PUBLICIDADE

Você está cuidando dos seus rins? Pois deveria - veja como fazer isso

Dificilmente as pessoas notam problemas nesse par de órgãos até que um problema já esteja instalado, alerta especialista

29 mai 2024 - 14h39
Compartilhar
Exibir comentários

Quando falamos em manter nossos órgãos saudáveis, o coração e o cérebro recebem toda a atenção, por razões óbvias. No entanto, os rins também demandam a mesma consideração.

O par de órgãos, localizado de cada lado da coluna, logo abaixo da caixa torácica, desempenha muitas funções essenciais. Eles direcionam o sangue através de um sistema de filtragem complexo que remove toxinas e equilibra os níveis de líquidos, sal e outros minerais. Os rins também ajudam a regular a pressão arterial e auxiliam na produção de células vermelhas do sangue.

O problema de saúde número um para os rins é a doença renal crônica (DRC), um declínio irreversível na função renal. Na DRC, os rins sofrem danos suficientes ao longo do tempo que têm dificuldade em realizar todos os seus trabalhos essenciais. Pessoas com DRC avançada precisam que uma máquina filtre seu sangue (um tratamento chamado diálise) ou recebam um transplante de rim.

"Infelizmente, as pessoas não notam nenhum sinal de problema com seus rins até que a DRC já tenha ocorrido", diz o nefrologista J. Kevin Tucker, afiliado a Harvard no Brigham and Women's Faulkner Hospital.

A proteína é realmente ruim para os seus rins?

Resta uma preocupação persistente de que consumir muita proteína é ruim para os rins e aumenta o risco de desenvolver ou piorar a doença renal crônica (DRC). A ideia é que quantidades altas sobrecarregam os rins, levando a danos permanentes.

No entanto, isso pode ser um dilema para pessoas mais velhas, que precisam de proteína extra para ajudar a gerenciar a perda muscular relacionada à idade. Então, qual é a evidência? "Essa é uma área de alguma controvérsia", afirma Tucker.

"Não há evidências fortes de que pessoas sem DRC ou aquelas com doença leve devam restringir proteína. Pode haver situações especiais em pessoas com DRC muito avançada, para as quais a restrição de proteína pode ser benéfica. Pacientes com DRC precisam ter essa discussão com seu nefrologista".

Diagnosticando a doença

Verificar os rins é especialmente importante para pessoas com diabetes ou pressão arterial alta. Em pessoas com diabetes, muito glicose no sangue danifica os filtros dos rins. Já a pressão arterial alta pode ferir os vasos sanguíneos do órgão.

A DRC é diagnosticada quando um teste de sangue mostra um nível elevado de creatinina (um subproduto do metabolismo dentro do tecido muscular) ou um teste de urina revela uma grande quantidade de uma proteína chamada albumina. O nível de creatinina no sangue é usado para calcular a taxa de filtração glomerular (TFG), que reflete quão bem os rins filtram o sangue. À medida que a DRC piora, o nível de creatinina sobe e a TFG, diminui. Em muitas pessoas com diabetes ou pressão arterial alta, o teste de albumina na urina se torna anormal mesmo antes de a TFG começar a declinar.

Se você tem diabetes ou pressão arterial alta, seu médico deve testar anualmente a função renal. Caso contrário, não há recomendação geral para rastreamento de doenças renais. "Se você está em risco de diabetes, pressão arterial alta ou doença cardíaca, ou se você tem um histórico familiar de insuficiência renal, converse com seu prestador de cuidados de saúde sobre a frequência com que você deve ser testado", orienta Tucker.

Desacelerando o declínio

Uma vez confirmada a DRC, você não pode reverter o dano, mas a medicação pode desacelerar a taxa de declínio do rim. "O objetivo com a DRC é viver com função renal reduzida por muito tempo, para que você evite precisar de diálise ou substituição renal", informa Tucker.

As duas classes de medicamentos usadas para tratar a DRC são os inibidores da ECA e os bloqueadores dos receptores de angiotensina (BRAs). Eles ajudam a relaxar os vasos sanguíneos nos rins, o que melhora sua função. Os medicamentos também retardam o dano aos pequenos filtros nos rins e desencorajam a proteína de vazar para a urina. Mais recentemente, uma classe de medicamentos inicialmente projetada para tratar diabetes, chamada inibidores de SGLT-2, foi encontrada para ajudar a prevenir danos renais, mesmo em pessoas sem diabetes.

Proteja seus rins

Segundo Tucker, não há ingrediente secreto para evitar a DRC além de uma vida saudável. "Se você mantiver bons níveis de açúcar no sangue e pressão arterial e melhorar sua saúde cardiovascular, você preserva sua saúde renal", diz. Isso se traduz em perder peso excessivo, reduzir a ingestão de sódio, adotar uma dieta à base de plantas e fazer pelo menos 150 minutos de exercício de intensidade moderada por semana. Esses outros comportamentos de estilo de vida também podem reduzir seu risco:

  • Limite a ingestão de álcool: não tome mais de uma bebida por dia. O consumo excessivo regular de álcool aumenta o risco de pressão alta, contribui para o ganho de peso e faz os rins trabalharem mais.
  • Mantenha-se hidratado: obter fluidos suficientes diariamente ajuda os rins a eliminar toxinas do corpo. Em geral, a maioria das pessoas saudáveis deve mirar em cerca de 15 copos de líquidos diariamente, o que inclui água pura e bebidas como chá, café e suco, e alimentos que contêm altas quantidades de água, como frutas, vegetais e sopas.
  • Limite os analgésicos de venda livre: Tomar doses altas de anti-inflamatórios não esteroides, como ibuprofeno e naproxeno, pode causar danos renais e piorar a DRC existente. "Use esses medicamentos com parcimônia", diz Tucker. "Se você precisa tomá-los todos os dias, consulte seu médico".

©Copyright 2024 by Harvard University. Para mais informações, acesse: https://www.health.harvard.edu/

Distribuído por The New York Times Licensing Group

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade