PUBLICIDADE

Dicas para esquiar em Chapelco, na Argentina

Eleita duas vezes a melhor da Argentina, a estação de Chapelco recebe bem praticantes assíduos de esqui e snowboard

11 jul 2018 10h00
| atualizado às 12h26
ver comentários
Publicidade

As ruas estreitas de San Martín de los Andes, cobertas de um branco meio encardido de tanto ser pisoteado, logo cedo ficam lotadas de jovens que carregam seus esquis e pranchas de snowboard. Reunidos em cafés, hotéis e pousadas, eles pouco a pouco deixam o povoado e rumam para a montanha. Durante todo o dia a cidade segue um ritmo pacato até que, no fim da tarde, renova seus ares com o agito dos que retornam depois de horas deslizando sobre a neve.

Mirante Arrayanes em San Martín de los Andes
Mirante Arrayanes em San Martín de los Andes
Foto: Efraín Dávila/Le Mot Comunicaciones

Eleita duas vezes a melhor da Argentina pelo prêmio anual World Ski Awards (em 2015 e 2016), a estação de Chapelco recebe bem praticantes assíduos de esqui e snowboard. Para esta temporada, a renovação total do Snowpark é a principal novidade. Mas não deixa os iniciantes na mão. Há escola com instrutores que arriscam o portunhol para ajudar nos primeiros passos (mínimo de 3 aulas em grupo, 3.710 pesos ou R$ 518).

Aprender a andar com as botas de esqui parece ser a parte mais difícil. Me aventurei em uma das aulas e, depois de duas horas de tombos, consegui descer por 12 vezes a pista base, que fica a 1.600 metros de altitude e estava lotada de crianças. Muitas delas passavam por mim bem rápido.

Outras 27 pistas se espalham pela montanha, metade delas classificadas como de nível fácil e médio. São 13 meios de elevação e três itinerários fora de pista.

Em Chapelco também é possível fazer passeios de trenó puxado por cachorros. O trajeto de 3 quilômetros percorre um bosque que margeia a montanha, com pausas para descanso dos animais e, claro, fotos. A estação tem pistas em meio a lengas, árvores típicas da Patagônia.

FOME

Conforme a tarde chega, os esportistas seguem para o Antu Lauquen, o aconchegante restaurante na pista base. O local fica lotado e serve refeições em esquema de bufê, além de alguns pratos à la carte. O "bandejão" custa cerca de R$ 50.

Os mais jovens preferem o bar na entrada da estação. Num clima de happy hour, bebem cervejas e compartilham vídeos das descidas que fizeram. Quase todos levam câmeras no capacete.

San Martín de Los Andes. A estrada que leva de volta à cidade base de San Martín de Los Andes fica cheia depois do fechamento das pistas e, por ser sinuosa, o retorno é feito bem devagar — um merecido momento de descanso. Mas a calmaria termina ao avançarmos pelo centro da cidade. Bares e restaurantes ficam cheios e a noite gelada não espanta ninguém.

O comércio se concentra na Avenida San Martín e nas ruas General Roca e General Villegas. Lojas vendem ou alugam equipamentos para esqui e snowboard. Atenção: por causa do risco de transmissão de doenças oculares, várias delas têm restrições quanto ao aluguel dos óculos especiais para esportes na neve. É um item que vale a pena comprar — nem pense em encarar a neve sem eles, mesmo nos dias nublados.

Perto do Lago Lácar há bons restaurantes para o jantar. O La Costa del Pueblo tem jeitão simples e ótimo atendimento. Parrilla (churrasco) é o carro-chefe, mas também serve truta, peixe abundante nos lagos gelados. A refeição sai por cerca de R$ 60 por pessoa.

Tire um fim de tarde para conhecer a casa de chá Arráyan (Circuito Arrayán, km 4; abre das 16 às 20 horas), com uma das vistas mais bonitas da região. A casa-sede foi construída pela inglesa Renée Dickinson, que se apaixonou pela paisagem e foi viver nas terras geladas da Patagônia. Quando morreu, em 1943, suas cinzas foram espalhadas no jardim.

SAIBA MAIS

Temporada: até 30 de setembro.

Como chegar: Aerolíneas Argentinas operam 18 voos semanais entre San Martín de Los Andes e Buenos Aires.

Passes de esqui: o passe diário custa de 1.330 a 1.660 pesos (R$ 185 a R$ 230).

Aluguel de equipamentos: 660 a 980 (R$ 92 a R$ 136) pesos o equipamento completo de esqui ou snowboard. Os valores não incluem as roupas impermeáveis.

Veja também:

Estátua de Messi é derrubada na Argentina:

 

Estadão
Publicidade
Publicidade