10 eventos ao vivo

Senado votará projeto para destravar compra de vacinas da Pfizer e Janssen

Parlamentares ampliam protagonismo após meses de negativas do presidente Jair Bolsonaro em relação aos imunizantes contra a covid-19

22 fev 2021
15h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

BRASÍLIA - Após meses de negativas do presidente Jair Bolsonaro à compra de vacinas contra covid-19 que exigem cláusulas "abusivas", na leitura do governo federal, como da Pfizer e Janssen, o Senado assumiu a discussão com os laboratórios e deve votar mudanças na legislação para destravar esses contratos.

O presidente da Casa, Rodrigo Pacheco, reuniu-se nesta segunda-feira, 22, com representantes das duas empresas. Após a reunião, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse que será elaborado e votado um projeto de lei para destravar essas compras. Pacheco também deve sugerir mudanças ao parecer da Câmara sobre a MP 1026/2021, para inserir artigo que facilitaria as compras.

Desde meados de 2020, o governo negocia a compra desses imunizantes, mas trava principalmente na cobrança das farmacêuticas de que a União assuma riscos e custos de efeitos colaterais dos produtos. Como revelou o Estadão, um artigo para destravar justamente essas compras chegou a ser sugerido pelo Ministério da Saúde em discussões para elaboração da MP 1.026/2021, mas foi excluído da versão final do texto, publicada em janeiro.

O presidente do Senado deve ainda se reunir com o ministro Eduardo Pazuello nesta tarde para tratar das vacinas. Pressionado, o Ministério da Saúde divulgou nota do domingo, 21, afirmando que pediu "orientação" à Casa Civil sobre os contratos com a Pfizer e Janssen.

Durante a reunião com senadores, um representante da Pfizer disse que só Brasil, Argentina e Venezuela negaram acordo com o laboratório por rejeitarem exigências feitas pelo laboratório.

Pacheco deve sugerir que a Câmara acrescente no parecer sobre a MP 1.026/21 um artigo com a mesma redação que foi excluída pelo governo da versão final da medida. O relator da Câmara, Pedro Westphalen (PP-RS), porém, já recusou uma emenda em seu parecer com este conteúdo, afirmando que a mudança poderia criar aumento de despesa, pois a União arcaria com condenações por efeitos colaterais da vacina.

O Senado também deve votar um projeto para criar, entre outros pontos, uma espécie de tribunal de arbitragem para discutir eventuais questionamentos sobre efeitos colaterais das vacinas. A ideia é tentar resolver na esfera administrativa esses processos e evitar a judicialização. O projeto seria um complemento à emenda sugerida na MP.

A resistência do governo à compra da vacina da Pfizer foi tornada pública por Bolsonaro e pelo ministro Pazuello. Em nota de 23 de janeiro, a Saúde disse que comprar esta vacina seria uma conquista de "marketing, branding e growth" para a Pfizer, mas causaria "frustração em todos os brasileiros", porque a oferta de doses seria pequena - o laboratório chegou a oferecer 70 milhões de vacinas, com entrega a partir de dezembro de 2020 -. Já Bolsonaro, no fim do ano passado, ironizou as condições impostas pelo laboratório. "Lá no contrato da Pfizer está bem claro: 'Não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral. Se você virar um jacaré, é problema de você'", disse o mandatário.

A reunião desta segunda-feira também foi acompanhada pelo Sindusfarma e a Interfarma, que representa os principais laboratórios nacionais e multinacionais que atuam no País. Presidente do Sindusfarma, Nelson Mussolini disse que "ficou claro" na reunião que Pfizer e Janssen não estão impondo cláusulas ao Brasil diferentes daquelas exigidas no resto do mundo. "Empresas transnacionais que negociam com vários países precisam padronizar contratos para evitar riscos futuros", disse.

Veja também:

Mitos e Verdades Sobre o Dente de Leite
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade