por frutas frescas em vez de enlatadas ou processadas para evitar adição de açúcares extras.

Inclusão de uma variedade de vegetais ricos em nutrientes na dieta diabética

Há que se ter conscientização sobre as porções; embora os vegetais sejam nutritivos, o controle calórico ainda é importante para a gestão do peso. Procure incorporar  vegetais em várias refeições ao longo do dia para atender às necessidades nutricionais e manter a saciedade. Conheça outros exemplos:

  • A inclusão de uma variedade de vegetais na dieta diabética garante a ingestão de nutrientes essenciais e promove a saúde geral.
  • Vegetais de folhas verdes, como espinafre e couve, são ricos em fibras, vitaminas e minerais, proporcionando benefícios para o controle glicêmico.
  • Vegetais de diversas cores indicam uma variedade de antioxidantes e fitoquímicos, essenciais para a saúde e para a prevenção de doenças.
  • Vegetais crucíferos, como brócolis e couve-flor, são excelentes escolhas devido ao seu baixo teor de carboidratos e alto teor de fibras.
  • Controlar a quantidade de amido em vegetais como batatas e cenouras também é de grande importância, considerando seu impacto nos níveis de glicose.
  • Métodos saudáveis de preparo, como vapor, grelhado ou assado, preservam os nutrientes dos vegetais sem adição excessiva de gordura.
  • Escolher vegetais frescos em vez de enlatados ou processados ajuda a evitar a adição de sódio e açúcares desnecessários.
  • Comer vegetais como entrada é um jeito de controlar a ingestão total de calorias, promovendo um peso saudável.

Dicas para organizar refeições balanceadas ao longo do dia para manter os níveis de glicose estáveis

O foco na qualidade dos alimentos, além das quantidades, é um fator de destaque para uma dieta diabética bem-sucedida. Planejar antecipadamente as refeições evita decisões alimentares impulsivas e leva a escolhas mais saudáveis e consistentes ao longo do tempo. Veja mais orientações:

Planejar as refeições é relevante para diabéticos, já que permite o controle cuidadoso dos alimentos consumidos e a manutenção dos níveis de glicose. Por exemplo, dividir as refeições em porções menores e mais frequentes ao longo do dia evita picos de glicose após as refeições.

Incluir vários tipos de alimento, como proteínas magras, vegetais, carboidratos complexos e gorduras saudáveis, garante uma ingestão equilibrada de nutrientes. A escolha de alimentos com baixo índice glicêmico colabora para uma liberação mais gradual de glicose, promovendo a estabilidade glicêmica.

Comer devagar e saborear os alimentos ajuda na regulação da ingestão calórica e na percepção da saciedade. O registro alimentar pode ser útil, permitindo que os diabéticos monitorem a ingestão de alimentos, ajustem as porções conforme necessário e identifiquem padrões.

Comer lanches saudáveis entre as refeições principais contribui para a manutenção dos níveis de glicose estáveis e evita a fome excessiva. Leve em consideração o tempo de exercício em relação às refeições para otimizar o controle glicêmico antes, durante e após a atividade física.

Snacks saudáveis para diabéticos: opções de lanches que atendem às necessidades nutricionais

Smoothies feitos com vegetais de folhas verdes, frutas com baixo índice glicêmico e proteína em pó são opções rápidas e nutritivas. Aqui, a moderação também é o pulo do gato; mesmo em snacks saudáveis, o controle das porções é evita excessos calóricos e impactos nos níveis de glicose. Veja outras recomendações:

  • Lanches ricos em fibras, como cenouras ou aipo com homus, são uma escolha inteligente, proporcionando saciedade e controle glicêmico.
  • Nozes e sementes são excelentes snacks devido ao seu teor de gorduras saudáveis e proteínas, oferecendo uma opção energética e nutritiva.
  • Frutas com baixo índice glicêmico, como maçã ou pera, podem ser combinadas com uma pequena porção de proteína magra, como queijo cottage.
  • Iogurte grego sem açúcar é rico em proteínas e pode ser combinado com frutas ou nozes para um lanche equilibrado.
  • Uma mistura caseira, contendo nozes, sementes e frutas secas com moderação, oferece uma combinação de nutrientes.
  • Palitos de vegetais com guacamole proporcionam uma dose de fibras, gorduras saudáveis e uma variedade de nutrientes essenciais.
  • Abacate fatiado e temperado com um pouco de sal e pimenta é uma opção saborosa e nutritiva para satisfazer a fome.
  • Combinar legumes crus, como tomate-cereja, pepino e pimentão com molho de iogurte grego vira um snack refrescante.
Foto: Envato Elements

Importância da consulta médica e nutricional para pessoas com diabetes

A criação de metas realistas e alcançáveis, com o apoio profissional, amplia a motivação dos pacientes. Com isso, eles mantêm uma abordagem consistente no manejo da diabetes. Consultas são oportunidades valiosas para fortalecer a parceria entre profissionais de saúde e pacientes. Veja outras informações úteis:

A orientação profissional, tanto de médicos quanto de nutricionistas, desempenha uma função central no manejo da diabetes, garantindo abordagens personalizadas. Cada pessoa com diabetes é única, e a consulta médica é fundamental para entender as particularidades da condição de saúde e suas implicações na dieta.

Um médico especializado em diabetes pode avaliar fatores como a gravidade da condição e a presença de complicações, por exemplo, adaptando o tratamento se necessário. A consulta regular ajuda a monitorar os níveis de glicose, avaliar a eficácia do tratamento e fazer ajustes conforme as mudanças na saúde do paciente.

A colaboração entre médicos e nutricionistas apoia a criação de um tratamento abrangente, considerando a gestão da diabetes e as necessidades nutricionais individuais. O nutricionista é vital na adaptação da dieta à condição diabética, fornecendo orientações específicas sobre escolhas alimentares e porções.

A avaliação regular dos hábitos alimentares, preferências e restrições individuais permite ao nutricionista ajustar o plano alimentar para garantir a adesão e o sucesso a longo prazo. A consulta nutricional é uma oportunidade para discutir a ingestão de nutrientes, como fibras, proteínas e gorduras, e como isso afeta a gestão da diabetes.

Fontes:
American Diabetes Association (ADA). Warning Signs and Symptoms. Disponível em: <https://diabetes.org/about-diabetes/warning-signs-symptoms>. Acesso em: 30.nov.2023.
Centers for Disease Control and Prevention (CDC). Diabetes Basics. Disponível em: <https://www.cdc.gov/diabetes/basics/index.html>. Acesso em: 30.nov.2023.
Harvard T.H. Chan School of Public Health. The Nutrition Source - Diabetes. Disponível em: <https://www.hsph.harvard.edu/nutritionsource/disease-prevention/diabetes-prevention/>. Acesso em: 30.nov.2023.
Mayo Clinic. Diabetes - overview. Disponível em: <https://www.mayoclinic.org/diseases-conditions/diabetes/symptoms-causes/syc-20371444>. Acesso em: 30.nov.2023.
National Institute of Diabetes and Digestive and Kidney Diseases (NIDDK). When and Diabetes. Disponível em: <https://www.niddk.nih.gov/health-information/diabetes>. Acesso em: 30.nov.2023.
Fonte: Conteúdo Urbano
Compartilhar
Publicidade
Publicidade