PUBLICIDADE

Pianista adolescente tem mãos e pés amputados após sintomas semelhantes à gripe

Doença provocou grave reação imunológica em jovem; família pede doações

14 set 2023 - 11h07
(atualizado às 16h32)
Compartilhar
Exibir comentários
Mathias Uribe, de 14 anos, teve complicação rara após sintomas de gripe
Mathias Uribe, de 14 anos, teve complicação rara após sintomas de gripe
Foto: Reprodução

Um pianista de 14 anos teve as mãos e pés amputados depois de contrair uma doença semelhante à gripe, que provocou uma reação imunológica que pode ser mortal. O caso aconteceu no Tennessee, nos Estados Unidos. A família de Mathias Uribe agora arrecada doações para pagar as despesas médicas.

Mathias começou a ter sintomas semelhantes a um resfriado comum em junho deste ano, e em poucas semanas, precisou ser hospitalizado em emergência.

No hospital, o garoto foi diagnosticado com a síndrome do choque tóxico, de acordo com informações do jornal americano New York Post. O problema acontece quando infecções liberam toxinas na corrente sanguínea.

Os pulmões de Mathias começaram a falhar, e ele foi colocado em uma máquina de suporte à vida, mas o corpo dele teve dificuldades para bombear o sangue. Isso fez com que a pele das mãos e pés ficasse necrosada, e os médicos precisaram amputar os quatro membros.

A mãe do jovem pianista, Catalina Uribe, disse que é "muito difícil" ver vídeos do filho correndo e tocando piano, mas que se sente grata pela vida do garoto.

A pediatra que chefia a equipe de cuidado de Mathias afirmou que o caso é extremamente raro, e que, às vezes, quando há uma gripe, é possível que ocorra uma infecção bacteriana. Mesmo assim, ela explicou que "a maioria das crianças não fica tão doente quanto" Mathias, que sofreu de síndrome do choque tóxico estreptocócico.

Zolpidem: entenda efeito do remédio que viciou Geraldo Luís e Fernando Zor Zolpidem: entenda efeito do remédio que viciou Geraldo Luís e Fernando Zor

Qual é a causa?

A doença é causada pela bactéria estreptococo do grupo A, que geralmente é encontrada na garganta e na pele, e costuma ser benigna. No entanto, quando o sistema imunológico de alguém já está enfraquecido por uma infecção, é possível que a pessoa esteja mais vulnerável a bactérias relativamente inofensivas.

Em 30 de junho, Mathias teve uma parada cardíaca, e foi levado de helicóptero para um hospital, que tinha a máquina de suporte à vida. Depois de 20 dias sendo submetido a tratamentos intensivos, os médicos informaram que a amputação seria necessária.

Quando alguém possui sepse, a inflamação faz com que o sangue coagule e se torne espesso, dificultando a circulação pelo corpo, tornando necessária a amputação dos membros comprometidos. Como os nutrientes não conseguem chegar aos tecidos, eles começam a morrer.

O tecido necrosado deve ser removido para evitar a propagação da infecção, e se a área gangrenosa for pequena, o cirurgião pode conseguir remover apenas o que for necessário. 

Em 21 de julho, porém, a equipe médica de Mathias amputou sua perna esquerda logo abaixo do joelho. Quatro dias depois, foi a perna direita. Já em 1º de agosto, as mãos foram removidas.

A sepse é considerada uma emergência médica, e é chamada por especialistas de "assassino silencioso". Ela acontece pela reação extrema do corpo a uma infecção, e ocorre quando químicos usados no sangue para combater uma infecção causam inflamação em todo o corpo. A reação em cadeia pode levar à falência dos órgãos.

Mathias passou por mais de 12 cirurgias, e ainda tem algumas pela frente, segundo o New York Post. Ele deve continuar hospitalizado por tempo indeterminado. A família pede ajuda para arcar com as despesas médicas e o custo das próteses. Ainda há esperança que Mathias possa voltar a tocar piano e praticar esportes.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade