PUBLICIDADE

Idoso de 101 anos revela seus segredos para a longevidade; especialistas comentam

Dieta mediterrânea e exercícios com foco nas pernas podem ajudar na busca pela longevidade

22 mar 2024 - 13h19
(atualizado às 13h19)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
O empresário I. Roy Cohen, de 101 anos, revelou que seguia uma dieta mediterrânea e praticava exercícios físicos para manter-se saudável. Os especialistas recomendam exercícios para as pernas e braços, além da dieta mediterrânea rica em alimentos vegetais, frutas, grãos integrais, azeite de oliva, queijo e iogurte, carne, peixe, etc.
I. Roy Cohen, de 101 anos, compartilhou os segredos da sua longevidade
I. Roy Cohen, de 101 anos, compartilhou os segredos da sua longevidade
Foto: Reprodução/Business Insider

O empresário americano aposentado I. Roy Cohen, de 101 anos, chamou a atenção daqueles que buscam por longevidade após revelar em entrevista ao jornal Business Insider que seu único problema de saúde foi relacionado à próstata.

O novaiorquino também disse que seu segredo para passar dos 100 anos com disposição é seguir uma dieta mediterrânea, hábito alimentar popular entre milionários e bilionários, e praticar regularmente exercícios físicos que envolvam principalmente as pernas.

8 benefícios da dieta mediterrânea para a saúde 8 benefícios da dieta mediterrânea para a saúde

O Terra conversou com três especialistas para entender como os hábitos de Cohen podem ter ajudado a chegar aos 101 anos com saúde e vitalidade.

Exercícios físicos e massa muscular

O médico ortopedista Daniel Oliveira, diretor do Núcleo de Ortopedia e Traumatologia de Belo Horizonte, explica que os exercícios para as pernas trazem vários benefícios para a manutenção da saúde musculoesquelética em idosos.  

“Estes benefícios incluem o fortalecimento dos músculos inferiores, o que é fundamental para suportar o peso do corpo e realizar atividades diárias como caminhar, subir escadas e levantar-se de uma cadeira. Músculos mais fortes contribuem para uma melhor estabilidade e mobilidade”, afirma o ortopedista.

Oliveira destaca que atividades de impacto e resistência, como caminhar ou fazer musculação, podem ajudar a prevenir a perda de massa óssea (osteoporose), comum nessa faixa etária, especialmente entre as mulheres. 

Além disso, através do fortalecimento dos músculos das pernas há um aumento da estabilidade geral do corpo, tornando os idosos menos propensos a tropeçar e cair. 

A geriatra da Saúde no Lar,Simone de Paula Pessoa Lima, explica que o exercício físico é fundamental para a saúde e longevidade em qualquer faixa etária, mas se torna especialmente importante à medida que envelhecemos. Para idosos, a prática regular de exercícios físicos pode trazer benefícios significativos, incluindo:

  • Melhora da força muscular;
  • Manutenção da saúde óssea;
  • Melhoria da flexibilidade e do equilíbrio;
  • Redução do risco de doenças crônicas como diabetes, doenças cardíacas e osteoporose;
  • Promoção da saúde mental, contribuindo para uma melhor qualidade de vida e maior independência.

Além dos exercícios para as pernas, que são fundamentais para manter a mobilidade e reduzir o risco de quedas, a médica recomenda exercícios para os braços e coluna.

“Exemplos de exercícios que trabalham todas as partes do corpo seriam a caminhada, a natação ou hidroginástica, exercícios de pilates e musculação com exercícios de resistência. Com eles conseguimos manter a massa muscular, o que é crucial para a mobilidade e o metabolismo”, diz a especialista.

Dieta mediterrânea

Quanto à dieta mediterrânea seguida por Cohen, a nutricionista Patrícia Alves Soares Lara conta que o cardápio é baseado em alimentos disponíveis em países que fazem fronteira com o Mar Mediterrâneo. A base para esta dieta inclui: 

  • Abundância de alimentos vegetais;
  • Frutas;
  • Grãos integrais, nozes e leguminosas minimamente processados, sazonalmente frescos e cultivados localmente;
  • Azeite de oliva como a principal fonte de gordura;
  • Queijo e iogurte, consumidos diariamente em quantidades baixas a moderadas;
  • Peixe e aves, consumidos em quantidades baixas a moderadas algumas vezes por semana;
  • Carne vermelha, consumida com pouca frequência e em pequenas quantidades;
  • Frutas frescas para sobremesa, com doces contendo açúcares adicionados ou mel consumidos apenas algumas vezes por semana;
  • Vinho consumido em quantidades baixas a moderadas, geralmente com as refeições.

A especialista conta que estudos epidemiológicos confirmam que a dieta mediterrânea melhora a saúde e oferece proteção contra o câncer. 

“Espécies reativas de oxigênio são geralmente consideradas uma das principais causas de danos às macromoléculas. Nesse sentido, a dieta mediterrânea mostra-se extremamente interessante, já que é rica em antioxidantes, que ajudam a combater o estresse oxidativo e a inflamação crônica”, explica a profissional.

Há muitas maneiras de incorporar as comidas da dieta mediterrânea ao seu menu diário. Aqui estão algumas ideias da nutricionista para você começar:

Café da manhã

  • Pão integral coberto com uma pequena quantidade de queijo com baixo teor de gordura e fatias de tomate fresco, regado com um pouco de azeite extra virgem.
  • Omelete de vegetais feita com cogumelos, espinafre e cebolas cozidas em azeite com pão integral crocante.
  • Iogurte grego simples coberto com nozes e frutas frescas.

Almoço

  • Salada grega feita com verduras mistas picadas, azeitonas, tomate, salsa fresca, queijo de cabra com azeite de oliva extra virgem e limão espremido na hora.
  • Salada de grão de bico com pimentão vermelho, cebolinha e orégano fresco, vestida com azeite extra virgem e suco de limão.
  • Pizza vegetariana coberta com queijo mussarela meio desnatado, brócolis assado, cebola, pimentão verde e cenoura.

Jantar

  • Espetos de vegetais grelhados com camarão, salada de quinoa torrada e salada verde mista com pinhões.
  • Frango frito em azeite com brócolis, couve-flor, espargos e pimentão amarelo, servido sobre arroz integral.
  • Mexilhões cozidos no vapor com salada de espinafre e sopa de minestrone.

Homem de 93 anos tem idade biológica de 30 e intriga cientistas Homem de 93 anos tem idade biológica de 30 e intriga cientistas

Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade