PUBLICIDADE

Herpes zoster: entenda a internação de Fernanda Keulla

A apresentadora e ex-BBB atrelou a ansiedade, estresse e baixa imunidade com o aparecimento da doença. Entenda o que é a herpes zoster

27 jul 2022 - 11h03
Ver comentários
Herpes zoster: entenda a internação de Fernanda Keulla
Herpes zoster: entenda a internação de Fernanda Keulla
Foto: Reprodução Instagram / @fernandakeulla / Saúde em Dia

Fernanda Keulla contou através do seu Instagram que foi internada com herpes zoster. De acordo com a apresentadora, ela está hospitalizada desde semana passada para controlar a dor causada pela doença. Leia trecho do pronunciamento da ex-BBB:

"Pra quem não sabe, assim como eu não sabia, vale o alerta: a herpes zoster é causada pela reativação do vírus da varicela no organismo. A varicela é o vírus da catapora (que eu peguei na infância) que fica incubado no nervo. Devido a uma baixa imunidade do meu organismo, ansiedade, stress, o vírus da varicela foi reativado, me causando fortes dores (insuportáveis) e bolhinhas na pele".

O vírus

O vírus da herpes-zoster pode causar diferentes doenças e condições nas pessoas que ele infecta. Recentemente, o cantor Justin Bieber publicou um vídeo em suas redes sociais onde aparece com metade do rosto paralisado. Na época, ele afirmou estar com a síndrome Ramsay Hunt, também causada pelo herpes-zoster.

O microrganismo, no entanto, também é responsável pelo desenvolvimento de problemas mais comuns, como a catapora, por exemplo. Além disso, ele costuma alcançar a pele e gânglios sensoriais, provocando lesões, bolhas e dor.

"A dor persiste por muitas semanas e até meses, condição chamada nevralgia pós-herpética, e envolve uma recuperação desgastante com uso de medicamentos analgésicos potentes. A doença também pode provocar outras complicações mais raras, como afecções oculares - ceratite e uveíte, por exemplo, além de outras sequelas permanentes - e paralisia facial temporária, caso as lesões apareçam no rosto", explica a Dr. Fernanda Buonfiglio, médica da família formada pela Faculdade de Medicina do ABC.

De acordo com um estudo da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), o número de infecções por herpes-zoster cresceu após o início da pandemia no Brasil. Conforme os pesquisadores, as alterações de humor e de hábitos alimentares provocadas pelo isolamento foram os possíveis estímulos para o aumento de casos.

A Dra. Buonfiglio explica que existem várias condições que estão associadas ao aparecimento da herpes-zoster. "Pessoas com baixa imunidade, câncer, trauma local, cirurgias da coluna, sinusite frontal, e outras enfermidades têm mais probabilidade de se infectar com o vírus. Ele acomete, principalmente, indivíduos acima dos 50 anos, especialmente idosos, que apresentam imunidade diminuída ao longo dos anos", afirma.

Vacina para a herpes-zoster

Um imunizante com 97% de eficácia contra a herpes-zoster foi aprovado pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e já está sendo aplicado no Brasil. A dermatologista Dra. Adriana Vilarinho, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), revela que a proteção da vacina, chamada Shingrix, é de cerca de 10 anos.

Entretanto, o imunizante, que é da farmacêutica GSK, tem o preço elevado. Ele deve ser aplicado em duas doses, e o preço por injeção é R$ 843 (R$ 1.686 ao todo), o que pode variar de acordo com os impostos de cada região.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade