PUBLICIDADE

Qual é a forma mais segura de fazer um aborto até a 22ª de gestação? 

A Organização Mundial da Saúde recomenda e descriminalização total e oferece planilha com orientações sobre a realização de um aborto seguro

20 jun 2024 - 13h06
(atualizado às 13h08)
Compartilhar
Exibir comentários
Diretriz da OMS apresenta o conjunto completo de todas as recomendações e declarações de melhores práticas relacionadas com o aborto
Diretriz da OMS apresenta o conjunto completo de todas as recomendações e declarações de melhores práticas relacionadas com o aborto
Foto: Unsplash

A segurança nos procedimentos de aborto é uma preocupação central para a saúde pública, especialmente em casos onde a interrupção da gravidez é considerada até a 22ª semana de gestação. 

Uma diretriz da Organização Mundial da Saúde (OMS) de 2022 apresenta o conjunto completo de todas as recomendações e declarações de melhores práticas da OMS relacionadas com o aborto.

A OMS recomenda ainda a descriminalização total do aborto, e desaconselha leis e regulamentações que restrinjam seu acesso. Atualmente, o aborto no Brasil é crime, com três exceções:

  • Vítimas de estupro;
  • Quando há risco de vida à mulher;
  • Anencefalia do feto (ausência ou má formação do sistema cerebral). 

Aborto seguro

A OMS diz que o aborto medicamentoso, a partir da combinação de Misoprostol, também conhecido como Cytotec, e Mifepristona, é um método seguro e eficaz, que pode ser realizado em unidade de saúde ou autoadministrado seguindo as orientações adequadas.

De acordo com o manual da OMS, o Misoprostol pode ser tomado com segurança até 23 semanas de gestação, depois disso não há dados suficientes. A quantidade de remédio varia de acordo com o tempo de gestação e nem toda mulher pode fazer o uso. 

O Mifepristone é administrado primeiro, ele bloqueará os hormônios necessários para sustentar a gravidez. Após 24 horas, é usado o Misoprostol, provocando contrações no útero, ajudando a expulsar a gravidez do corpo. 

Em caso de indisponibilidade da Mifepristona, a organização indica somente o uso de Misoprostol e recomenda que ele seja feito de maneira sublingual ou vaginal. 

  • O sublingual é feito colocando os comprimidos debaixo da língua e esperando 30 minutos para engolir. 
  • O vaginal é feito com a inserção do comprimido no fundo do canal vaginal e esperando 30 minutos deitada. 

É importante destacar que o medicamento pode levar até quatro dias para se dissolver no canal vaginal, portanto, pode ser encontrado em casos de exames hospitalares posteriores. 

Dosagens de Misoprostol que a OMS recomenda

Até 12 semanas de gestação

  • Via sublingual: Até 3 doses de 800 microgramas de 3h em 3h.
  • Via vaginal: Até 3 doses de 800 microgramas de 3h em 3h.

De 12 a 23 semanas de gestação

  • Via sublingual: Até 5 doses de 400 microgramas de 3h em 3h.
  • Via vaginal: Até 5 doses de 400 microgramas de 3h em 3h.

Como saber se funcionou?

De acordo com o Women on Web, organização que auxilia gestantes a abortar com segurança, a hemorragia é, muitas vezes, o primeiro sinal de que o aborto começou.

Após utilizar Misoprostol, deve-se esperar um sangramento e câimbras. A hemorragia inicia-se, geralmente, dentro de quatro horas após tomados os comprimidos, mas pode começar mais tarde. 

A hemorragia é geralmente mais forte do que uma menstruação normal e nela podem aparecer coágulos. Quanto mais a gestação tiver desenvolvido, mais fortes serão as câimbras e a hemorragia. 

Se o aborto for completo, a hemorragia e as câimbras diminuirão. O momento exato do aborto pode ser identificado por um pico de intensidade na perda de sangue, de dor e de câimbras.

A Women on Web ainda diz que normalmente, o sangramento continuará de forma mais leve durante uma ou três semanas após o aborto, mas esse período pode variar. A menstruação normal volta geralmente ao fim de quatro a seis semanas.

Também é recomendado fazer um teste de gravidez três semanas depois do aborto para confirmar se a gravidez foi interrompida.

Sudeste e Nordeste lideram em procedimentos ligados a abortos legais no SUS Sudeste e Nordeste lideram em procedimentos ligados a abortos legais no SUS

Sintomas comuns

De acordo com o Women on Web, os medicamentos utilizados para o aborto medicinal provocam normalmente efeitos secundários como dor e câimbras, assim como hemorragia acompanhada da passagem de coágulos e tecido. Eles também podem provocar náuseas, vômitos, diarreia, dor de cabeça, tonturas e/ou febre.

“A maioria das mulheres sente dor e câimbras durante o aborto, particularmente depois de usar o Misoprostol. Na maioria dos estudos científicos sobre o tema, as mulheres descrevem a dor como apenas um pouco mais forte que as dores que sentem durante o período menstrual normal. Geralmente estes efeitos secundários desaparecem naturalmente e não requerem atenção médica”, diz a Women on Web. 

O Ibuprofeno pode ser usado para aliviar dores ou cólicas. Também pode ser usado paracetamol, Tylenol (acetaminofeno) ou a aspirina (ácido acetilsalicílico). Anti-espasmódicos como Buscopan não podem ser usados, pois podem interferir no processo de aborto.

Contraindicações

Não é recomendado o uso dos medicamentos se:

  • O primeiro dia do seu último período menstrual tiver ocorrido há mais de 10 semanas;
  • Tiver alergia ao Mifepristone, ao Misoprostol ou às prostaglandinas;
  • For portadora de: falha crônica das glândulas adrenais, doenças ou desordens hemorrágicas, porfirias hereditárias;
  • Tiver um dispositivo intra-uterino (DIU). Ele deve ser removido antes da utilização dos medicamentos;
  • Tiver uma gravidez ectópica (uma gravidez que ocorre fora do colo do útero);
  • Não conseguir chegar a um hospital ou centro de primeiros-socorros no espaço de uma hora;
  • Estiver sozinha. É importante estar com uma pessoa de confiança para acompanhar a utilização dos medicamentos.
Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade